"FÉNIX"

Colectânea Literária

POESIA

 
   
   
 

GRAVURAS


Gravuras e voz
na noite tateada
e um singular ritmo na tela adjacente
serpente se esmaga no muro
e cada gota é sangue do poema
intensos
tão intensos traços
que revestem a noite orvalhada
silêncio
corpo aprisionado que derrama o azul
o azul da gravata
vertigem
afagos e risos na noite
e o rosto é água
na noite,
:
noite trafegada

Alberto Araújo

 
   
   
 

DUAS PAISAGENS – (a moça e a lua)


superfícies cromadas
e o ocaso tem suas cores rubras
após o crepúsculo
a LUA se ativa

Já é noite e o meu corpo
é delírio incendiado em
puro sentimento – a publicar-se
nos cata-ventos – VENTOS

A MOÇA segue pelas
as ruas da cidade – caracóis ao vento
–(in)vento – (IN)VENTO

A moça é de louça – a LUA tem a pele nua

:

e duas paisagens incendeiam a noite
a MOÇA a LUA

Alberto Araújo

 
   
   
 

O AMOR – (na intrépida tela)


O amor
pegadas e sol nascendo
(trazendo luz pelas frestas)
e em mim
o gosto do amor
é adocicado
e suas linhas são absolutas
e flutuam no tapete da primavera
o amor
intenso amor
mistura de rendas e escarlate tela
o meu amor vem do sul
é uma guerreira bela
amor
geometria louca (voluptuosa)
talvez uma quimera
mas meu coração diante
torna-se forte, fortemente
que suporta uma longa espera

Alberto Araújo

 
   
   
 

TELA DE (outra vez)


I

O alvo é ser feliz
e escrevo na tela
o que não desgasta
espelhos múltiplos
leque aberto
e não se desata

III

o alvo é ser ápice
do que não exagera
(tempo deflagrando
o raio
e anulando a escura tela)

IV

o alvo é ser feliz
felicidade:
é o que se espera


II


o alvo é ser luz
e olho a insolúvel tela
– real gesto de quem ama

Alberto Araújo

 
   
   
 

POEMA A MINHA AMADA


Ó minha amada
luz da estrela – beleza
a me guiar
quantas bocas
quantos olhos – esperteza
a me vigiar
ó minha amada
quanto mistério
no teu mar – fortaleza
a me navegar
brancas pirâmides
coluna explosiva da paixão
anjo da despregada lua – delicadeza
e tanto amor no coração
ó minha amada
que é mais linda
e mais pura que a estrela matutina – sutileza
que lança a paixão no meu peito
que meu coração se desatina
beleza – esperteza – fortaleza – delicadeza – sutileza
ó minha amada
brindemos ao amor – encanto
minha eterna princesa

Alberto Araújo

 
   
   
 

AMOR ETERNO (três)


Amor, amor
o ventre
da
alma
na mais fimbria embriaguez
ins
pira
dos
versos
de amor
no coração
amor
amor, amor
verdes campos (canto flor vivência)
transbordando no cálice da paixão
amor, amor
pão unificado – luz da lúcida visão
amor, amor
chama despida – que (re) nasce sempre
no onírico raio: do ápice – poesia – constelação

Alberto Araújo

 
   
   
 
Livro de Visitas