"FÉNIX"

Colectânea Literária

POESIA

 
   
   
 

EXTENSO AMOR


Extenso amor
nas pálpebras de ir e vir
da paixão que é colossal
absoluto dom de existir
na infinidade do oceano
que em silêncio se desfolha
vida aberta
multiplicada em mil lâmpadas
pensamentos que flutuam
amor meu suspiro imortal
um lago
num esplendoroso círculo
que é imensidão
grafia e poesia
(re) descobrindo mil luas
e a onda da minha vida
se completa na hora
que o amor chega
trazendo as peles e bocas
completamente nuas.

Alberto Araújo

 
   
   
 

SOL E ÁGUA


Os teus olhos
veem-me – e eu
os vejo
O teu corpo me pede água.
E sobre mim,
faz-se oceano
uma vasta piscina
âmbar,
hélice que me adeja
que me alimenta
lâmpada explosiva
que me deseja
o teu veneno é poema
e me é riste na sala escura
o teu fogo
é resina translúcida
silábico fósforo
que em meu azulejo flutua
o todo teu
É – tudo em mim
parede forte, as persianas
papel modulando a tarde
a respiração, o sol que arde
e tem hora
que não sei o que dizer
somente sei; que o ar do teu sol
é a amplitude, o cimento
a água além da tua rua
e também sei;
que sou varanda, pássaro na árvore
arrematando a bainha da tua pele nua.

Alberto Araújo

 
   
   
 

FAROL ACESO


Então começam
as manhãs
febre terçã – sou água
e agora no teu lampejo deságuo
então começa
o verbo
o trânsito (sinais, conexões internet)
então começa
a pérgula
o chuvisco
a frase inteira
então começa
o ardor – o amor
boneca de louça na vasta cama
– paixão pela cumeeira
então começa
o indispensável
a tarde azul – paralelepípedo
-a arvore – o ar sólido penetra o óbvio
e a veemência da vitrine aqui dentro inteira.

Alberto Araújo

 
   
   
 

POESIA BUCÓLICA


O vento
a chuva
o sol
as estrelas
tudo existe
tudo é um amor simples
tudo existirá
tudo é partilha
e nos pertence integralmente
– na partilha
continuam;
singelos – intensos – eternos,

nas ETERNAS
MENTES.

Alberto Araújo

 
   
   
 

VIVER DE UMA FLOR VERMELHA


flor
flores
princípio e cores
flor
flores
terra que os cavalos
farejam mil amores
flor
flores
voo arfante – luz inabalável
flor
flores
firme montanha
estrelas pingando aos olhos
do mar indomável.

Alberto Araújo

 
   
   
 

DO CANTO DO GIRASSOL


Ouve-se
o tic-tac do relógio
na fotográfica noite
(o traço tingindo a hora)
a cidade pode dormir
mas eu não, quero ser o pássaro
a flutuar na geométrica flor
quero ser um touro sem limite
e na concha da fêmea
buscar o gozo
o ardor do amor
(amor mais que belo
o amor perfeito)
quero amar
um corpo em chamas
quero amar um coração estridente
ser o indispensável
do mar o azul provável
é nessa hora
que serei feliz
uma vida sem tédio
quero amar ali
onde o girassol é meu espião
onde o amor vive e revive
quero amar
sem me importar com
as pessoas do mais alto prédio
quero amar
com o maior amor
que eu tiver no coração.

Alberto Araújo

 
   
   
 
Livro de Visitas