"FÉNIX"

Colectânea Literária

POESIA

 
   
   
 

FELIZ


Nada me faz
mais feliz que teu amor – teu desejo

Um beijo se acende
na sala escura – relampejo

Na hora certa
o veneno de meu poema
faz-te sol

E este sol é saltitante
e seus passos se espalham
sobre a página clara e elegante

Nada me faz
mais feliz que teu amor – é o que
faz minha rua ficar dançante.

Alberto Araújo

 
   
   
 

ARDENTE DESEJO


E diz sim
ao beijo

E no lampejo
os olhos são puros desejos.

E o Translúcido desejo
segue pela rua sem nexo
e a moça feito um cisne
espalha-se no lago

Contínua hélice
que me deseja – obsesso

E no quarto
entre flores e velas
o poema morde o próprio
dente

:

o sexo

Alberto Araújo

 
   
   
 

ANJO (asas insensata)


Cuja face
percorre os rios
E sobre aqueles
que se perdem
na sofreguidão do vazio
Pode entrar
pela fresta – porque é setembro
e a primavera acaba de chegar
bem vindo
anjo de Deus
Aqui estão
meus ossos e minha face
pode os percorrer sempre.

Alberto Araújo

 
   
   
 

NÃO HÁ LIMITE


No céu
os braços de DEUS
vestem toda a cidade
calcanhar
gesto
conforto
é só se entregar
No chão
os anjos vagam
nos cabelos
dentes
punhais
é só se entregar

No sudário
Cristo é rei
e compadece-se de todos os males
é só se entregar.

Alberto Araújo

 
   
   
 

SONHOS DE CETIM


Da explosão da lâmpada
o poema nasce – sobrevoa
o sonho do impossível
entre pedras e farpas
é aceso é sólido
sonhar é gesto
é felicidade
exímia franja de cetim
que nas abas do viaduto
(onde a gola) se engoma
preciso de tinta
pintarei a tela – e voarei alto
tão alto – e minha língua
e milhões de palavras
atravessarão a tempestade.

Alberto Araújo

 
   
   
 

PASSOS


.......................... toc toc passo passo
onde o passo
é passagem
gesto sólido
de um arrecife
e na navalha do tempo
ressurjo
tantos passos
(des) campeados ou não
coisas exaladas
do próprio barro
relógio
que no alto prédio
agarra-se ao meio dia
passo
onde o passo
é passagem
e não melancolia.

Alberto Araújo

 
   
   
 
Livro de Visitas