COLECTÂNEA LITERÁRIA

POESIA

 

 

Benedita Azevedo

 

 

Meus poemas
 

 Richard S. Johnson

 

Apresentação


Pouco entendo de sonetos, sonetilhos e trovas, mas reconheço o sentimento impregnado nas palavras, tanto as ditas quanto as escritas. E isso a obra de Benedita Azevedo tem de sobra.
Sem melosidades, trechos pegajosos, tentando apelar à emoção do leitor. Nada disso. Benedita escreve como vive: forte, porém, suave. Clara, mas não seca. Ela trata da vida como a vida precisa ser vista, com realismo, no entanto, sem perder a ternura.
O conjunto de obras dessa escritora não começa pela poesia e suas diferentes formas, e sim pela autobiografia, a qual tive o privilégio de editar e publicar há mais de dez anos. Sua história ainda está nítida na minha memória, de tão impactante que é.
Nesse primeiro livro ela narra sua trajetória com uma honestidade fascinante. Ali estão suas marcas, que são a força para lutar e virar a mesa e o cuidado em não ferir os que estão ao redor. Uma leoa maranhense, contudo, com dentes e garras afiadas só para as adversidades da vida. Nunca para as pessoas, por mais que a firam.
Após a autobiografia vieram vários outros livros, solo ou em coletânea com outros autores. E ela sempre se destacando, pela inteligência, crescimento no que se propôs a fazer, sensibilidade.
Certa vez, me comunica que começou a se arriscar no Haicai, gênero poético japonês. Imediatamente fiquei curioso e interessado em ver o resultado. Elementar, meu caro editor, que não podia ser diferente vindo de Benedita. Logo ela estava recebendo prêmios honrosos e chamada de par por haicaístas ilustres e mais antigos de curso. A leoa maranhense vencia mais um desafio.
Assim, nem eu nem você, leitor, precisamos entender muito de sonetos, sonetilhos e trovas para termos certeza de que veremos o mundo pelos olhos e escrita cristalina de Benedita Azevedo. Um mundo nem azedo, nem meloso.
Apenas o mundo com sentimento bom de uma escritora de alma boa.

Precisa mais?

Paulo França – Jornalista e editor.

 índice

(clique no nº de: "Pág."  ou na: """)

Pág. 2 Pág. 3 Pág. 4 Pág. 5
Minha fé Porque tanta violência? Qual é a paz que eu quero? Repúdio
Teu olhar De coração para coração Obrigada, Senhor! Dança
Inveja Moreno O tempo A força da natureza
Convite para o amor A Poesia A ponte Ah! Se eu pudesse!!!...
Tuas mãos Até quando? Atende-me, Senhor! Solidão

 

Pág. 6 Pág. 7 Pág. 8 Pág. 9
Os invisíveis I O amor que mata GLOSA 1 Natal
Sururu na cidade Cada um tem seu lugar GLOSA 2 Meu primeiro amor
Amanheceu... Empírica saudade GLOSA 3 Perdão amor!
Sonho, miragem ou realidade? Noite perfumada Carícia Lembrança
O temporal e o beijo Sou ou não sou teimosa? Beijo roubado Você, outra vez.

 

Pág. 10 Pág. 11 Pág. 12
Suavidade Festas vespertinas Parei de correr
Teu perfume Contradições Carnaval carioca
Gestos de anjo Gratidão Os sons da Lapa
Intolerância Minha lira Perdão
Liberdade Dissipando o silêncio Minhas Trovas

Pág. 13

Biobibliografia