"FÉNIX"

Colectânea Literária

POESIA

 

MARIA LUIZA BONINI

 

Richard S Johnson

 

 

BIOGRAFIA

Maria Luiza Bonini
Nascida em São Paulo - Capital
Brasil
Formação: humanista

Minha relação com a arte pode ser confundida com o meu nascimento.
Talvez por uma influência genético/cultural, de meus ancestrais fiorentinos... (Itália)
Sou paulistana, descendente de italianos, por parte de pai, oriundos Di Lucca, na Toscana, vizinha de Firenze, berço das artes.
Muito precocemente, precisamente aos cinco anos de idade, já iniciava meus estudos de piano, o que me levou a desenvolver uma grande sensibilidade para com a relação à música, durante toda a minha vida.
Em momentos que a superação de algum problema se fazia premente, sempre recorri a alguma forma de arte.
Foi, justamente, em um desses períodos que comecei a pintar.
Meus óleos sobre tela me levavam a outra dimensão.
Quando me deparei com mais uma pedra no caminho, mergulhei na poesia, nos contos e nas crônicas.
O que era para ser mais um escape se avolumou de tal maneira, que não consegui parar.
Amo a poesia, adoro escrever, pois foi a maneira que encontrei para ser feliz.
 
Maria Luiza Bonini

 

 
 

APRESENTAÇÃO

De alma nua e coração aberto, persisti dizendo o que a inspiração me dita.
É de amor, para o amor e com muito amor, que escrevi a poesia que se encontra nesta Coletanea.
Em determinado momento parei para refletir sobre todas elas e percebi que se tratava de uma forma que encontrei para aspergir sentimentos represados durante toda uma vida.
Percebi, tambem, que se não escrevesse meus versos, continuaria sufocando e levando comigo toda essa bagagem.
Não poderia mais me calar, diante da vontade compulsiva de gritar ao mundo o que sinto.
 

ENTÃO, O AMOR SE FEZ VERBO
Maria Luiza Bonini


Então, o amor se fez verbo
Em desconexas palavras, na sua euforia
Crendo no que lhe parecia eterno
Passou a dizer ao mundo, o que sentia

Então, o amor se fez verbo
Em meio a toda a sua alegria
Cantou seus segredos em prosa e verso
Sem censuras, fez-se todo poesia

Então, o amor se fez verbo
Conjugou em todos os tempos, a sua fantasia
Sem perceber que a vida, sua algoz, o trairia

Então, o amor que se fez verbo
Ofereceu, em sacrifício, a sua agonia
Calou para sempre, o amor, que, de amor, então, morria

Maria Luiza Bonini

 

 

 

 

 

ÍNDICE

(clique no nº da página)

PÁG.2

  PÁG.3   PÁG.4   PÁG.5
A ALMA DO POETA   A TUA RIBALTA   ALICERCES   APELO DE GAYA AO ANO QUE SURGE
A ENTREGA   ABDICO   ALMA DE POETA   AQUARELA
À MÃE DE TODAS AS MÃES   AH, QUEM DERA !   AMIGO   AQUELE PAI
A MÁSCARA   AINDA QUE ...   AMOR DE AMAR   AS CEREJEIRAS DO JAPÃO
A TI, MINHA CRIANÇA   ALFORRIA   AO POETA QUANDO PARTE   ASSIM É O NOSSO AMOR

 

(clique no nº da página)

PÁG.6

  PÁG.7   PÁG.8   PÁG.9
AUSÊNCIA   CONSTANTE E DOCEMENTE   DOR SUAVE   EIS-ME, AQUI
BENDITA ÉS   CONVÉM   D'UM ETÉREO ETERNO   EM TUDO VEJO POESIA
CÃNTICO DO SILÊNCIO   DAQUELA PORTA   É ASSIM QUE EU TE AMO ...   ENTRE MORDISCOS E AÇUCENAS
CHEGA !   DE TANTO AMAR   E O NATAL, AINDA PERSISTE ...   ENTRE UMA LINHA E OUTRA
COMO A ORQUÍDEA, A MÚSICA, TEU AMOR E MAIS NADA ...   DESCULPA A MINHA POESIA   É TEMPO   ESTOU GRÁVIDA DE AMOR

 

(clique no nº da página)

PÁG.10

  PÁG.11   PÁG.12   PÁG.13
EU VI   HIPOCRISIA   LEVA-ME CONTIGO   MEUS VERSOS SECRETOS
GLOSANDO FERNANDO PESSOA   INESQUECÍVEL   LOUVAÇÃO   MUITO MAIS DO QUE PALAVRAS
GRITOS NÃO OUVIDOS   INTEMPÉRIES ...   MEA CULPA   NÃO ME DESPERTES
GUERRA E PAZ   IRRELEVÂNCIAS ...   MEMÓRIAS DE UM TEATRO   NAQUELA FLOR QUE O VENTO TROUXE ...
HAVIA   LÁGRIMAS E POESIA   MEU TEMA   NAQUELE NATAL

 

(clique no nº da página)

PÁG.14

  PÁG.15   PÁG.16   PÁG.17
NO DIA EM QUE EU PARTIR   O CARINHO DAS ROSAS QUE ME DESTE   O POEMA DE MEUS POEMAS   ODE À MÚSICA
NO TERCEIRO DIA   O DERRADEIRO POEMA   O POEMA QUE EU NÃO DISSE   ODE À POESIA
NOSTALGIAS OUTONAIS   O DOCE NÉCTAR DO TEU BEIJO   O POEMA QUE SURGIU   OFEREÇO-TE O MEU NATAL
NUM QUASE   O FILHO DO DESAMOR   O VERSEJAR DE UMA POETA MORTA   POETA QUE É POETA
O ACENAR DO ADEUS, A QUEM SE AMA   O GRITO DA NATUREZA   ODE À ANNE FRANK   POÉTICOS DILEMAS

 

(clique no nº da página)

PÁG.18

  PÁG.19   PÁG.20   PÁG.21
POR AMOR   QUE O VENTO ME TRAGA   SE ANTES DE TI EU MORRER   SINÔNIMOS ...
POR TER AMADO   RECORDANDO   SE QUISERES ME AMAR   SOU MULHER, SEM OPÇÃO
MEU LEGADO À VIDA   RÉU CONFESSO   SE SONHOS PARA VENDER HOUVESSE   SURPREENDENTE
QUANDO EU CHEGAR   SAUDADE DE MIM   SEMEADURA   UM PIANO, AO CAIR DA TARDE
QUANTO !   SAUDADE   SIMPLESMENTE, AMOR   VESTIDA DE ADEUS

 

 

Livro de Visitas