COLECTÂNEA LITERÁRIA

ENSAIOS ILUSTRADOS

 

 

 

 

W. J. Solha

 
 

ENSAIOS ILUSTRADOS

 
   

CURRÍCULO DE WALDEMAR JOSÉ SOLHA
( W. J. Solha )

PEÇAS TEATRAIS ESCRITAS E MONTADAS POR ELE

1 – A Canga – 1968, em Pombal, PB
2 – A Bátalha de OL contra o Gigante FERR – 1986, com o Grupo Bigorna, em João Pessoa.
3- A Verdadeira Estória de Jesus – 1988, idem, idem


PEÇAS TEATRAIS ESCRITAS POR ELE E MONTADAS POR OUTROS


1- Burgueses ou Meliantes? – dirigida por Ubiratam de Assis, Grupo Bigorna, 1982
2- Papa-Rabo – dirigida por Fernando Teixeira, idem - 1982
3- A Batalha de Oliveiros contra o Gigante Ferrabrás – dirigida por Ricardo Torres, em Brasília, 1991
4 – A Bagaceira – dirigida por Fernando Teixeira


ROTEIRO PARA BALÉ


1 – Caldo da Cana – música do maestro Carlos Anísio, coreografia de Rosa Ângela Cagliani.


ROMANCES PUBLICADOS


1- Israel Rêmora – Prêmio Fernando Chinaglia 1974, publicado pela Récord em 75
2- A Canga – editado pela Moderna em 1978, reeditado pela Mercado Aberto em 84. Menção especial Prêmio Fernando Chinaglia 74, 2º. Lugar Prêmio Caixa Econômica de Goiás 75, menção honrosa Prêmio Remington de Literatura 1977
3- A Verdadeira Estória de Jesus – Ática, 1979
4- Zé Américo Foi Princeso no Trono da Monarquia, Codecri 1984
5- A Batalha de Oliveiros – Prêmio INL 1988, ed. Itatiaia 1989
6- Shake-up – Ed. UFPB 1997
7- Relato de Prócula – A Girafa, 2009, Bolsa de Incentivo à Criação Literária da FUNARTE 2007.
8- Arkáditch – Ideia.


COLETÂNEA DE CONTOS, ROTEIRO CINEMATOGRÁFICO E DOIS ROMANCES


1- História Universal da Angústia – Ed. Bertrand Brasil, 2005, Finalista do Jabuti em 2006, Prêmio Graciliano Ramos, da UBE – Rio 2006


POESIA


1- Trigal com Corvos – Ed. Palimage – de Portugal, 2004, Prêmio João Cabral de Melo Neto, da UBE 2005
2- Marco do Mundo – Ed. Ideia, 2012
3- Esse é o Homem – Editora Ideia, 2013


CRÍTICA


1 – Sobre 50 Livros de autores brasileiros contemporâneos que eu gostaria de ter assinado.


PARCERIA COM COMPOSITORES


1 – Via-Sacra, Oratório de Semana Santa, com música de Ilza Nogueira, apresentada na Igreja de São Francisco, na semana santa de 2005, sinfônica regida pelo maestro Carlos Anísio, balé com coreografia de Rosa Cagliani, Coral Villa-Lobos.
2 – Cantata pra Alagamar, com o maestro José Alberto Kaplan, 1979. Gravada pela Marcus Pereira, S.P.
3 – Réquiem Contestado – para o maestro Eli-Eri Moura, gravado pela UFPB em 1998
4 – A Ópera Dulcinéia e Trancoso – para o mestro Eli-Eri, em montagem para este ano de 2009, com financiamento já liberado pela Secretaria de Cultura do Recife.
5 – Cantata Bruta – em que os compositores Eli-Eri Moura, Marcílio Onofre, Didier Guigue, Wilson Guerreiro, Valério Fiel da Costa e José Orlando Alves musicaram vários dos contos da parte A Gigantesca Morgue – da História Universal da Angústia.


PINTURA


Tem um painel – Homenagem a Shakespeare – no auditório da reitoria da UFPB, composto de 36 telas ( uma para cada peça do Bardo), formando um retângulo de dois metros por 7,40, além de um quadro de 1,60 por 3,60 – A Ceia – no Sindicato dos Bancários da Paraíba.


CINEMA


Produção – com José Bezerra Filho – do primeiro longa-metragem de ficção em 35 mm da Paraíba, O Salário da Morte, dirigido por Linduarte Noronha.
Roteiro de A Canga – curta-metragem de Marcus Vilar com 23 prêmios nacionais e internacionais.
Como ator, participação nos curtas A Canga e A Casa Tomada, bem como nos longas O Salário da Morte, Fogo Morto (Marcus Farias), Soledade (Paulo Thiago), Lua Cambará (Rosemberg Cariry) e Bezerra de Menezes (de Glauber Filho, Joe Pimentel). Participou, também, dos longas O Som ao Redor (Kleber Mendonça Filho) e Era uma vez Verônica (Marcelo Gomes), além do curta Antoninha, de Laércio Ferreira, todos para serem lançados no segundo semestre de 2011.

Ganhou o prêmio de melhor ator coadjuvante pela participação em Era uma vez eu, Verônica, no Festival de Cinema de Brasília de 2012.
Ganhou o prêmio de melhor ator pela participação no filme Antoninha, no Festival de Curtas do Vale do Jacuípe, Bahia, 2013

WJ Solha