FÉNIX

 

LOGOS Nº 13

MARÇO 2015

 

 

 
 

Fátima Mello(fofinha)

 

BOA NOITE AMOR!
Fátima Mello(fofinha)


Não vi tu partir
mas sinto que fostes
pensando em mim...
com vontade de me levar junto
para poder, senão zelar
pelo menos t acarinhar...
Boa noite Amor!
Não senti teu beijo
mas sei que pensou
meus lábios tocar com os teus
e meu corpo cobrir com o teu...
Boa noite Amor!
que teu sono seja leve
como a pluma dos pássaros
que mesmo molhada lhes deixa voar...
Boa noite Amor!
Amanha novo dia
espero novamente sonhar
que juntos ,
finalmente iremos deitar...

Fátima Mello (fofinha)
Bagé/RS - Brasil

 

 
 

Filipe Papança

 

RESSURREIÇÃO
Filipe Papança


A luz cobriu as trevas.
O poder de Lúcifer terminou.
O mundo acabou.

Tudo está consumado.
No sangue do cordeiro resgatado.
Agora tudo está n’Ele.

Eis a nova Jerusalém sonhada!
A Criação renovada.

O Alfa funde-se com o Ómega.
O tempo findou.
A Eternidade germinou!

Filipe Papança
Lisboa - Portugal

 

 
 

Flavio R. Kothe

 

O INIMIGO EM NÓS
Flavio R. Kothe


Poema, ó consolo da tua impotência, ora eu te maldigo
não és pistola de certeira mira, não atiras como coronéis
não és pão de espiritual padaria, não alimentas irmãos
não garantes cartão de emprego na paulista academia.

Poema, se consolas, não és o lavolho de grã impotência
não és nenhuma vitória contra o garrote, a garra e o aço
um grito contra bandidos que ora te triturem e te açoitem
um sentido para quem como tu não tem sequer aonde ir.

Judeus também pensaram não haver gás nos banheiros
ou cantavam quando solenes para a morte caminhavam
e judeus foram expulsos em noventa e dois da Península
agora é a vez dos teutos na ibérica província brasiliense.

Perus desnuda um imenso cemitério de presos políticos
aviões militares jogavam corpos no mar, e teus poemas
eram impotentes então como serão impotentes amanhã
e hoje eles não resolvem teu desemprego nem tua fome.

Nada mais ocorre por acaso nessas vilas tão vãs, jamais
por trás de paredes outros já decidiram sobre teu destino
decretaram tua paranóia como consenso mínimo do real
és gado de corte, pela dor marcado, não te salva o poema.

In "Poemas do Exílio"
Flavio R. Kothe
Brasília - DF - Brasil

 

 
 

Francisco de Paula

 

A ARTE
Francisco de Paula


Homenagem aos artistas
Em todas as expressões
A arte
É uma força que sai do interior do homem
É um ideal
Que irá se realizar
Recebendo vida
Torna- se realidade
Em uma expressão
De uma forma artística
Para os homens participar.
Eu nunca tinha percebido
O quão belo é a arte
Um violeiro ou sanfoneiro
Executar uma melodia
Com suas vozes afinadas
Criam versos instantâneos
Dando vida ao musical
A cozinheira em sua maestria
Dá sabor aos manjares
O carpinteiro e o marceneiro
Esculpem a madeira
O homem que molda o barro
Dando forma espetacular
São todos artistas
Revelação do meio do povo
Uma cena no teatro
É para se deslumbrar
O primeiro artista do mundo
Foi Deus por excelência
Moldou um boneco da argila
Com as palmas de sua mão
Com o hálito de sua boca
Deu vida a Adão

Francisco de Paula – Deficiente visual
Taguatinga – DF - Brasil

 

 
 

Francisco Lopes

 

A ÁRVORE E O HOMEM
Francisco Lopes


“a árvore com o passar dos tempos
se solidifica suas raízes
mantendo uma estrutural invejável,
já o homem, com o passar dos tempos
deve se estruturar e solidificar
as raízes do conhecimento”. (FRL).

Francisco Lopes
São Sepé - RS - Brasil

 

 

 

Livro de Visitas