FÉNIX

 

LOGOS Nº 13

MARÇO 2015

 

 

 
 

Glória Marreiros

 

MINHA AVÓ
(Em homenagem a todas as mulheres)
Glória Marreiros


Recordo a minha avó, a toda a hora,
A trabalhar na serra onde vivia.
Alegre e destemida, uma algarvia,
Sofrida como foi Nossa Senhora.

Mulher, entre as mulheres, defensora
Da paz, fraternidade e harmonia.
No silêncio cantado, não sabia
Que tinha uma alma nobre e lutadora.

Morreu sem conhecer uma cidade;
Cantou, na serrania, a liberdade;
Ensinou-me a cumprir os meus deveres.

Minha avó é um símbolo, um sinal,
Das algarvias deste Portugal
Que foram e que são grandes mulheres!

Glória Marreiros
Portimão - Portugal

 

 
 

Graça Campos

 

ESPELHANDO VIDA
Graça Campos


Logo cedo ao espelho, face serena reflete sonhos
Oriundos de sono profundo...
Ah, mulher!
Um retoque daqui outro ali,
Arranjo nos cabelos,
No rosto, pontos de luz em pontos estratégicos,
Contornos de olhos e a boca que pede batom ousado...
Sensação da estação, tentação do momento.
Um recado do espelho:

O teu rosto é tua luz
Tua boca é o que falas,
Tua pele, teu olhar, tua idade?
O viver!
Ao colo um colar de preciosidades!

Graça Campos
Minas Gerais - Brasil

 

 
 

Helena Madeira

 

A INICIAÇÃO
Helena Madeira


Viajo por entre a escrita
Dos cruzados trovadores
E vislumbro esse jardim
Onde rosas e espinhos
Se harmonizam na beleza
Do verbo criador

Lembranças de outro reino
De aquém e de além mar
Esse verbo lusitano
Onde construo o meu castelo
De nobres ensinamentos
E descubro no pensamento
Esse nobre Oriente Lusitano
Latitude dos meus sonhos
Onde se inscrevem diamantes
Sem cor, nem nome
Assinados pelos Deuses
Nobres artesãos
Que na noite
Inscrevem o dia
Num circulo de luz
De lusitana paixão

Helena Madeira -
Montijo - Portugal
em França
www.helenamadeira.com

 

 
 

Helena Martins, Prof.

 

ALMA LIBERTA...
Helena Martins, Prof.


Alma liberta,
Leveza profunda...
Legado dos céus …
Peito nu,
Sentido saciado…
Quem és?
Pele diáfana…
Minha veste?!
Vergel puro!
Brotando ao vento…
Acervos d ´oiro…
Meu anseio?!
Ardendo em fogo…
Dor siderada…
Meu espírito!...
Rútilo invocando,
Cório em flor!...
Minh ´alma…
Absorta d´amor!...

Helena Martins, Prof.
Angra do Heroísmo - Ilha Terceira - Açores
http://helenamartins10.blogspot.pt/

 

 
 

Helena Nogueira

 

NÃO QUERO
Helena Nogueira


Não quero ir para onde me mandam,
Não quero que me quebrem as asas…
Deixem-me seguir para onde manda o coração,
Deixem-me ser feliz, não quero sofrer ameaças…
Quero ir para onde mandam os meus pés
Sem medos, mas confiante no chão que piso.
Deixem de me dar ordens, porque não as aceito,
Não me matem a ilusão de ainda ser feliz,
Quero ver o sol todos os dias com emoção.
Deixem-me ouvir o belo agitar do mar
E nele banhar os pés na suas águas frias.
Quero ver os passarinhos voar e cantar
Sem que eu me sinta presa
Numa gaiola dourada e ver a vida passar,
Como o vento que tudo leva, deixem-me pensar;
Deixem-me rir e brincar livre de cabelos ao vento.
Deixem-me viver, é só o que peço para poder ainda
Apanhar o comboio rumo ao fim do arco-íris
E aí sim, ser feliz livre, de aberto coração
Sem pesos de consciência,
Sorrindo com leves pensamentos,
Que me enchem de emoção.

Helena Nogueira
Lisboa - Portugal

 

 

 

Livro de Visitas