FÉNIX

 

LOGOS Nº 13

MARÇO 2015

 

 

 
 

Amilton Maciel Monteiro

 

FORA DO PRAZO
Amilton Maciel Monteiro


A beleza do sol que está no ocaso,
supera muita vez o resplendor
do rei-fulgor a pino lá no vaso
anil que o concebeu seu Inventor!

Também conosco, não só por acaso,
consegue-se sentir todo o sabor
da existência talvez fora do prazo,
ou seja, quando a vida está a se pôr...

Antes que a noite chegue, o sol se esmera
e dá o melhor que tem, enquanto a espera,
para homenagear o Criador!

E assim..., se o sono eterno se aproxima,
nosso existir percebe o melhor clima
para reverenciar o Deus de Amor!

Amilton Maciel Monteiro
São José dos Campos - Brasil

 

 
 

Ana Dias

 

OLHEI PARA O CÉU
Ana Dias


Olhei para o céu
À espera de ver
Romper o breu
A luz do alvorecer

Fugira a Lua
Em busca do Sol
A noite tão nua
Dançou num arrebol

E na poalha difusa
Que a noite semeia
No céu uma fusa
Desfia enovelada teia

Cinzenta e húmida,
Deslizando serena,
De côr translúcida,
Ao som de uma avena,

Que o vento tocando,
Faz as nuvens bailar
No doce encanto
Do seu encastelar

Polvilham a terra
De fresca bênção
No longe da serra,
Ribomba o trovão

Com ele pela mão
Coriscos dardejam
Reflexos no chão
Que os ventos bafejam

Ana Dias
Vale Vite - Vimeiro - Portugal

 

 
 

Ana Isabel Rosa

 

VIDA
Ana Isabel Rosa


Vida…
Como o nevoeiro
Que perturba mas não oculta,
A vida
Pode ser viajante e tão curta…

Esgota-se em cada partícula de pó
Que no dia esvoaça na ansiedade
E na noite repousa conformada
Na singularidade
De uma sombra já acabada…

Vida…
Conduzida pelos ventos da memória
Calejados no tempo de bruma
Que tombam aos pés de quem se recorda
Da silhueta do ontem…

Desperta cada dia
Para o aconchego de um colo
Que carrega tantas súplicas
E com a audácia suficiente
Para ocultar tanto silêncio…

Vida…
Conhecedora
Da marca de cada palavra
Que escapa dos lábios de quem sabe
O quanto ela é imponente
Na hora mais inconveniente…

Como um pássaro
Que bebe o destino
E não se deixa ficar parado no tempo
A chama de uma poesia
Faz com que a alma sinta o apelo pela vida!...


Ana Isabel Rosa
Ponta Delgada - Açores - Portugal

 

 
 

Ana Rosa

 

 PERDER-TE
Ana Rosa


Ajuda-me a saber perder
De perdas não me contento
Tive tudo em minhas mãos
Era tudo uma mentira
Ilusão do meu pensamento

Agora que a vida se desfaz
No palco da desventura
Sou um ser sem razão
Onde vive saudade e amargura

Tenho saudade de ti
Tinha-te em minhas mãos
E logo te perdi
Ajuda-me a saber perder
A vida ao teu lado
Aquela que não vivi

A recordação de ti
Está sempre presente
À noite canto-te em fado
De dia, não me sais do pensamento

Ajuda-me a saber perder-te
Ou trarei tua perda presente
Mentindo a toda a gente
Nesta alegria aparente

Ajuda-me a saber que te perdi
Não voltaste
Há muito que partiste
Arrastado pela corrente do tempo
Diz-me se ainda és gente

O tempo apaga as feridas
Mas não um grande amor
A distância separa dois corpos
Mas não duas almas

Agora sem ti não sou nada
Canto o fado com melancolia
Em cada dia que passa
Com infinita tristeza
Por saber que te perdi um dia

Silêncio...
Vou cantar o fado

Ana Rosa
Arruda dos Vinhos - Portugal

 

 
 

Anabela Alexandra Gaspar Silvestre

 

ESSÊNCIA...
Anabela Alexandra Gaspar Silvestre


Quero o alento
do teu olhar…
Sentir o teu
coração a pulsar…
Ver brevemente
o teu sorriso
surgir…
Preciso do teu
carinho
que me acalenta…
Quero a tua
serenidade
que tanto me
apazigua!
Deixa-me ousar
absorver a tua
ESSÊNCIA!

Anabela Alexandra Gaspar Silvestre
Covilhã - Portugal
Página de Facebook:
https://www.facebook.com/anabelagasparsilvestreescritora

 

 

 

Livro de Visitas