FÉNIX

 

LOGOS Nº 13

MARÇO 2015

 

 

 
 

Beatriz Antunes (Be@)

 

ABRAÇO
Beatriz Antunes (Be@)


Dá-me um abraço
não digas que não
deixa que sinta o teu coração
que o meu já é só teu
eu sei e tu não.
da-me um abraço
daqueles bem fortes
apertado e sentido
eu sei que tu podes
e nesse desejo
de um abraço apertado
eu sinto e sei
que te quero a meu lado
e bem abraçadinhos
nesta grande paixão
da-me um abraço
não digas que não.

Beatriz Antunes (Be@)
Sesimbra - PortugalBeatriz Antunes

 

 
 

Beki Bassan

 

A VIDA COMO ELA É
Beki Bassan


Se soubermos viver a vida,
posso garantir que é muito gostosa.
Eu vivo cada momento
e tento aproveitar ao máximo.
Claro que nem sempre
a vida se mostra cor de rosa
mas os espinhos quando aparecem,
temos que enfrentá-los...
E não ter medo...
Depois que passa,
podemos ver nosso crescimento.
Mas acredite, que se pensarmos positivamente,
veremos a beleza da natureza
que tanta felicidade nos traz.
O Sol ao amanhecer...
A Lua à noite...
Então porque não juntarmos tudo,
e vibrar por um mundo de Paz...
Acredito que seja a vontade de todos.

Beki Bassan
Rio de Janeiro - Brasil
www.reflexoesempoesia.blogspot.com

 

 
 

Benedito Dimas Ferreira

 

MULHER
Benedito Dimas Ferreira


Ouço as batidas de um coração.
Sinto carinho, mas não sei quem sois.
Apalpo o que eu sinto com a minha mão,
e percebo que o coração não é um, são dois.

Neste momento eu acabo de nascer.
Fui bem recebido, aqui tive leito.
Quanto mimo: todos querem me ver,
e a minha mãe me encosta em seu peito.

Custei para nascer.
Minha mãe foi guerreira.
Dei trabalho aos médicos
que dispensaram a parteira.

Minha mãe me ensinou a falar.
Com amor e carinho,
também me ensinou a andar.
O que penso deste ninho?
É um santuário este meu lar.

Brincou comigo brincadeiras antigas
que a minha mente fez despertar.
Juntamente com meus amigos
foi possível compartilhar.

Minha mãe me mandou para a escola:
Não conte com a sorte;
Estude bastante, nada de cola.
E na escola se comporte.

Cresci e estou na adolescência.
Uma namorada eu já arranjei.
Respeitar a moça é uma ciência:
Aprendi com mamãe a quem sempre amei.

Ao visitar o meu grande amor,
admirava seu semblante tão bem.
Procurei ser galanteador,
como papai com mamãe foi também.

Nesta poesia eu falo de mim,
mas a protagonista é ela
que ao papai disse um sim
desde o namoro na janela.

Assim é a figura da mulher:
Ela adora uma prosa.
Só não vê quem não quer,
mas é comportada e religiosa.

Muitas podem discordar,
e dizerem que não são assim,
mas me deixem expressar,
e acreditem em mim.
As mulheres são amáveis, valorosas,
e também agradáveis como as rosas.

Na sociedade conquistam direitos.
Ocupam espaços nunca antes alcançados.
As mudanças foram grandes feitos,
e alívios pelos seus passados.

A mulher é a rainha do lar:
Cozinha, passa e costura.
Trabalha fora; enfrenta este mar,
e luta na vida com formosura.
Para a família ela quer dar
carinho com fartura.

No trânsito ela dirige tão bem,
pois é muito atenciosa.
O marido a elogia: “Meu bem!”
Que mulher poderosa!

As mulheres se dedicam no esporte.
Elas também atuam na administração.
Não querem só contar com a sorte,
e com muita elegância nos chamam a atenção.

Na quadra de vôlei o jogo começa.
Está difícil, e a adversária é boa.
Com a beleza das atrizes numa peça,
tornam-se campeãs, pois não treinaram à toa.

Na mesa da executiva
o planejamento acontece.
Ela, sempre ativa,
a todos enobrece.

Tanta competência eu quero entender.
Na reunião ela tudo esclarece,
e com muito charme nos faz compreender,
que do talento feminino a gente nunca se esquece.

Não é só de trabalho que ela vive não.
Tem casa, marido e filhos para cuidar.
Lava a roupa com sabão,
e a todos procura agradar.
No lar ela tem dedicação,
E à empregada ela quer ajudar.

Mulher de fibra, batalhadora e guerreira.
Deu-me conselhos com muita euforia.
A força da mulher brasileira e estrangeira
está na sua sabedoria.

Benedito Dimas Ferreira
Taubaté - Brasil

 

 
 

Bento Martins

 

MEU RANCHO
Bento Martins


A ti, meu rancho,
Catedral de minha infância
Eu te saúdo com ânsia,
Pois tu me viste crescer.
Confesso, aprendi viver,
Enfrentando o meu destino,
Neste andejar de teatino,
Carregado de esperança,
Mas te trago na lembrança,
Desde os tempos de menino.

Rancho velho,
De barro e santa fé.,
Parece o Rio Grande em pé
Nas peleias do passado,
Ou um bagual aporreado
Que a corcovear se prendia.
Meu rancho quanta alegria
Pra um gaúcho que se preza,
Meu velho templo de reza
E abrigo nas noites frias

Assim como tu meu rancho,
Que o tempo te dez tapera,
O coração deste cuera
Também sofre o mesmo mal.
Humano e sentimental
Vivo somente de recordação
Sonhei que estava batendo tição
E pedi pra Virgem Maria
Que eu acordasse um dia,
Matiando no teu fogão.


“Que Deus me permita viver em um mundo mais consciente”.
“Que a lealdade do ser humano seja em prol da coletividade”.

Bento Martins
São Sepé - RS - Brasil

 

 
 

Betina Rohsig Leite

 

CONFISSÃO
Betina Rohsig Leite

 
Oh, eu não tenho uma família grande
para dar atenção.
Parente, perto, às vezes, é bom;
noutras, não.
Eu não tive um ano bom
o que me ensinou a viver com a dor.

***

ERROS MEUS
Como falar sobre erros
senão sou perfeita.
Comento erros e estou vivendo
de acordo com o fluxo da vida;
seguindo sempre em frente!

Betina Rohsig Leite
Porto Alegre - RS - Brasil

 

 

 

Livro de Visitas