FÉNIX

 

LOGOS Nº 13

MARÇO 2015

 

 

 
 

Walter da Silva

 

TRADIÇÕES, CONTRADIÇÕES (243)
Walter da Silva


Grosseiro que nem papel de embrulhar prego, Zé “doido” vive sua vidinha mansa sem incomodar ninguém. Só que não leva desaforo pra casa. Deixou de beber faz algum tempo, mas no fim de ano bebe uma taça de Sidra por insistência da mulher. Ela, dona Biu, é uma pessoa calma, costureira e tem um probleminha de tireoide. Pelo seu gosto, Zé já teria ido à igreja que ela frequenta, mas ele diz que não paga obra dos outros. Ela aceitou a Batista, onde as pessoas são mais liberais e menos rigorosas, diz. Zé vende carne de bode no mercado público e toda segunda-feira se dá folga pra jogar dominó com a turma do Ibura, subúrbio onde nasceu, bateu bola e fala que só sai de lá morto. Eles não têm filhos e têm: Biluca, uma cadelinha Poodle.
Curioso é que nesses quase vinte anos de casado, Zé se esquece do aniversário de dona Biu. O ano retrasado foi ao enterro dum colega de quartel; ano passado a data caiu num sábado e o movimento na compra do bode aumentou; quando chegou em casa, exausto, olhou pra mulher e ela entendeu. Este ano, a vizinha, dona Neuma, uma mulher muito magra a ponto de pensarem que tem câncer, disse a ele pelo muro da casa conjugada: - “Deixa comigo “seu” Zé; quando chegar a véspera do grande dia, eu dou um jeito”. Todo mundo sabe da grossura dele, mas de fato é querido por todos na Vila. Durante as festas da páscoa, nos festejos juninos e nas festas de fim de ano é o primeiro a colaborar. Duas coisas que não suporta: derrota do Santa Cruz e homem manobrado por mulher.
Dá-se que nessa segunda-feira Zé “doido” não abriu o Box no mercado. A primeira gente a estranhar foi a do dominó, hábito madrugador. Ele ficou em casa curtindo uma súbita dor na barriga. A mulher já havia saído e o único meio de comunicação é o telefone celular. Ele não tem nem gosta de usar. E a dor cada vez mais intensa. Levantava, deitava e não sabia mais o que fazer. Procurou um comprimido e não encontrou. Biluca, ao lado dele, olhava com aquele ar próprio dos cães. A dor aumentando e lhe diminuindo as forças. Num lance meramente de sorte, dona Neuma chama a vizinha pela grade do muro da frente. Não ouve resposta. Ela quer falar com Zé “doido” pra avisá-lo sobre o aniversário de dona Biu e uns detalhes. Ele ouve a voz da vizinha e a cadela sai correndo ao portão.
Ela ouve os gemidos do homem e abre o portão entre curiosa e surpresa. Entra e avista Zé deitado na sala em posição fetal se encolhendo de dor. Dona Neuma mora sozinha. É viúva e professora aposentada. Ela tenta ligar pra amiga vizinha, mas não dá certo. Diante daquele estranho quadro resolve chamar o SAMU que chega vinte e cinco minutos depois. Ela lhe dera um comprimido, mas de nada adiantou. No hospital ele seguiu direto para a Emergência. Foi logo atendido por uma médica residente. Diagnosticada uma pancreatite aguda, Zé “doido” foi imediatamente internado na UTI, pois o caso exigia.
Dona Biu chegara pouco depois ao hospital e meio atônita conversou com a médica que lhe explicou tudo minuciosamente. Ela estava tensa e abraçada à vizinha Neuma que não lhe podia contar a surpresa que combinara com o enfermo. Operado de urgência, Zé permanece na UTI, dada a gravidade da situação. A cirurgia não produziu o resultado esperado. A semana corre tão célere quanto o mal que atacou esse jovem homem aparentemente sadio. Até que no sábado, com o agravamento do quadro clínico e uma parada cardíaca, Zé “doido” não resiste e morre. Eram doze e quarenta da tarde e o calor insuportável. Dona Biu recebera outros vizinhos no corredor do hospital e, aparentemente controlada, tivera que passar em casa. Neuma ficara por lá pra receber o atestado de óbito e contratar uma funerária.
Ao chegar em casa a tomar outras providências, dona Biu recebia do carteiro uma correspondência, um envelope vermelho. Agradeceu ao moço dos correios e abriu-o. Era um cartão branco com um desenho de rosas vermelhas. Ali se estampavam uns dizeres em letras maiúsculas: NO DIA INTERNACIONAL DA MULHER, NÃO ME ESQUEÇO DA MINHA!

08.03.2015
Walter da Silva
Camaragibe - PE - Brasil

 

 
 

ZéReys Santos

 

UMA CRÔNICA SOBRE O AMOR
ZéReys Santos


Um alerta seríssimo para você!
Por favor, leia com atenção, e por favor (de novo), antes de você colocar a palavra (MAS), leia e medite com sinceridade e clareza sobre o assunto...Por favor!
Quando a gente é jovem vivemos pela emoção e a consequência de nossos atos não somamos, mas, não se enganem, eles sabem disso perfeitamente, por isso tentam lhe aliciar para que você seja os seus escudos. Mas saiba, eles não se importarão com você, com suas famílias, eles só querem o poder, só o poder!
Quanto você acha que custa uma campanha eleitoral... É claro que qualquer número que você tenha pensado pode nem passar por perto da realidade. É muito dinheiro! E Você saberia dizer com certeza de onde vem o dinheiro? Você poderá fazer conjecturas mas com clareza jamais você saberá. E...se um país potente, ver algum caminho para usurpar este povo, através de determinado candidato, este país não poria dinheiro – De repente -, nesta campanha? …Não sei, você sabe?
Você já parou para pensar que nossas indústrias, são na sua maioria, multinacionais? Quantos deputados e ou senadores realmente representa o povo efetivamente em nosso país, em nossos parlamentos? O povo dá dinheiro para campanhas eleitorais ou são os milionários e grandes negócios que dão?!
Qual seria a razão de fato de fomentarem tanto ódio, tanta discórdia, tanta propaganda de supervalorização dos fatos de corrupção e outras coisas relacionadas aos partidos que compõe o poder constituído desde país? Quanto será que retiraram da Vale, dos Bancos dos estados, das ferrovias, dos metrôs, dos bancos estatais Federais. Quanto e desde quando será que estão usurpando os bens do povo... Já reparou que continuamos a votar nos mesmos mentirosos de sempre?
Um adendo importante: Os prédios dos parlamentos não parem políticos, quem os criam são a nossa sociedade!
Você sabe o que é uma guerra civil, certamente se você sabe você não a quer de maneira nenhuma, e saberá que seu voto é uma atitude muita mais segura, muito mais sensata, muito mais humana, muito mais ordeira, muito menos manipulativa de você mesmo do que as suas atitudes em prol a uma balburdia e que fatalmente poderá culminar em uma guerra civil.
Se você ainda não percebeu a manipulação de sua boa fé, sugiro que estude sobre o assunto GUERA CIVIL. Neste endereço tem algumas poucas coisinhas: http://pt.wikipedia.org/wiki/Guerra_civi ou aqui > http://www.jj.com.br/noticias-4990-guerra-civil-traz-sofrim… É isso que você quer produzir em nosso país?
Também, gostaria de lhe sugerir, caso ainda não tenha se convencido deste perigo eminente, que comece a alto sugestionar-se a se ver abraçado sobre o cadáver de sua mãe. Sabe quem se importará que ela seja inocente? NINGUÉM. Ou de seu irmão, ou de seu pai, quem sabe de seu filho, de sua esposa, ou algum deles sobre o seu próprio cadáver...E de novo: Sabe quem se importará que sejam inocentes? NINGUÉM, sabe onde estarão os poderosos que jogou a sua família nisso, estarão sobre extrema proteção em algum país distante...
Sugiro que também, retorne a quinze anos atrás e procure nas manchetes de jornais, documentário e ou noticiários, quantos políticos, juízes, empresários foram presos antes destes tempos atuais. ...De onde será que está vindo tanto ódio disseminados e plantado em nossos cérebros. Acho bom lembrar que quem cultiva ódio, alimenta o ódio com ódio, e por isso, não receberá nada que não seja o ódio, como recompensa!
Neste momento eu quero mandar para você que está lendo esta crônica, muito amor, eu gostaria de plantar em seu cérebro...Muito amor! Sabe para quê, para que sua família, e a minha família, sejam felizes! E para que, de repente, não tenhamos de nos atirarmos mutuamente quando devíamos nos amar mutuamente, eu lhe peço, por favor, antes de você pensar profundamente na forma mais profundo destas minhas palavras, não utilize a palavra – MAS -, mas, deixe seu amor falar por você, e vamos nos portar como verdadeiros filhos de Deus, e nos dias que antecedem a próxima votação, vamos abandonar as novelas, e vamos pesquisar a fundo, cada candidato que nos parecer do agrado, antes de votar nele!
Que você deixe o Deus que te habita ser o seu sentimento verdadeiro!

ZéReys Santos -
Brasil
em Tunes - Tunisia

 

 

 

Livro de Visitas