FÉNIX

 

LOGOS Nº 16

SETEMBRO 2015

 

 

 
 

Sylvia Cohin

 
 

Mãe de Mim...
Sylvia Cohin

O que falar que alguém não tenha dito?
O que contar do elo que nos liga
Se sei que estou em ti, oh mãe amiga
E o teu amor em mim é o que reflito!

Que versos, oh Stelita, hei de fazer
E num poema conseguir rimar,
Co´as notas do teu canto de ninar,
Essa ternura difícil de dizer!

Quisera, mãe amada, estar contigo,
Unidas, num abraço _ doce abrigo,
E assim seguindo juntas, vida fora,

Contar p´ro mundo que este amor perfeito
Mora em silêncio guardado no peito,
E minha rima, de saudade chora...

Sua filha, Maria Sylvia, na Cidade do Porto, em 14.05.2006

Sylvia Cohin
Bahia - Brasil

 
 

 
 

Tania Diniz

 
 

PAISAGEM
Tania Diniz

Maravilhada!
Flui a correnteza, os canais,
tempestade adiada.
Silêncios e ais!
Céu de maio, como num raio,
reflete um lago denso e morno,
de promessas abissais.

Tania Diniz
Belo Horizonte-MG- Brasil
www.mulheresemergentes.com

 
 

 
 

Tânia Mara Camargo

 
 

FÊMEA EM QUIMERAS DE IMPUDICA AQUARELA! (Rondó)
Tânia Mara Camargo

Intumesce o rosto pálido
Surpresa explícita e acesa
Branca era a flor sem libido
Claro estava, perdera os sentidos

Virginal em leito proibido
Sem véu e na dura incerteza
Abriu as pétalas do vestido
Os botões em casas – pureza –

Cortejada, bobagens aos ouvidos
Estribilhos sem qualquer realeza
Vulgarizavam, eram os gemidos
Prazeres ali estavam a serem vividos

Corpos em choque, escondidos
Na alcova de sutil beleza
Apetecida, a inocência havia morrido
Como o sol no adeus á natureza

Deixara de ser lua, a princesa
Era agora fruto amadurecido
Conhecera o tato, a esperteza
O nu artístico lhe havia sorrido

Os dentes brancos em delicadeza
Projetara a boca indefesa
A mordiscar com certa destreza
Pontos macios e preferidos...

Fêmea em quimeras de impudica aquarela!

Tânia Mara Camargo
Jundiaí - SP - Brasil


(Em 1997 – Livro – Vôo de Abiã; 2006 – 2.Prêmio Ebrahim Ramadan,Poesias Brasileiras, THS Arantes Edit.; Lançamento do Livro Digital SENSUALÍSSIMA Editora Emooby - Portugal; Participação em várias Antologias.)

 
 

 
 

Tanussi Cardoso

 
 

AR
(para Afonso Félix de Sousa, em memória)
Tanussi Cardoso

poema é raiz
que em silêncio cresce
sopro sem nenhum alarde
como se o ar para existir
precisasse da absoluta urgência da tarde

poema é fome
que a pedra arranha
na lâmina que dita o corte
como se a vida para existir
precisasse da absoluta urgência da morte

poema é feito novelo
olho noturno
desterro
como se a sombra para existir
precisasse da absoluta urgência do espelho

poema é susto
risco de rio lento
como se o poeta para existir
se dissolvesse no vento

Tanussi Cardoso
Rio de Janeiro - Brasil
http://tanussicardosopoetaetc.blogspot.pt/

 
 

 
 

Teodora Ramos Urcino

 
 

DÁDIVA DIVINA
Teodora Ramos Urcino

A mulher é símbolo de paz e felicidade
carinhosa como uma chama ardente
perfumada como uma rosa...
Sabe ser mãe, amiga e companheira
ensinando e também aprendendo
mais e mais...
com pessoas de sua convivência.
Com sua sabedoria
procura ensinar e aprender
Para passar à frente a quem precisar
dos seus conhecimentos.
Mulher, dádiva divina
que Deus criou para junto ao homem
formar um belo par...
Mulher
quando quer
sabe ser feliz e fazer os outros felizes
sabe ser feliz e transmite sua felicidade aos outros.

Teodora Ramos Urcino - Deficiente visual
Ceilândia - DF - Brasil

 
 

 

 

Livro de Visitas

 

 

Clique aqui para ver todos os detalhes e estatisticas do site