FÉNIX

 

 

LOGOS Nº 21

JULHO - 2016

 

 

 

Francisco de Paula

 

 

A ABELHA
Francisco de Paula 


A abelha em sua pequenez
Parece ser frágil
É muito trabalhadora
Uma grande construtora
Trabalha sem parar
Fabricando o mel
Para alimentar a colmeia
Na doçura, a pureza
Alimento e medicina
Para alimentar o homem
Valentia e segurança
O inimigo não se atreve
Mexer em sua residência
Com ferocidade, defende sua moradia.

Francisco de Paula
Taguatinga - DF - Brasil

 
 

 

Francisco Elíude Pinheiro Galvão

 

 

DOCE FEL
Francisco Elíude Pinheiro Galvão 


Em delírios
balbuciam os teus lábios,
no mais profundo flamar da tua alma,
E em deleite a se cobrir,
são os mais sábios
os contorcidos afagos
que me acalmam!...

E se em segredo
tal paixão se devaneia,
como posso suportar real tortura
que me inflama,
como a chama da candeia,
enquanto a tua face
em minh'alma se emoldura?!

Oh! Céus!...
Perdoa-me tal desventura!...
Mas é-me tão doce esse amargo fel,
que em delícia é posto em gostosura
O sabor irresistível desse mel!


Francisco Elíude Pinheiro Galvão
São Vicente - SP - Brasil


Francisco Elíude, Poeta, natural do Rio Grande do Norte, autodidata, Membro Efetivo da Academia Vicentina de Letras, Artes e Ofícios e Acadêmico Honorário da Academia Boituvense Letras e Artes na cidade de Boituva(SP), , Membro do Grupo Literário "Poetas Vivos" de Santos(SP), Embaixador Universal da Paz pelo Cercle Universel Des Ambassadeures de La Paix -Suisse/France. Participações em diversas Antologias Poéticas no Brasil e Exterior; participações em diversos Concursos Literários(com premiações); participações com Poemas emRevistas Literárias pelo Clube dos Escritores de Piracicaba(SP), Caderno Literário(com Poesias) pela Editora Pragmatta(RS)-Brasil(...)

 
 

 

Francisco Miguel de Moura

 

 

POEMA, AOS OITENTA
Francisco Miguel de Moura 


Comecei minha vida pelo amor,
Amor à mãe, ao pai, tão bons e crentes,
Amei os meus irmãos e meus parentes,
Que a arte para mim rimava em flor.

Namoradas, no tempo, eu alcancei,
Que motivaram versos a mancheias,
Umas, novas e belas, outras feias...
Príncipe fui, pensando ser um rei.

Sorridente e cativo da palavra,
Da verdade que flui e então se lavra,
Resisti bem aos sonhos em reverso,

Pois carreguei com força o meu passado,
Fiz glosas sobre o bem e o mal-amado,
E me encantei nas curvas do Universo.

Francisco Miguel de Moura
Teresina - PI - Brasil


Francisco Miguel de Moura, escritor brasileiro, mora em Teresina, Piaul. “Poeta da “Geração 60”, assim o classificou a Profa. Nelly Novaes Coelho. Já na visão do crítico Fábio Lucas, “em FMM nota-se, às vezes, uns toques de humor e sensualidade, para superar o insosso quotidiano”.

 
 

 

Francyo Dias

 

 

APÓCRIFO
Francyo Dias 


E a vida é evento
É alma em movimento
É descontentamento
E pensamento

É poesia lida
Nas ações colhidas
Das agruras renhidas
Que o poeta lida

É uma caminhada
Com largas passadas
Nas infindas estradas
Rumo ao nada

E a vida é verso
No vento disperso
Reescrito no inverso
De um poema perverso

Ela é o poeta
Que no vazio se aquieta
E o sentimento veta
Porque o gozo lhe afeta

É do silêncio o apelo
Da ponderação o zelo
Calor que consome o gelo
E a cola que cativa o selo

E a vida é simplicidade
No olhar de cumplicidade
Mistura e complexidade
Desenhada na realidade

É tudo o que se perdeu
O branco encontrando o breu
No elo entre o declínio e o apogeu
Vejo que a vida sou eu.

TACITURNIDADE
Francyo Dias 


Quando me faltam as palavras
Me sobram ressentimentos guardados
Embrulhados em papéis de passados

Quando me somem as palavras
Sobejam lágrimas em meu rosto
Que nada dizem, mas, banham desgosto

Se me afloram os sentimentos
Guardo a alma e outorgo o silêncio
Porque sou sempre inteiro e intenso.

 

Francyo Dias
São Paulo - Brasil
www.facebook.com/francyodiasinversos


Francyo Dias é apaixonado por livros. Poeta nas horas vagas, escreve no impulso da paixão. Estudante de teologia, técnico eletrotécnico. Nasceu em Arari, Maranhão em 1967. Reside em São Paulo. Livros publicados: No Limiar da Ilusão, Poemas de Efeito, Versos ao Ocaso e Desejo Ardente.

 

 

Frassino Machado

 

 

TROVAS A SÃO DAVID - “Padroeiro de Gales” e patrono da Columbofilia.
Frassino Machado 


Em Sta. Columba inspirado
Na sua montanha airosa
Foi com a alma graciosa
Um modelo assegurado.

De rica estirpe nascido
Abjurando as mordomias
Deu todas as garantias
De um ideal acrescido.

"Teu suporte, a educação,
Tua força, o teu estudo,
Criaram-te desde miúdo
A completa realização.

Desde Gales à Palestina
Num voo predestinado
Fizeste missão e fado
Em perfeita disciplina.

Cada terra seu convento,
Como sonho de aventura,
Cheio de fé e de cultura
Foste em Gales condimento.

Para este mundo descrente
Que olhavas em cada dia
Com palavras de cortesia
Converteste muita gente.

E para os ouvidos moucos
Nunca te desconcertavas
Aos próprios pombos pregavas
Com espanto para os loucos.

Às Altas Esferas dizias
Com palavras cristalinas:
É com acções diamantinas
Que se vergam as heresias.

Criaste em toda a Nação
As gerações exemplares
Por isso estás nos altares
Gloriando a tradição.

Não haverá milagres hoje
Mas se ainda existir crença,
Quer se perca quer se vença,
Contigo toda a inércia foge.

(No país dos alhos-porros
Com aromas de narciso
O que importa, e é preciso,
É que haja energia a rodos).

São David, da Terra altiva,
Em todo o empreendimento
Dá-nos sempre o teu alento
Pra não voarmos à deriva!”

In JANELAS DA ALMA

Frassino Machado
Lisboa - Portugal
www.frassinomachado.net
www.opcaopoetica.blogspot.com

 
 

 

 

Livro de Visitas

 

 

Clique aqui para ver todos os detalhes e estatisticas do site