FÉNIX

 

 

LOGOS Nº 21

JULHO - 2016

 

 

 

Mario Rezende

 

 

AMOR NO CERRADO
Mario Rezende 


Bela dama da noite,
com teu perfume sedutor,
faz de mim, pobre mariposa,
presa indefesa do teu amor.
Amo-te enquanto posso,
na noite dos sonhos,
no embalo dos meus desejos
do teu néctar de amor.
Enquanto me chamas,
porquanto me queres.
Antes que o conluio do escuro
ceda à luz indiferente
que te fará adormecer,
restando-me , conquistado,
enamorado e esperançoso,
permanecer em seu corpo
como simples adereço.

Mario Rezende
Rio de Janeiro - Brasil
www.recantodasletras.com.br/autores/mrrezende

 
 

 

Marisa Schmidt

 

 

IMAGENS
Marisa Schmidt 


Os girassóis adormeceram
num abandono de órfão
distante de qualquer amor
os jardins ficaram áridos
sem borboleta ou colibri
e as flores cabisbaixas
parecem fugir da luz
que do céu emerge triste
em nuvens acinzentadas
que não esperam nada
apenas flutuam em vão
Imagens, letras, poemas
é só a saudade amarrada
nas asas do coração...

Marisa Schmidt
Bertioga - São Paulo - Brasil

 
 

 

Marise Ribeiro

 

 

MÃOS APAGADAS
Marise Ribeiro 


Os afagos desviaram-se do fulgor do encontro
e hoje há somente ausências em minhas mãos...
Tento acendê-las em rimas,
elas se rebelam e tornam a se fechar
no casulo da sombria indiferença...
Rego minhas mãos com palavras,
na ilusão de que elas vejam a aurora
e possam reaprender a florescer...
No entanto, de tão apagadas,
elas apenas rogam
pelo silêncio do anoitecer...

Marise Ribeiro
Rio de Janeiro - Brasil
www.mariseribeiro.com

 
 

 

Marlene Constantino

 

 

VOU SEM DESTINO
Marlene Constantino 


Não me peça um caminho
desviei o traço
rabisquei na encruzilhada: FIM.
Vestido em trapos vai meu coração,
na vala atiro a última gota.
Emoção? Por que agora?
Já me desgastei em tremores.
Não me pergunte do amor
se nele tudo suportei
até a friagem a me congelar.
Gemi na terra
até virar esterco no chão.
De agora em diante
marco meu traço à giz.
Não me peça um caminho
nem me espere além...
Promessas? Não as quero mais,
já borrei teu espelho com baton.
Rabisquei na encruzilhada "FIM"

UM TREMOR NA MANHÃ
Marlene Constantino 


Que seja finito,
esse grito angustiado,
no peito selado.
Grito descompassado,
sem passo...
desviado...
das linhas das mãos da vida.
Que seja desfeito
esse nó amarrotado...
amarrado...
largado no tempo, no peito
nublado.
Que assim seja, finito
como a noite, o dia,
o vago...
Que seja solto e livre
no abismo de um beijo
infinito.
"Tal esse que cantou na manhã
os lábios adormecidos!"

 

Marlene Constantino
São Paulo - SP - Brasil
http://www.recantodasletras.com.br/
http://www.marleneconstantino.prosaeverso.net/

 

 

Marlete Alves de Melo

 

 

RENASCER
Marlete Alves de Melo 


Quase impossível respirar!
Debruçar-me em chagas, curar!

Jamais voltar a sonhar!
Pedir perdão só por amar!

Passado que nunca morreu!
Presente que não renasceu!

Chagas, perdões, nascimentos!
Tudo é estorno do sofrimento!

Marlete Alves de Melo
Aracaju -SE - Brasil


Marlete Alves de Melo, nasceu na cidade de Propriá – SE, aos 31/08/1964. De família humilde, filha de costureira e de marchante é a terceira filha de cinco irmãs. Aos doze anos de idade, ganhou de uma Senhora alguns papéis antigos e, junto desse material estava um livro do escritor Augusto dos Anjos, o qual ela leu com bastante atenção e se apaixonou. Foi assim que aprendeu a rimar e a fazer poemas. Desde então pegou gosto pela literatura. Escreve por prazer e gosta muito de compartilhar os seus textos com os amigos.
Possui, atualmente, mais de 600 textos poéticos e 80 dedicatórias, ainda não editados. Seus escritos são apaixonadamente rimados e quase sempre retratam cenas reais e problemas sociais, tais como: abandono e maus-tratos à criança, ao idoso e aos animais; combate à corrupção política; desigualdade social; e defesa aos menos favorecidos. Seus textos mostram também, que a escritora é Mulher de opinião forte, decidida e sincera. Além de escritora, ela é também, Pedreira Profissional, Enfermeira, Cozinheira e Professora (Fundou uma pequena escola, onde alfabetiza adultos!). Ama aprender e afirma que “o saber nunca se esgota e o aprender não tem limites”. Defende que a melhor poesia é aquela que flui no momento. A escritora não tem pretensão de publicar os seus textos em livros. Geralmente publica suas obras em sites e em redes sociais. É ADMINISTRADORA no grupo POEMAS DO BRASIL, cujo organizador é o escritor Ylvange Tavares.

 
 

 

 

Livro de Visitas

 

 

Clique aqui para ver todos os detalhes e estatisticas do site