FÉNIX

 

 

LOGOS Nº 21

JULHO - 2016

 

 

 

Miguel do Amarante Collares

 

 

NOITE
Miguel do Amarante Collares 


O dia sai; a noite chega.
A chuva passa; o sol permeia.
Na calada da noite,
fico com os pensamentos, sem dores.
Dia, noite, chuva e sol... esperança!

Miguel do Amarante Collares
Porto Alegre - RS - Brasil

 
 

 

Mila Lopes

 

 

Pintura da autora

TUDO O QUE MAIS GOSTO DE FAZER
Mila Lopes 


É tela, pinceis e tinta,
Quando estou a pintar...
Nada mais existe,
Sinto-me a flutuar.

A desenhar é a mesma coisa,
É pura imaginação...
Sinto que estou a sonhar,
Vai-se embora a solidão.

O lápis diz-me,
Aquilo que vou escrever...
Ás vezes nem rima,
Mas continuo a escrever.

Sem desenhar, pintar, escrever.
Eu não consigo viver...
São dons que deus me deu,
E nunca vou esquecer.

A todos eu aconselho,
Sonhem sempre não desistam…
Mesmo no fundo do túnel,
Há sempre uma luz que existe.

Mila Lopes
Castelo Branco - Portugal

 
 

 

Mírian Warttusch

 

 

PARTIDA
Mírian Warttusch 


Ah, pudera eu empreender essa tão sonhada viagem
E encontrar além dos mares, aquilo que procuro...
Quem pernoitou comigo, na praia, abaixo das estrelas
- Isto é saudade demais, sem dúvida, lhes asseguro.
Quem me açoitou de amor, e cruel se despediu,
Não mais o soube; dele, apenas a lembrança que ficou,
Foi o machucar das palavras textuais que sua boca proferiu:

“-Não me espere – ele disse a mim, como um lamento...
-Se parto é para não ouvir jamais esta canção,
Que me deixa aturdido... bate e rebate aqui por dentro.
Parto e deixo à deriva, morrer teu pobre coração.
Nem a lua verei mais beijar o mar estereotipado,
Pleno de vida, sabores e algas felizes a se balançar,
Foram lindos os nossos momentos, isso é bem verdade.
Sou feito de partidas; e se fujo é por tanto te amar.”

Tudo isto me vem agora, assim, com a certeza,
De que terias tido muito mais razões para ficar.
Covarde, fugiste sem nem te dares a oportunidade,
De ser feliz... seguiste pela vida a perambular.
Minha alma se cansou de te esperar; a música cessou...
Não mais me permiti lamentar tua partida... você?
Foi apenas uma página em branco que o destino virou...

Mírian Warttusch
S. Paulo - Brasil

 
 

 

mongiardimsaraiva

 

 

CÉU E ÁGUA NUM SÓ OLHAR
mongiardimsaraiva 


O pássaro desceu ao rio
O peixe subiu à margem
Entreolhavam-se curiosos
Naquela quase miragem
Permaneciam cuidadosos
Asas adormecidas e seguras
Barbatanas retraídas e duras
Lapso no vazio da viagem
Aos reinos sagrados e sãos
Agora eram quase amigos
Sem se tocarem nas mãos
Voltariam lá muitas vezes
À fronteira desses mundos
Apenas para se olharem
O pássaro não sabia nadar
Um peixe sem poder voar
Céu e água num só olhar

Antonio Carlos Mongiardim Gomes Saraiva
pseudónimo: mongiardimsaraiva
Mantena - MG - Brasil
http://meujardimpoetico.blogspot.com.br/

 
 

 

Mouzinho do Rosario Narope

 

 

QUERO SER TEU AMOR…
Mouzinho do Rosário Narope 


Na tarde fria de Abril
E no anoitecer das madrugadas infindas
Teu corpo…
Para acordar nos seus seios despidos…

Quero ser teu amor…
Pra chupar o açúcar dos seus cálices
Desbotoar os botões da tua saia amarfanhada
tirar-te a sutyam…

E não só…
Quero também ser teu silêncio…
Pra sugar o teu corpo
Beijar tua boca…
E sentir cada onda tua boca molhada…

Mouzinho do Rosario Narope
Niassa - Moçambique


Mouzinho do Rosário Narope, nascido aos 24 de Fevereiro de 1984, em Moçambique, província do Niassa, filho de agricultores sem terra, de família humilde, é membro do colectivo Clube de escritores & Poetas Amigos do Niassa, Xitende, e Movimento união Cultural, autor nas antologias LOGOS, revista eisfluências, Joia Niassa[Metáforas do ventre],Esperança e certeza1,Vozes do Hiterland, & obsessões.

 
 

 

 

Livro de Visitas

 

 

Clique aqui para ver todos os detalhes e estatisticas do site