FÉNIX

 

 

LOGOS Nº 21

JULHO - 2016

 

 

 

Rossana Aicardi Caprio

 
COSECHAS Y LIRIOS
Por Rossana Aicardi Caprio

Llovía demasiado aquel domingo de finales de invierno y aunque sola, los chisporroteos de los leños en la estufa y el “Nocturno” de Chopin sonaban perfectos; pero faltaba algo para completar tanta magia: faltaba un buen libro. Me dirigí al acostumbrado desorden ordenado de la biblioteca y busqué algo especial que me ayudara a pasar mejor la tarde. El primero en aparecer fue un viejo Romancero que hacía tiempo ni siquiera hojeaba y con él me dejé caer sobre el sillón para leerlo tranquila.
Sonó el teléfono, apurada intenté dejar el libro sobre la mesa pero cayó al piso; atendí: “número equivocado” así que volví sobre mis pasos para disfrutar mi pequeño rato de sosiego en medio del torrencial diluvio. Recogí el libro del suelo fijándome no se hubiera roto y al levantarlo quedó tirado un sobre que amarillento, se había desprendido tras la caída. Estaba cerrado y parecía muy viejo; recordé que el libro me lo habían dado mis abuelos y creo que ellos a su vez lo habían traído de uno de los remates a los que por aquellos años iban a menudo.
Nunca me había dado cuenta que guardaba un sobre y eso que lo llevaba leído varias veces; llegué a la conclusión que habría estado pegado en una de las últimas hojas o enganchado en la solapa; en verdad no sabía pero ahí estaba despertando toda mi curiosidad. No quise romperlo y para abrirlo utilicé un cortaplumas, su descolorido aspecto imponía el respeto de los años.
Dentro encontré una postal junto a una hoja gruesa doblada en cuatro y ambas escritas a pluma; me pregunté qué podría hacer yo con algo tan antiguo: ¿lo leía? ¿lo guardaba? No estaba segura pero de todos modos decidí leerlo.
La postal mostraba un cielo arremolinado, algunos pinos altos y personas descansando a la sombra de unas parvas doradas. Le di la vuelta pero no decía nada y tenía el aspecto de haber sido hecha a mano. Solo unas iniciales distinguí legibles; no supe si eran letras o números romanos, solo decía “VV6”, ni idea qué significaba.
Abrí la carta, la caligrafía estilizada hacía pensar que las líneas de la pluma recién se habían hecho. Me recosté en el sillón y comencé a leer muy despacio; decía así:
“No logro olvidarte, los años y mi vida se están yendo y sin embargo sigues aquí como antaño. Nunca superé tu adiós pero hasta ahora tampoco tuve coraje para terminar con todo esto que tanto duele.
Sigo pintando; la casa está llena de cuadros, ya no sé dónde ponerlos pero necesito hacerlos o enloquecería. En esta soledad en la que he elegido vivir desde tu rechazo, las pinturas lo son todo.
Cada día salgo con mis hojas y mis lápices y vuelvo con bosquejos que pego en las paredes para luego plasmar en grandes telas llenas de colores con las que trato de alegrarme.
Pinto todo lo que veo; sabes bien que amo la naturaleza y sabes también cuánto y cómo las cosechas crean esa fascinación tan especial en mí.
He pintado el pequeño pueblo, las casas de techos de paja, los campos, el cielo, la noche y hasta los bares en los que cuando logro cambiar un cuadro por una buena comida, paso horas sentado afuera mirando los campesinos pasar para luego pintarlos una y otra vez y en todas las formas posibles.
La Iglesia de aquí me cautiva y si bien en ella hay un dragón que no me deja acercar, en estos días tengo pensado plasmarla al fin, en uno de mis lienzos más grandes.
No he logrado vender mis obras, las personas no las entienden; solo la hermana de un amigo hace un tiempo compró una. Cada escena cotidiana de los habitantes de este pueblo está en ellas y sin embargo ni se fijan, se enojan cuando se las muestro y dicen que estoy loco por pintar así.
Es cierto que hasta los entierros, tan peculiares en este pueblo alejado de la gran urbe, son motivo para mi inspiración: sobre ellos puedo decirte con certeza que aunque tristes, ver cómo se alejan entre los caminos serpenteantes recortados por parvas y enormes plantíos de trigo, llegan a ser atrayentes y dignos de la mejor obra. Sobre el féretro, colocan siempre un ramo de girasoles que abundan por doquier en la campiña y con ellos y los azules lirios que balancean delicados tallos en los hilos de agua del sendero, es imposible que la paleta de colores, naturalmente no sea perfecta.
Sé que algún día leerás mi carta, quizás la única que escribiré antes de partir y como cuando me vaya mis pinturas, mis bosquejos y hasta mi propia casa, serán quemadas por los aldeanos a los que nunca logré agradarles ni les importé demasiado, quiero que sepas a través de esta misiva, que cada girasol fue pintado para ti, que en cada corola pude ver tu rostro y que esto me ayudó a seguir viviendo hasta hoy.
Lástima que no puedan llegar a tus manos y tampoco al resto de la gente en otras ciudades o países, me hubiera gustado que así fuera. Pero bueno, seguro en el futuro, muchos llegarán a pintar como yo y mejor ¿verdad?
Sé feliz.

Por siempre
Vincent”

A través de los cristales mojados pude ver que había dejado de llover; por la ventana entraba el sol y desde el jardín, aún con gotas suspendidas, los girasoles en flor brillaban más que nunca.

Rossana Aicardi Caprio
Pando – Canelones - Uruguay
 

 

Rozelene Furtado de Lima

 
A DOCE TIA DULCINHA
Por Rozelene Furtado de Lima

Dizem que o primeiro filho é o que mais sofre, pois a inexperiência dos pais faz com que a criança passe por muitos perrengues. Foram sete meninas e um menino. Dulcinha sendo a primeira já foi crescendo com obrigações, principalmente cuidar dos irmãos menores. Ela tinha um temperamento dócil, serviçal e boazinha. Coitados dos bonzinhos! São sempre sobrecarregados porque são obedientes e ela sempre ouvia: “pede a Dulcinha que ela faz, manda Dulcinha que ela vai, chama Dulcinha ela é muito boazinha”. Aprendeu muito cedo a cozinhar, lavar e passar roupa muito bem, arrumar e limpar a casa. Era a primeira a levantar e só dormia depois que os irmãos estivessem acomodados.
O dinheiro era pouco e os pais resolveram empregá-la como doméstica para melhorar a renda familiar. E a patroa depois de um mês de trabalho da Dulcinha, veio fazer o pagamento aos pais dela e comentou: - “ela é muito boazinha e trabalhadeira”. E Dulcinha não pensava, só trabalhava e obedecia. E tinha sempre um “sim senhora” acompanhado de um discreto sorriso. Apareceu uma patroa que pagava mais e levaria Dulcinha para trabalhar na cidade grande. A família gostava de Dulcinha pela bondade dela e não se importava se não dava tempo para ela ir à escola aprender a ler, ou pelo menos, conhecer os algarismos. Afinal ela era muito boazinha!
Certo dia o zelador do prédio perguntou quanto ela ganhava e ela falou para ele o seu salário. - Você quer ganhar cinco vezes mais? Perguntou ele a Dulcinha, ela com brilho nos olhos disse que sim. E ele levou-a ao oitavo andar, tocou a campainha do apartamento e uma japonesa veio atendê-los. Ela falava mal a nossa língua, mas entendeu que era uma candidata ao emprego de doméstica. Perguntou: - pode começar amanhã? – Dulcinha avisou a patroa que ia trabalhar em outra casa e explicou que precisava de dinheiro para ajudar a criar os irmãos menores. A nova patroa, a japonesa, ficou encantada com Dulcinha e foi ensinando como servir aos japoneses, deu roupas e muitos outros presentes e todo mês deixava Dulcinha ir visitar a família e sempre mandava muita coisa para os irmãozinhos dela. E ensinou também que ela nunca deveria entregar todo o dinheiro para a família, levou-a um Banco, ajudou-a abrir uma poupança e ensinou-a a depositar. E em pouco tempo ela já tinha boas economias. Contratou uma pessoa para ensinar Dulcinha a ler e conhecer um pouco de matemática.
Foi nesse momento que ela conheceu Zépire. Encontrou-o no domingo na praça perto de casa, nessas alturas ela já tinha feito algumas amizades, mas nunca tinha namorado. Ele se aproximou dela, ela gostou dele, e começou um namoro. De vez em quando ela emprestava algum dinheiro a ele para construir uma casa para eles morarem quando casassem. E ele dizia que assim que a obra estivesse pronta levaria a amada para ver que lindeza estava a casinha. Dulcinha passou a dar bem menos dinheiro em casa e começou a comprar eletrodomésticos para nova casa que o namorado estava construindo. Dulcinha estava feliz. O amado só aparecia de quinze em quinze dias para não gastar o dinheiro. Eles se encontravam na mesma praça, ela fazia deliciosos biscoitinhos de polvilho, amassava um pão com linguiça e comprava duas garrafinhas de guaraná e partia para o encontro. Ficavam o tempo necessário para lancharem juntos e ela passar mais dinheiro para ele.
Ela aprendeu a gostar de samba e de carnaval, e sentia o coração batucar e a alma sambar quando era dia de encontrar seu amado.
O quarto dela na casa da patroa não cabia mais nada, ela já tinha de tudo até aparelho de jantar. Ah! Se eles tinham um relacionamento mais íntimo? Claro que não. Ela era muito boazinha, mas intimidades só depois de casada.
A patroa teria que voltar para o Japão e queria levá-la para aquele país tão distante e tão diferente. Mas ela não deixaria de jeito nenhum o Zépire, o grande amor de sua vida. A patroa antes de viajar quis conhecer o Zépire, Dulcinha marcou o encontro no apartamento da patroa, mas ele não apareceu. Então a patroa aconselhou a Dulcinha marcar um encontro na praça e não falar nada que ela iria conhecê-lo de longe. Ele foi ao encontro e deu uma desculpa de não ter podido ir conhecer a patroa dela. Quando ele se despediu de Dulcinha, a patroa pegou um táxi com a empregada seguiram o ônibus que ele entrou. E elas foram seguindo até que ele saltou e foi para uma casa à beira da estrada. No dia seguinte pela manhã, a patroa que gostava muito de Dulcinha, que já trabalhava para ela há quase dez anos e namorava esse mesmo tempo. Foram até a casa de Zépire. Bateram palmas, veio uma senhora simpática, gorda, pachorrenta então a patroa ofereceu um convite para ela ir a uma palestra e teria que responder a umas perguntas. Nome:- Mariinha. - Casada? Sim. - Nome do marido. – Zépire. - Filhos? - São quatro filhos que agora estão no colégio. Dulcinha ficou verde, faltou bateria, faltou batuque, faltou voz e não podia entender o que estava acontecendo, a senhora vendo que ela estava passando mal, convidou-as para entrar e tomar um cafezinho e elas aceitaram. Uma casa bem arrumada e bem mobiliada. E todos os eletrodomésticos que Dulcinha comprara e dava para ele guardar estavam na casa. Ela tomou um copo com água e saiu. Não chorou, não quis falar com ele, não sambou mais e nem o coração batucou. E o pior... Ele passava sempre a noite de Natal na casa da família dela e todos gostavam muito do Zépire. Ele dizia que era sozinho, não tinha ninguém no mundo.
Toda mulher ingênua atrai um espertalhão, e quando ela descobre que foi enganada ainda se sente culpada.
Chegando a casa Dulcinha quebrou todos os pires do lindo conjunto de chá e de café, juntou os cacos, marcou um encontro com Zépire e entregou a ele um pacote pesado dizendo que era o resto do dinheiro para terminar a casa.
Passado um mês a família de Dulcinha recebeu um postal do Japão.

Rozelene Furtado de Lima
Teresópolis – Rio de Janeiro – Brasil
www.rozelenefurtadodelima.com.br
 

 

 

Livro de Visitas

 

 

Clique aqui para ver todos os detalhes e estatisticas do site