FÉNIX

LOGOS Nº 26

JULHO - 2017

 
 

 

Irene Mercedes Aguirre

 
 

EN CARNE VIVA
A LA PAZ DEL MUNDO
Irene Mercedes Aguirre


I
Te me haces carne, como dulce breva,
que se escurre del alma a mi cabeza,
con tu insólito canto de belleza
que me inquieta, me turba y me renueva.

Tres letras de sutil delicadeza
que encienden tu farol para la leva
de nobles corazones ¡Me subleva
la suma de conflictos, la incerteza!

Estás siempre latente, aunque se mueva
el interés mezquino con dureza
¡Qué formidable impulso que conlleva

tan férrea convicción , tanta entereza!
¡Y qué vital mensaje que se eleva
pletórico de Paz y de nobleza!

II
En medio de la selva de cemento,
se esconde el Leviatán de las pulsiones,
el quiebre de argumentos y razones,
el soliloquio vano y sin concierto.

¡Qué permanente choque de pasiones!
¡Qué contrapuesta lucha de escarmiento!
¡Lo deja sin resuello al sentimiento
e impide florecer las emociones!

¡Mas la palabra Paz abre un camino,
consigue superar el desacuerdo
y enfrenta con firmeza el desatino!

¡La mano que acaricia en el recuerdo!
¡El trino de las aves, cantarino!
¡Mi ser junto a tu ser en cada acuerdo!

Irene Mercedes Aguirre
Buenos Aires - Argentina


Poeta mundial por el Humanismo y la Paz.
Nombramiento como Faro de Paz Universal, otorgado por SIPEA/IMAL, 2014
Presidente del Comité "Educando para la Paz", Asociación Nacional de la Alianza de Mesas Redondas Panamericanas, reg. en OEA
Embajadora de Paz Cercle Universel des Ambassadeurs de la Paix, France/Suisse

 
 

 

Isabel C S Vargas

 
 

LAMENTO
Isabel C S Vargas

A falta de amor que assola o mundo,
A corrupção que a tudo emporcalha,
A mentira que mancha a alma,
A falta de caráter que compromete o futuro.

Lamento pelo que perdeu a vida
Por falta de atendimento;
Por aquele que tem fome apesar de trabalhar.
Lamento a falta de hospitais
Por falta de consciência.
A falta de instrução por não ter escola.

Lamento pela mãe que chora a perda do filho
Pela criança que perdeu o pai no crime,
Pela professora que perdeu o emprego
Por todos aqueles que perderam a vergonha.

Lamento pelos que labutam
E são ludibriados,
Pelos que não tem fé
E diante de tudo perderam a esperança.

Isabel C S Vargas
Pelotas - Rio Grande do Sul - Brasil
http://www.icsvargas3.blogspot.com.br/

 
 

 

Isabel Furini

 
 

O VÉU
Isabel Furini

Na viagem da vida
os poema, as flores
e os sonhos arrasadores
são artifícios da alma para retirar o véu
revelar o seu lado oculto
e surpreender o nosso eu

esse eu
sempre obnubilado
com infantilidades.

Isabel Furini, da Argentina
em Curitiba - PR - Brasil


Isabel Furini é escritora, poeta, palestrante e educadora. Autora de 30 livros, entre eles, dos livros de poemas “Os Corvos de Van Gogh” Editora Instituto Memória, 2013 e “,,, e outros silêncios” Edit. Virtual Book, 2012. É membro da Academia de Letras do Brasil/Paraná. Foi nomeada Consulesa da Academia Poética Brasileira; recebeu Comenda Ordem de Figueiró e foi nomeada Embaixadora Internacional e Imortal da Poesia pela Academia Virtual de Letras, Artes e Cultura do Brasil, em 2015; Embaixadora da Palavra pela Fundação Cesar Egido Serrano (Espanha); Embaixadora da Rima Jotabé, Espanha. Recebeu 1º Lugar no Concurso Organizado pela Coninter, em Portugal, 2015; 1º Lugar no Concurso da Academia Campolarguense de Poesia/PR, 2013; 1º Lugar Concurso da Academia de Letras Itapemense, SC, 2010; 1° Lugar no Concurso Internacional Missões/RS, 2005; 1° Lugar no Conc. Est. de Poesia de São José dos Pinhais/ PR, 2002; 2º Lugar: Concurso da revista Katharsis da Espanha, 2009.

 
 

 

Isabel Sprenger Ribas

 
 

ASAS DO MEU SONHO!
Isabel Sprenger Ribas

... nas artimanhas da alma
boia o sonho enfeitado.
e que tristeza tão grande
me dá esta loucura danada.

... misto de desejo e conquista
agonia,
sem que se saiba que exista
e na entrelinha desta lida,
uma vida inteira querendo,
ser plenamente vivida

...enquanto, safado,
o sonho enfeitado
navega nas águas do amor
ou voa, alado,
negando-se a ser naufragado

...mas, ao mesmo tempo

também,

sem se tornar realizado....

Isabel Sprenger Ribas
Curitiba - Paraná - Brasil


Isabel Sprenger Ribas, Licenciada em Filosofia, pela PUC. Residiu em Brasília por vinte anos. É concursada (1976) e aposentada pelo IPEA/ Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República, no cargo de Técnica em Planejamento e Pesquisa. Possui várias Publicações Técnicas.
Publicações Literárias: Quase entre aspas, cheio de reticências; Um livro, seis mãos, três idades, 2002; Mulheres de Coragem, 2006; Instituição Lanche das Gatas, 2012; Aconteceu em Curitiba, Romance Colaborativo, 2015; No prelo, a distribuir no Natal, O Poeta e Nuvem Menina, 2015. Participou das Antologias: Poesia do Brasil. Proyeto Cultural Sur –Brasil. Volume 11, 2010; Volume 13, 2011, Volume 15, 2012, Volume 17, 2013; Volume 19, 2014 e Volume 21, 2015. Antologia do Jubileu de Diamante do CPFC em 2010 e vários Opúsculos. Em fase final de revisão: Efervescência em Ebulição e o Homem que Ensinou a Amar. Membro da Academia Feminina de Letras do Paraná, Academia de Cultura de Curitiba, do Centro Paranaense Feminino de Cultura e do Centro de Letras do Paraná.
Encontra na Escrita a calma interior que a faz infinitamente feliz e realizada. Ama à Vida, sua família, seus semelhantes, a natureza e toda a obra divina.

 
 

 

Ivan Braga

 
 

AMIZADE DE MAGDA
Ivan Braga

A arte de viver
acorda antes do sol
e parte para o dia
antes das janelas
antes do pensamento
antes da ciência
que levanta cansada
e lava os olhos para entender
o riso que brota sereno de ternura
e azul - celeste de mistério
dos lábios de Magda...

A arte de ser o que se é
é a arte de quem é
o sonho do próprio ser
e vive só, com o outro
com os outros, com o próximo
com o distante, com alguém que lá vem
com quem vai além
com ninguém que nem vem
e vive, aqui e agora
pelo mundo afora...

Se para o moço do mato
não tem graça a velocidade
dói o asfalto, dói o sapato
não tem graça a cidade
tudo muda com a estrela
que canta na manhã
dos olhos de Magda...

Se o pão de cada dia
seca o suor do peão
longe da Bahia, longe do Sertão...
a presença de Magda
reparte a esperança
mar que o poeta navega
velho poeta, verbo de criança
Magda conta com algo
da estranha estrela - guia
que levou os Reis Magos à Belém
e me devolve a Bahia...

Os novos amigos
tão amáveis, tão antigos
são amigos adoráveis
sentam -se à mesa
e fazem a festa de Deus
alegrando minha bruta natureza
que agora canta e ora
com os chegados anjos seus...

Olha bem, Magda
olha bem que beleza
que beleza tá esta mesa
bela mesa dos amigos
nossa mesa só pode ser um presente de Deus
Pensa bem Magda, pensa bem
quando chegar a hora de ir embora
vai sem dizer adeus, vai sem adeus.

Ivan Braga
Taguatinga - DF - Brasil


Nascido em Santana/Bahia em 1960. Estudou em Brasília e hoje é professor atuante na Biblioteca Braille Dorina Nowill. Grande incentivador dos deficientes visuais na criação de seus poemas. Tem dois livros de poesia editados “Cartas Brejeiras" e "Romance De Almas na Florada". Com vários poemas musicalizados e participação em duas antologias, com muitas alegrias!

 
 
 
 

Clique aqui para ver todos os detalhes e estatisticas do site