FÉNIX

LOGOS Nº 26

JULHO - 2017

 
 

 

José Antonio Jacob

 
 

ESTAÇÃO DO ADEUS
José Antonio Jacob

Teus olhos carregados de piedade,
Neste leito onde minha morte encena,
Despedem-se de mim, com suavidade,
Fingindo que meu mal é dor pequena.

Mas tu sabes da dor que me envenena,
Nada me podes dar por caridade,
O teu sorriso manso e a voz serena
São nada mais em mim que uma saudade...

És como a primavera que alvorece,
Eu sou o inverno frio e descoberto,
Não me desejes sorte e nem prece...

É longe a estrada e o fim é o meu deserto,
A vida é essa lembrança que envelhece...
Não te vás ainda amor, fiques por perto!

(In Almas Raras Ed. Limitada 2016)

José Antonio Jacob
Juiz de Fora - Brasil
http://artculturalbrasil.blogspot.com.br/
(Facebook) - https://www.facebook.com/artcultural.brasil

 
 

 

José Coelho Maciel

 
 

SAUDADE
José Coelho Maciel

Nasce no peito de quem sente e chora
os tempos idos que não volta mais...
triste e pungente é a dor que mora
n´alma saudosa de quem sofre assaz!

Um amor, um amigo, que nesta hora
longe, distante, recordar nos faz...
dias felizes que nos foram outrora
“mundo de rosas” que não voltam mais!

Mas os sonhos dia a dia multiplicam-se
e qual “flores” vaporíferas duplicam-se
as quimeras da infinita bondade!

E só nos resta no final da história
como lembrança viva da memória
algumas gotas d´água da saudade!

José Coelho Maciel
Manaus – Amazonas – Brasil
Facebook: José Coelho Maciel


José Coelho Maciel é filho de Coari – AM. Estudou o Ensino Fundamental em sua terra natal, o Secundário em Manaus, formando-se em Direito pela vetusta Faculdade de Direito da Universidade Federal do Amazonas. É pós-graduado em Direito do Trabalho e Previdenciário. Diplomado em Psicanálise Clínica pela SPOB – Niterói –RJ. Lecionou Prática Forense de 1971 a 1972, pela Faculdade de Direito da Universidade do Amazonas em convênio com a Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional do Amazonas, e Educação Artística, Organização Social e Política Brasileira, Educação Moral e Cívica, Direito e Legislação, e Português e Literatura Luso-Brasileira, em várias escolas estaduais da rede pública e privada. Fez parte do Teatro Experimental TESC-SESC, em Manaus, e participou do “Grupo dos Sete”. Como artista plástico, em 1964 realizou sua 1ª Exposição Individual de seus desenhos e pinturas; nos anos seguintes participou de inúmeras exposições coletivas, recebendo vários prêmios, numa delas (1970) recebeu o Prêmio Governo do Estado, juntamente com o pintor Moacir Andrade. Tem publicado artigos, poemas e crônicas, em jornais, suplementos literários, revistas e livros (antologias) desde 1964. É fundador de algumas entidades profissionais, artísticas e literárias, como a AAMAT, SPOB-AM, AMAP, e pertence, além destas, ao CEA, GEC, CM, UBE-AM, ASSEAM, ALCEAR, ALB e ABEPPA. É pintor, ilustrador, desenhista, escritor e poeta (bissexto).

 
 

 

José Ernesto Ferraresso

 
 

BEIJOS DE PAIXÃO
José Ernesto Ferraresso

Beijos de paixão
são aqueles marcados, nunca esquecidos
e sempre recordados.

Mexem com o íntimo, excitam, estremecem
o coração e exprimem
intensa sedução

Revivem momentos intensivos,
restringem pensamentos devassos,
e transmitem afeição.
Sensação desmedida, amor eterno,
marcas de desejo
e paixão.

Pulsam em nossos lábios
ardentes e inesquecíveis,
exprimem pecado
quando não são
apaixonados.

José Ernesto Ferraresso
Serra Negra - Brasil
http://www.avspe.org/index.php?pg=pfautor&idu=111&ndu=Jos%E9%20Ernesto
http://www.sergrasan.com/joseernesto/

 
 

 

José Hamilton da Costa Brito

 
 

VENEZA DOS MEUS SONHOS
Por José Hamilton da Costa Brito


Roberta, a vida inteira ficou repetindo: um dia vou conhecer Veneza.
Ocorre que era um sonho que ela sabia ser praticamente impossível; afinal, nem classe média ela era.
Mas como sonhar pouco é pura perda de tempo, sonhava alto mesmo. O mais que pudesse.
E assim levou a vida, esforçando-se, trabalhando e estudando , dando o máximo do seu esforço.
-Menina, dá para você parar de falar tanto nesta tal de Veneza, já encheu o saco!
-Mãe, não posso esquecer um segundinho do que mais quero na vida.
-Ah! Conversa fiada. Trata de se formar e arruma logo um marido pra apagar este seu fogo. Você está precisando é de um homem, criatura.
Roberta sorriu e pensou:
-Vou mesmo arrumar um homem. Mas um que cante Dio como te amo em italiano fluente e sem sotaque só para mim....De preferência, em plena praça de São Marcos, tarde da noite pois aproveito e dou um amasso no desgraçado para ele sentir no osso o que uma baiana tem. Apaga o meu fogo e eu o dele.
Formou-se.
Com tanto brilhantismo que a universidade a convidou para fazer um estágio sobre desenvolvimento de células tronco em um lugar a escolher: Berlim, Beirute – país dos ancestrais da Célia Villela ou....Ou....Roma.
Em Roma ficou uma semana acertando os detalhes da sua permanência, do seu trabalho e como teria ainda uns dias de folga foi para onde?
Após informar-se optou por ir de trem. Assim, chegou à estação ferroviária de Santa Luccia e foi andando bem devagar, percorrendo o Grande Canal até chegar à Fachada de Veneza. Como era ainda cedo, não havia muita gente e um silêncio dava mais encanto ao momento.
Como não conhecia nada, foi perguntando aqui, ora ali e La Nave...Indo.
Passou pelo Palazzo Ducale e ficou sabendo que dava acesso à Piazza famosa.
Quando chegou na Riva de Schiavoni viu que havia um bom número de turistas
_Signorina, um gelatto?
Quando deu por conta já era noite e saiu correndo em busca de um lugar para passar a noite.. Indicaram uma pousada que catalogou de simpática e acolhedora.
Como ali funcionava uma cantina e estava faminta , pois o que a alimentava era apenas um gellato, pediu um vitello tonnato, que veio acompanhado de um molho à base de ovo batido, alho e creme de leite. Como cortesia, uma taça de vinho tinto.
Acomodou-se para dormir. Ao longe um violino tocava All di lá . Dormir como? Não queria perder o encanto do momento.
Logo cedo, após um lauto café da manhã, diga-se, tomado às pressas, foi materializar o seu sonho...conhecer Veneza.
Enfim, Piazza San Marcos. Descobriu logo a Campanille. Foi ao topo de onde se tinha gloriosa visão, sobretudo porque à direita estava a Basílica de Santa Maria della Salute.
-C’est três jollie!
-Hein! Como? O que disse?
-Pardon, você é brasileira. Que bom, eu falo o português. Morei no Leblon alguns anos e agora voltei para Paris....E sou italiano de Veneza.
Roberta pensou:
-A Santa Della Salute é digna do nome. Mandou um gondoleiro esbanjando saúde.
Conhecer a cidade acompanhada por um italiano legítimo, com aquele sorriso danado, aquele jeito de olhar e de falar ...soube de antemão: ia conhecer Veneza e algo mais.
_ Você está sozinha, aceita um cicerone?
E assim passou a ter um cicerone que foi mostrando-lhe a cidade.
-Olha aquela livraria, é uma das mais procuradas : Libreria Tolleta.
Foi-lhe mostrado os canais principais e os secundários, as lojas de roupas, os cafés nas calçadas, cheios de turistas; parecia a Torre de Babel de tantas línguas diferentes que se ouvia nas ruas.
Conheceu a Ponte Rialto com sua arquitetura fascinante, com as famosas escadarias .
Foi chegando a noite.
O anoitecer em Veneza, como descrevê-lo...
Conjuntos musicais espalhados ao longo das calçadas. Não havia aquela barulheira típica dos bares e restaurantes da sua Ondina.
-Vamos procurar um lugarzinho para nos dois, Roberta.?
Foram ao famoso Café Florian e ficaram até tarde.
-Faz assim, a gente passa na sua pousada, pegamos as suas coisas e vamos para minha casa.
-Ah! Não sei de devo...
-Deve.
Uai, se devo, vamos.
Conheceu Veneza, o algo mais, o céu...
E aprendeu que em um momento se vive uma vida e que o presente é o único momento que existe.

José Hamilton da Costa Brito
Araçatuba - Brasil

 
 

 

José Hilton Rosa

 
 

HOMEM SANTO
José Hilton Rosa

Vazio na testa
Vigia no breu
Vagando no tempo
Vai chamar Maria
Vai levar meu dom
Vai levar a cura
Vicio sagrado
Vivendo como santo
Vindo de um dom
Vírus curado

José Hilton Rosa
Belo Horizonte - MG - Brasil
www.josehiltonrosa.recantodasletras.com.br
http://www.poetasdelmundo.com/detalle-poetas.php?id=5170


José Hilton Rosa, nasceu em agosto de 1956 na fazenda Salinas distrito de Araúna, Minas Gerais - Brasil.
Autor dos livros: “Laços de sangue”; “Choro de sangue”; “Inversos”;”Versos em Alças de fogo”; “Sorriso e Lágrimas” e “Alma Exposta”.Participou de diversas antologias poéticas. É membro da ALB: Academia de Letras do Brasil - seção Minas Gerais
É membro do movimento poetas Del mundo. Escreve para o portal CEN; Antologias LOGOS e Revista EisFluências da FÉNIX.

 
 
 
 

Clique aqui para ver todos os detalhes e estatisticas do site