FÉNIX

 

 

Adélia Einsfeldt

 
 

ETÉREA
Adélia Einsfeldt

Me visto
de vento brando

gestos pensados

caminho
passas de nuvens

transpiro
essência de rosas

danço
com as folhas das árvores

me abasteço.

Adélia de Lourdes Klaus Einsfeldt
Porto Alegre - RS - Brasil


Adélia Einsfeldt é Escritora, poeta. Publicações: ANIMAIS SE DIVERTEM, infantil, 2011; PÉTALAS poesia, 2013; ASAS da MADRUGADA haikais em parceria 2015 e IMPACTO poesia 2016. Ocupa cadeira nº18 na Academia de Artes, Ciências e Letras Castro Alves/RS; cadeira nº17 como Correspondente na ALPAS/RS; cadeira 16 Academia Literária Feminina do RGS; cadeira 25 na Academia de Artes Literárias e Culturais do RGS; Academia de Letras do Brasil/RS – cadeira b27 da Ordem de Platão – Rio de janeiro. Membro de Honner na Academie Française des Arts, Letters et Culture, París/France; membro efetivo da IWA ( Intern. Writers and Artists Assoc.) USA; Patrona da 6ª Feira do Livro em Faxinal do Soturno/RS maio de 2017 ; sócia efetiva da Soc. Partenon Literário; sócia da AJEB, AGEI, IEL; Elos - escritora. Autora Portal Cen/Portugal. Participação em várias coletâneas e jornais. Integrante do grupo de poesia e performance Vivapalavra “A poesia revela a alma desnuda do poeta...” fragmento do poema “Alma de poeta”.

 
 
 
 

Ademar Inácio da Silva (dema)

 
 

MEMÓRIA
Ademar Inácio da Silva (dema)

(Ás vezes o amor resgata-a do passado,
revolve minhas entranhas
e sacode a melancolia dos dias sombrios.)

Você não morre
aqui dentro do meu coração
Permanece viva, como sempre esteve,
apenas envolta pelo véu do tempo,
de cujas abas, de quando em quando,
sorrateiramente,
levanto uma,
para revê-la jovial e sorridente.

Recuso-me a descartar agendas intactas e belas
que, por não utilizadas,
tornaram-se obsoletas.

Ademar Inácio da Silva (dema)
Uberlândia – MG - Brasil
http://www.demasilva.com.br/
http://www.dema-neverlateland.blogspot.com


dema – Ademar Inácio da Silva, 63, Uberlândia, MG, Brasil. Graduado em Filosofia, Estudos Sociais e Direito. Publicou “Devaneios”, “Sabor de Pecado e outras essências”, “Solidão e outras tristezas” e “Conjecturas Poéticas”. Participação em antologias diversas.

 
 
 
 
 

Adenilda Nascimento Araújo

 
 

FAZ MUITO BEM!
Por Adenilda Nascimento Araújo


Parece gente, que só falta falar. A quatro anos atrás, me deparei com uma sensação que não sentia antes por nenhum animal, pois não era adepta a nenhum. Quando Lulu chegou a minha residência eu nem queria, e fiz pouco caso dela, como falei não queria nem vê-la, pois não gostava de animais e nem tinha tempo para me acostumar a gostar, trabalhava o dia inteiro e queria chegar logo em casa e poder descansar. Os meus filhos eram loucos por animais, principalmente por cachorros o que de fato a Lulu é, sempre me pediram para adotar um, mas nunca aceitei, nenhum, mas mesmo assim em um belo dia, digo mesmo belo, ao chegar do trabalho muito cansada, encontrei-a meio desconfiada no seu canto e assustada, e eu muito distanciada a lhe olhar, não me aproximei em nenhum momento, deixei-a sem lhe tocar. Meus filhos adotaram mesmo sem a minha permissão, fiquei chateada uns dias, quieta e não fiz nenhuma reclamação, ironia do destino talvez.
O tempo foi passando e aquela cena se repetindo por diversas vezes, mas do destino não podemos fugir, todas as vezes que tinha que voltar para casa, era uma alegria danada mesmo do seu canto distanciada, uma maravilhosa recepção com o seu olhar, por parte de Lulu, que aos poucos ia me despertando a sua alegria e atenção, o seu jeitinho de me olhar e pedir algo mesmo sem falar, pronto! Fiquei cada vez mais apegada a ela, a minha cadelinha fina, minha pretinha, a minha única companhia, resolvi de em mediato adotar no meu coração, mudei o seu nome para Lucca e pegou facilmente, pois soava na sua mente, seu antigo nome, abrir as portas do meu coração e do meu lar, para que ela pudesse usufruir do que há de melhor, novo dono, novo lar. Foi uma verdadeira descoberta para mim e para toda minha família que a partir, tudo melhorou virando para todos nós importante ser, prazer na companhia e nosso fraterno amor, meu bebê mais novo, minha Lucca pequena!
Nos tornamos inseparáveis em todas as horas, todos os dias, me pegou de corpo aberto, em um momento de pura fragilidade da minha alma, dor, perdas e grandes emoções, foi assim que se deu o nosso encontro que hoje se tornou um lindo conto do inspirado acontece e pronto, faz muito bem ,e como não é difícil se permitir por qualquer razão que lhe der verdadeira emoção, prazer e se sentir de bem com a vida, amada, maravilhosa sensação por animais, e por você minha Lucca pequena, e que bom que no momento certo fui privilegiada ,quero somente agradecer ao destino e a Deus por ter colocado em minha vida está vida ,que preenche com alegria todos os meus dias que não mais sozinha, simplesmente mais felizes e com ela.

Adenilda Nascimento
Araújo
Ribeirópolis - Brasil


Adenilda Nascimento Araújo, nasceu na cidade de Ribeirópolis. Formação em Pedagogia com Lic. Plena e Hab. em Orient. Educacional– Pio Décimo/SE; Pós-Graduação em Língua Portuguesa – Universidade Salgado de Oliveira / RJ e Pós-Graduação em Educação e Gestão Administrativa - Pio Décimo/SE. Recebeu Título de Cidadã Aracajuana pelos relevantes serviços prestados ao Município de Aracaju em 2013; Recebeu o Prêmio EDUCAR-SE 2016; Professora, Coordenadora e Diretora de diversas escolas da rede estadual e particular de ensino. Participação como escritora na I e II Antologia Poética, na Seleta do 4º e 5º Encontro Sergipano de Escritores. Hoje, aposentada, continua uma incentivadora da leitura e apaixonada pela educação.

 
 
 
 

Adilson Tinoco Rezende

 
 

NÃO DEMORE
Adilson Tinoco Rezende

Teu silêncio é meu sofrer...
... tua ausência, me faz sofrer.
Suplico perdão... Mas você, você, se faz de rogada.
Mal observa em m’ha face, uma lágrima escorrer.
Sabe, não sei... não entendo, essa repentina mudança.
O que fiz, onde posso mudar, ou melhorar...?
Não entendo, não entendo... essa tal desaliança.
Por onde anda nossos sonhos de criança...?
Demos um ao outro, esperança, esperanças...
Tudo bem...! Mesmo não entendo a real situação.
Respeitarei esse momento e sem atrevimento...
... Trilharei meu caminho, mas não demore...!
Poderá aparecer, nesse caminho...
... Alguém que me console, dando-me amor e carinho.

Adilson Tinoco Rezende
Barretos SP Brasil


Adilson Tinoco Rezende conhecido nos meios e grupos poéticos como Adilson Tinoco.Recentemente publiquei meu primeiro livro solo.A Mão Mãe do Poeta um sonho realizado. Tenho algumas poesias em antologias, em alguns grupos e também escrevo para uma revista virtual poemas do Brasil.E continuo em passos curtos pelas veredas poéticas.Reside em Barretos SP Brasil

 
 
 
 
 

 Flag Counter

Clique aqui para ver todos os detalhes e estatisticas do site