FÉNIX

 

 

José Liberato Pires Ferreira

 

 

O CISNE
José Liberato Pires Ferreira


De pouso tão terno, um cisne que chega
Trazendo nas asas, pedaços do céu
Tem jeito de aguada em noites tão claras
Na várzea que a lua derrama seu véu

As aves sem ares, não sangram auroras
Nem cantam seus cantos guardados tão fundo
Um cisne que passa nadando tão manso
Ensina pros homens encantos do mundo

Os olhos que sabem segredos das tardes
Já viram nas águas um cisne a flutuar
Parece veleiro singrando nos mares
Com velas que acenam pra nunca voltar

O manto da noite, já desce o banhado
Lagoa, tão calma, ensaia o coral
O cisne se vai, rasgando águas mansas
E a flauta dos juncos começa o ritual

José Liberato Pires Ferreira
São Sepé - RS

 

 

 

Julian dos Santos Silva

 

 

TEUS OLHOS
Julian dos Santos Silva


Sabe eu te busco na janela
Vagando pela luz das noites claras
Talvez compare a estrela mais bela
Aos teus olhos que me param

Quem sabe entenda toda a magia
Que me abate, adoça e derruba
E ceda a tentação dos teus olhos
Que acalantam e perturbam

Fazem noites, fazem luas
Faz tempo que não te vejo
E nessa ânsia por miradas tuas
Busco teus olhos luzindo em desejo

Compreendo o que dizem teus olhares
Relances largos de apertar o coração
São bem querenças pela luz dos altares
Pra esses olhos luzeiros não viverem solidão

Quando a noite morena se faz alva
Num regalo de aflorar cruzeiros
Minha busca vai sonhar na hora D’alva
Coberta por teus olhos e meu luzir guitarreiro

Julian dos Santos Silva
Restinga Sêca - RS

 

 

 

Julliano César Rodrigues Vicente

 

 

SE EU FOSSE UM PÁSSARO
Julliano César Rodrigues Vicente


gostaria de poder
voar sem ter
com o que me preocupar.
Percorreria o mundo
para conhecê-lo intensamente
e apreciar suas belezas.
Se eu fosse um pássaro
poderia espalhar
a semente do amor no universo.

Julliano César Rodrigues Vicente
Porto Alegre - RS

 

 

 

Juraci da Silva Martins

 

 

TEMPO E VIDA
Juraci da Silva Martins


Lá no campo a vida é poesia
Quando sedo o sulino vem soprar...
E os raios da esperança tocam a alma
Convidando a desvendar essas magias.

Nessa hora na visão se descortina
Um mundo de azul e verde mar,
Enchendo de cor e lume as retinas.
Levando a alma poética a se inspirar!

Cantar a vida estimula sentimentos...
Bordam as flores, os quintais e as alcovas
Banhando-nos num mar do encantamento
Ante a vida que sempre se renova.

E sobre esse mundo em translação
Somos viajeiro do espaço sideral
Para na amplidão do cosmo meditar
E ver o sol se esconder no horizonte

Nas manhãs das taperas sinto em mim
A brisa que de manso vem soprar
Carregada pelo cheiro dos capins
Do tempo lindo que me fez amar

Na vida tudo passa, bem sabemos...
Tudo é matéria que vai se decompor
Saibamos elevar então, o pensamento
E agradecer a Deus, a vida e o amor!

Juraci da Silva Martins
São Sepé - RS

 

 

 

Jussára C Godinho

 

 

OLHARES DIFUSOS
Jussára C Godinho


Teus olhos
Se põem nos meus
E uma luz luminosa
Alumia
O canto escuro
Dos nossos desejos
Que arregala seus olhos
E cospe fogo
E desencadeia
O canto do pássaro negro
Que encanta o ouvido
E repete atrevido
A sensação dourada
Que vem lenta
Quando o sol se põe
E eu embriagada de emoção
Sonolenta e sedenta
Deixo o coração falar
E ele quase arrebenta
E experimenta
O la la ri la lá
da luz do teu olhar

Jussára C Godinho

 

 

 

Laerte Antonio

 

 

MARLI ERA O DISPARO...
Laerte Antonio


Marli era o disparo da apetência —
era mulher de se comer rezando:
a agradecer aos céus pela excelência
da estrela a estar ali nos orbitando.

Seus seios no decote era anuência —
diziam sins discretos, tremulando...
acompanhando os saltos em cadência
de quem afia em mó de modo brando...

E afiava que afiava o pensamento
que enroscava no ondeado movimento —
eternamente, assim como um gerúndio...

A cidade — com o olhar — deixava-a nua...
e Marli exibia rua a rua
seu patrimônio: um vasto califúndio.

Laerte Antonio

 

 

 

 

Livro de Visitas