FÉNIX

 

 

Nelson Carvalho

 

 

AMOR DEUS TRAQUINA!
Nelson Carvalho


O amor é…primeiro capitulo do grande livro das ingratidões ((S. Sandeau)
O amor é…a felicidade que se transmite. (G.Sand)
O amor é…um milagre (Zola)
O amor é…a doçura de viver (M. Tynaire)
O amor é.. um mistério(Platão)
O amor é.. uma febre(Stendhal)
O amor é uma flor rara( A. Theuriet9
O amor é …um grande mestre ( Molière)
O amor é ..a poesia dos sentidos ( Balzac)
O amor é…um sal divino que produz uma sede inesgotável l( Campoamor)
O amor é… cego, a amizade fecha os olhos ( Pascal)
Os inimigos do amor são três: a razão, o dinheiro e a velhice8 (?)
O amor é…sempre seguido da sua sombra: o ciúme (C. Diane)

Amor! Amor, há sempre vivido ou segredo,
Em todos nós, uma vez feliz ou fracasso,
Tudo se fez com gosto ou mesmo palhaço,
Asneiras! Aventuras, até coisas com...medo!

Quando surge o amor ou há folia no espaço,
Ou tontos, temos a mania de querer tudo cedo,
Quantas vezes acabamos n’um degredo,
Que nos perdemos n’um sofisticado laço!

Amor quer, exige, talvez certo no seu passo,
De Deus pequenino, em tudo, mete o dedo,
Tem que só ver, pra feliz entrar no seu paço...

Que todo apaixonado não pode agir tredo,
Pra conquistar, deve pensar: custa, as faço
O amor é, lindo, fantástico, vivido ledo!

Nelson Carvalho

 

 

 

Nice Maria Botomé Cousen

 

 

DOR
Nice Maria Botomé Cousen


Ai de mim que te recordo,
mas não devo...
Ai de mim que te quero tanto,
mas não posso...
Ai de mim que ainda sinto o teu olhar no meu,
mas não quero...
Ai de mim que escrevo estes versos
com a alma dolorida e o coração em pedaços...
Ai de mim, ai de mim...

Nice Maria Botomé Cousen
Porto Alegre - RS

 

 

 

Nídia Vargas Potsch - @Mensageir@

 

 

TEMPO DAS BORBOLETAS
Nídia Vargas Potsch - @Mensageir@



E a Vida...? E a Vida corre ligeira...
Sem se importar que alguém a acompanhe.
Como o rio corre pro mar,
veloz, contínua, dia e noite, madrugada à dentro
num eterno jogo de gato e rato,
que fez a borboleta perder a carona... e se fez
escapar e escorrer por entre seus dedos feito areia fina...

Prosseguimos... Prosseguir porque nos foi dado Viver!

O Veleiro da Existência
ancora à procura de portos paradisíacos,
de vivências e experiências atraentes ao olhar,
de colorido e de melodia suave e bela...
Sempre há uma canção no inconsciente,
quase nunca a percebemos,
como o ritmo da onda
que governa o coração do Homem.

E o Marinheiro experiente navega tranquilamente
ajustando as velas, seguindo seu rumo...

Se o inverso se dá, à procura de cais sombrios,
tristes e esfumaçados, com tonalidades gris
da solidão da alma de seu Comandante,
este será o caminho escolhido,
por mais que lhe doa...

Acontece que o braço da Sorte ou Sina,
para quem preferir, com o passar do Tempo,
o alcança e o conduz, à revelia, a mares navegáveis,
obrigando-o a tomar novo rumo, nova direção...

Porque a Esperança deve sempre morrer por último...
E novas borboletas alçarão novos vôos...

Nídia Vargas Potsch - @Mensageir@
Rio,2011

 

 

 

Nilza de July da Costa e Silva

 

 

O NASCER DO SOL
Nilza de July da Costa e Silva


Vermelho púrpura,
Cor de fogo,
Azul matizado de anil
Deste Brasil varonil.
O nascer do sol é deslumbrante.
Ainda observo estrelas,
Pois a noite confunde-se
Com o nascer do dia!
Oh! Que beleza sem nuvens
Este dia que se inicia.

Nilza de July da Costa e Silva
Porto Alegre - RS

 

 

 

Odenir Ferro

 

 

À PAZ! (À SOMBRIA PAZ)
Odenir Ferro



Foram-se assim, os nossos dias de paz!
Tudo passou, acabou-se. Ausentou-se
Entre a inexistência do vínculo
De vida que houvera entre você,
E eu; distância de um sem fim,
Sem afins; sem mesmo uma sina!
Quisera eu reinventar a paz com toda a força
Que dentro em mim, incontida está; e também
Como uma fúria, com todos os ódios meus,
Criar amores plangentes por aqueles que
Sentiram a paz, mas não ficaram!...
Não sobreviveram, nem se desesperaram! Penso,
Apenas proclamaram: “Quando será o meu fim?!”
“... ausente das guerras, eu estarei em paz...!”

No meio-fio das calçadas da vida,
Quando há a morte entre a vida,
E ávida que esteja entre ela
E a morte... Talvez, aí, nesse
Momento haja a paz; pois há uma
Trégua na ausência da humanidade,
Que mesquinha, somente pára de guerrear
Diante do fatídico caos da morte, em que,
A ruptura do raciocínio não é espiritual...
E sim simplesmente um etéreo amor sem fim!
E a paz, ultimamente, é uma pomba branca
Sombria,
Sombria...
Sombria entre bombas!!!
Por que os humanos a fizeram assim?!
Ou, por que a destroem assim?!...

Ultimamente, atualmente, assim como antigamente,
A paz é tão sombria como luzes não reluzente
Em nebulosos dias. Por que, Deus, por quê?!
Se pudesse, reencontraria encantos
Quisera eu pudesse ser o seu.
Quem me dera... Este amor,
Que tanto mesmo pressagiou
Os meus sonhos em prantos

Vou escrevendo, ao mesmo tempo esquecendo-me da paz,
Com todo o etéreo fulgor, num pequeno remorso
Que me faz audaz; pois nela vivo tanto!
Constrange-me saber que tantas pessoas
Não possam encontrá-la! Então, por que
O rimar, se tudo tanto faz?! Por que
Pôr poesia em tudo? Oh, Deus! A Ti,
E as musas eu clamo! Oh, Filhas de
Mnemosine! Onde andará o séquito de Apolo?
Calíope, Érato, Euterpe... Oh! Polímnia,
Enriqueça a história, trazendo-nos
Os sacramentos e a paz; mesmo que
Sombria e tão entristecida.

Será que a paz tanto importa com a paz que recorda
Toda a importância do amor que tivemos e vivemos?
O amor do amor que pouco ou muito sobrevive
Vive; sobrevive, vive... E pulsa! Pois ainda
Muito vive no algo a mais de muito do amor...
Que tive...
Que vive.
Eh, que vivaaaahh!!!
Viveeehhh!!!

Odenir Ferro

 

 

 

Odone Antônio Silveira Neves

 

 

SIMPLICIDADE... FELICIDADE
Odone Antônio Silveira Neves


Ser como os jardins, o horizonte sem fim
Ser campos... cerrados... matas...
Por que não pode ser toda gente assim?
Ser como os gerânios, cor de âmbar nas janelas
Ser como glicínios, cor de púrpura nos canteiros
Por que não pode ser toda a gente assim?
Com ou sem perfume as flores
Enfeitando com suas multicores
O interior do nosso jardim
Por que não pode ser toda gente assim?

Odone Antônio Silveira Neves
Porto Alegre - RS

 

 

 

 

Livro de Visitas