FÉNIX

 

 

Rosélia Martins

 

 

M O C I D A D E
Rosélia Martins


verdes anos da nossa vida
se passaram ao longo do tempo
deslizaram numa corrida
agora só em pensamento
recordamos nossos amores
nossos sonhos e ilusões
brincamos com belas flores
no jardim das paixões
mocidade que o tempo levou
no seu constante rodopiar
ah quem me dera ser o que sou
mas ainda poder sonhar

Rosélia Martins
17 Março 2009

 

 

 

Rozelene Furtado de Lima

 

 

AINDA NÃO
Rozelene Furtado de Lima


Preciso terminar a maquiagem
Por favor, adie a minha viagem
Logo agora que descobri a fórmula do amor
Entendi a diferença entre criatura e criador
Percebi que não existe dor nem agonia
Que tudo é ilusão é fantasia
Que escrever depende do leitor
Que quem lê é que é o autor
Compreendi que cor é questão de velocidade
Que tempo de vida não corresponde à idade
E que o espaço é livre e tem pontos a definir
Podemos pedir para ficar ou partir
Que felicidade existe sim e é uma constante
Aguarde muito mais tempo, não vivi o bastante
Deixe eu demorar, deixe eu atrasar
Ainda vou fazer os biscoitinhos
Para levar para os anjinhos
Tenho sonhos adejando em mim, entenda, aceite
Quero comer nuvens branquinhas com azeite
Passear no cavalo de São Jorge dentro da lua cheia
Dar uma festa no meu castelo de areia
Tudo se apequena na sua presença
Saia de perto, dê licença
Tire o meu nome da sua lista, da sua vista
Por favor, risque, rabisque
Solte a minha mão
Não quero ir, ainda não.

Rozelene Furtado de Lima

 

 

 

Rui Moreira Henriques Serrano

 

 

O COLONO
Rui Moreira Henriques Serrano
(Homenagem a meu pai, comendador Artur Henriques Serrano – 1896-1960
No dia 22.09.2010 faria 104 anos)



Tu, glorioso colono que exististe,
Foste herói e obreiro de feitos,
Foste missionário e embaixador,
Espalhaste a palavra e a Fé,
Por terras inóspitas e distantes.

Tu, corajoso colono que partiste,
Da tua terra pobre e abandonada,
Deixaste cidades e vilas para trás,
Rumaste a outros continentes,
Levaste contigo o teu saber.

Encontraste terras exóticas,
Foste bem acolhido e protegido,
Recomeçaste a tua vida com Fé,
Usaste de imaginação e criação,
Lançaste sementes ao fértil chão.

Assimilaste costumes e tradições,
Transmitiste conhecimentos e ideias,
Misturaste-te com outras raças,
Deste origem ao mestiço e mulato,
Outras civilizações, inventaste.

Comércio e indústrias criaste,
Permuta de bens, sabores e saberes,
Deram-te motivos e anseios,
Para fazeres sempre mais e melhor,
Pelas gentes e terras que abraçaste.

Depois de tua vida construída,
Com família e amigos enraizada,
Foste surpreendido por aventureiros,
Depredadores e agressivos,
Que dos Teus Bens se apossaram.

Sem perspectivas e segurança,
Foste coagido a tudo abandonares,
Regressando à terra que te esqueceu
Com a família adolescente e triste,
Recomeçando do nada e com Fé.

Ruy Serrano
22.09.2010

 

 

 

Ruth Farah Nacif Lutterback

 

 

DESEJO DE PAZ
Ruth Farah Nacif Lutterback


Neste mundo ameaçado
pela maldade cruel,
parece terem montado
nova Torre de Babel!
Respeitar o ser humano
com tal solidariedade,
é um exemplo soberano
para toda a humanidade.

“Vamos todos nos unir”
é um lema de cristãos,
devendo a paz garantir
_ ela está em nossas mãos.
Começando em cada lar
e no trabalho, também,
as pessoas vão se amar
visando somente o bem.
Com real inteligência
de sentimento profundo,
dando um basta à violência,
salvaremos nosso mundo.

Peçamos em oração
que os novos canhões de guerra,
em vez de destruição,
detonem amor na Terra.
Que ainda neste milênio
seja o lema natural
dos povos igual convênio:
manter a Paz Mundial!

Ruth Farah Nacif Lutterback
Cantagalo/ RJ/ Brasil

 

 

 

Selene Antunes

 

 

PUDOR E INOCÊNCIA
Selene Antunes


Ah se não fosse o pudor e minha inocência
Eu teria conseguido meu objetivo
Bem que tentar eu tentei e até insinuei
Mas você disperso e distante nem te ligo.

Ah se eu tivesse tido coragem de falar
De atirar-me em teus braços e confessar
De roubar-lhe um beijo sufocante e apaixonado
E deliciar-me num êxtase sem vontade de parar.

Ah como tentei com os meus olhos te falar
Do amor e o desejo que me queimava a alma
Mas minha inocência de tudo me impedia
Queria que me notasse e esperava com calma.

Ah se não fosse o tempo ter passado tão rápido
E os cabelos brancos anunciando a idade
Eu tentaria de novo te envolver meu amor
E hoje não estaria vivendo de saudades.

Ah se eu tivesse a experiência de hoje
Não insinuaria apenas abriria meu coração
Diria eu te amo e te desejo noite e dia
E teríamos vivido uma grande paixão.

Selene Antunes

 

 

 

Sergio Antonio Meneghetti

 

 

TÚNICA
Sergio Antonio Meneghetti


Túnica!
Vós fostes a única
Única a envolver meu ser
Sustentar eu espírito para crescer

Aglomerado atômico e molecular
Onde habita minha consciência
Você é o meu lar
É também minha ciência

Maquina perfeita
Que veste; imperfeitos.
Roupa justa e estreita
Onde desenvolvo os meus feitos

Contigo em perfeita comunhão
Juntos nesta existência
Com a matéria na razão
E o espírito na essência

Agradeço ao Criador
Pela túnica que me deu
Agradeço ao corpo doado com amor
Neste que estou eu

Sergio Antonio Meneghetti
Brasil

 

 

 

 

Livro de Visitas