FÉNIX

 

 

Vânia Lara Vargas Becker

 

 

REFÚGIO
Vânia Lara Vargas Becker


Aqui, o vento dialoga incansável com as folhas,
Reparte segredos,
É parceiro de um bailado insano,
Há cigarras que anunciam presentes de Natal,
Há uma estrada por onde exercito
Meus passos de anciã,
Há borboletas que misturam aquarelas,
Há um encontro de sábios e aprendizes,
Há lágrimas que escorrem pelas maçãs
Vermelhas, maduras e depois de bem
Lavadas, tornam-se mais doces,
Há um corpo frágil, escondido,
Esperando a alma crescer,
Há uma dor profunda que não cabe na gaveta,
Há uma grande lua que esfrega
Os olhos e olha assustada e sonolenta
Para o dia que se derrama sobre a terra.

Vânia Lara Vargas Becker
São Sepé - RS

 

 

 

Vera Lúcia Vargas

 

 

RABISCO
Vera Lúcia Vargas


Rabisco
e
risco
Teu nome
e
o meu.
Palavras ariscas,
Que fogem das mãos...
Que fogem... e fogem

Vera Lúcia Vargas

 

 

 

Vera Salbego

 

 

HISTÓRIAS DE BRUXAS E POÇÔES
Vera Salbego


I

Canção das Bruxinhas

Minhas bruxarias vão sair pro mundo
Vou trabalhar, vou batucar
Se Deus quiser, quando eu voltar
Uma poção eu vou fazer.

II

Adeus...

Adeus, adeus
As coisas más
Eu vou trazer a esperança
Vou rezar para voltar o Amor.
É uma poção eu vou fazer.
Para acabar com a maldade.
E trazer a generosidade.

III

Apelo!

-Janete
_Cristina
-Vera
-Carmen
-Paulo
-Matheus
-Cadê Vocês!
Oh!Mãe do Céu!
-Eu bem disse que acabaria com a maldade que existe no mundo.
_E preciso de vocês para ajudar a semear a bondade e o amor entre os seres do mundo.
-Vamos nos unir.

IV
Cantiga de Otimismo

É tão triste ver as pessoas
Praticando violência, roubando
E mais fácil praticar o bem
E fazer dele nossa canção
Para encantar o mundo com nosso Amor.
Vamos levantar a bandeira de otimismo
Enfrentar tudo e a todos.
Como companheiros da poção da paixão.

V

União

Vamos nos unir
Companheiros de poção
E fazer dessa união
Nosso lema pra missão
Das bruxinhas da nação.

VI

No dia seguinte

Minhas bruxarias vão voltar pro mundo
Vou trabalhar, vou batucar
Se Deus quiser vou realizar
Uma poção para ajudar
A humanidade a se curar
Meus companheiros também vão ajudar
E a Deus vamos agradecer
E concretizar nossa missão.

Vera Salbego

 

 

Victor Parussini Todt

 

 

DEIXE O TEMPO PASSAR
Victor Parussini Todt


O tempo, muitas vezes, é uma dúvida.
Se longo ou curto,
é indeterminado.
O problema é que, em nossa vida,
tudo é baseado no tempo.
Corremos para conseguir nossos sonhos.
Deixamos o tempo passar numa relação
ou esperamos um tempo
por algo que não podemos fazer,
só esperar, e rezar,
para que nossa vida dê certo
Sem dúvida, é o tempo
que define se nossa vida
dará certo ou não.
Há momentos em nossa vida
que se faz necessário
deixar o tempo passar.

Victor Parussini Todt
Porto Alegre - RS

 

 

 

Virgílio Roque

 

 

AMA A DEUS SOBRE TODAS AS COISAS E
AO PRÓXIMO COMO A TI MESMO
Virgílio Roque


A  mor é o mais nobre de todos os sentimentos!
M  esura para ele não há nem em pensamentos!
A  amizade dele nasce e daí bons desenvolvimentos.

A  assertividade no amor é de valor transcendente!

D  evemos dar a Deus o que é de Deus omnipotente
E   a Cezar o que é de Cezar um homem dirigente.
U  nidos em valores devemos pensar com o coração,
S  eguindo esse estado a mente dará ordem à execução.

S  erão as regras de educação algo de inusitado,
O  nde o que era correto passou a ser do passado?
B  om seria que todos gostassem de se conhecer.
R  efiro-me a nós mesmos ao nosso próprio proceder
E  assim, saber-se agir para o momento apropriado.

T  emo não pelo criminoso descarado e declarado,
O  qual é conhecido e nos permite estar atentos.
D  emoro a entender é o falso em atos e pensamentos.
A  arte está em saber servir, ser humilde e educado,
S  aber-se ser chefe ou servo, em todos os momentos

A  o olhar para o que temos, lembrar-nos que é emprestado;
S  entir que passado algum tempo, já estamos noutro estado.

C  abe a cada um a forma e o rumo que vai tomar.
O  Criador deu-nos livre arbítrio para nos gerirmos
I  ndicando os caminhos e as regras a seguirmos.
S  eria bom, cada um ser reto no rumo que vai traçar.
A  negligência é algo terrível que jamais devemos ser!
S  aber fugir à rotina, é algo a procurar saber fazer

E  desta forma evitaremos ser repetitivos e caducos.

A  lguma sociedade parece ser robótica, de malucos!
O  que leva a pensar ser uma sociedade rica de eunucos.

P  eço a Deus que afaste de mim a preguiça e seus derivados;
R  emédio, não somente pro inativo e outros muito mal-educados.
O  lho para quem faz algumas leis e pergunto-me como é possível
X  aquear a humildes, retirando-lhes aquilo que lhes é imprescindível
I  ndiferentes, aquilo que com isso lhes venha a ocorrer.
M  elhor teria sido a alguns, terem tido a sorte de morrer
O  isso acontecer, evitariam, um castigo irremissível...

C  abe a cada um sobre este assunto bem pensar;
O  lhar bem para si e sobre o assunto muito meditar...
M  uitas coisas se ouvem de retórica muito falseada
O  nde a técnica de enganar é muito bem elaborada.

A  alegria e o amor são as asas dos grandes feitos!

T  ão bom que era se todos fizessem por eliminar defeitos,
I  ncrementassem virtudes e concedessem direitos.

M  estres e seres Luz, por favor, ensinai-me a amar
E  onde houver choro e dor que possa levar consolação,
S  empre num estado de humildade e em servidão,
M  adureza saiba ter nas decisões que venha a tomar.
O  intelecto busca, mas quem encontra é o coração!

Virgílio Roque
31 de julho de 2013

Nota: este acróstico tem duas frases de dois ilustres pensadores:
"A alegria e o amor são as asas dos grandes feitos."(Wolfgang Goethe)
"O intelecto busca, mas quem encontra é o coração." (George Sand)

 

 

 

Virginia Fulber

 

 

HORAS INCERTAS...
Virginia Fulber


Jasmins seguem seduzindo a noite, compondo vaporosos mistérios, despertando sentidos notívagos, perfilando artérias, dilatando papilas, proliferando devaneios...
Aproxima-te irmã neblina, estou sedenta de tua sábia revelação sobre os veios azuis esverdeados que compõe o cântico da fadas e serafins...Leva-me bruma afrodisíaca, às horas incertas, às profundezas oceânicas e assombra-me! Rogo-te evolve-me e me conduz agora ao mais alto, dê-me dois pares de asas para que eu vá ter com a face dos querubins!
Cansei-me das humanidades. Por agora desejo embeber-me em mitos, quiçá deidades... Cansei-me das humanas qualidades...

Guarda irmã contigo, minha capa e espada até o amanhecer...

Virginia Fulber

 

 

 

 

Livro de Visitas