FÉNIX

 

LOGOS Nº 7

MARÇO 2014

 

 
 

Rogério Martins Simões

 

 

POESIA, LÁGRIMAS E SORRISOS
Rogério Martins Simões - ROMASI


Tudo mudou!
Sem poesia
o mundo é menos sonhador,
é mais desumano!
Quando se escreve poesia
não se está só,
não estamos sós!

A poesia enche-nos a casa
de lágrimas ou de sorrisos!
A Poesia reverte os sonhos desfeitos
em estrelas cadentes
para voltarmos, de novo, a sonhar.

Estaremos sós
quando as paredes
emparedarem
os pensamentos
e nem uma só lágrima se verta.

A poesia é a magia
que espreita a ponta dos dedos
esborratados de tinta…
Ser poeta é quase morrer
e renascer
num canto ou num verso.

Paro! Tenho de parar!
Porque amanhã voltarei à rotina,
e sem rotina
não podemos viver.

Todos andamos num carreiro.
Para cá, para lá
sem saber ao que vamos.
Andamos,
corremos,
pensamos.
Como fazer para sobreviver
se não vemos!
Como podemos ver,
se nada há para ver.
E se vemos?
Poderemos parar para refletir?
Deixam-te refletir?

Que reflexão,
fazemos das nossas vidas?

Quantas televisões temos em casa?

Quantos tabuleiros se enchem de pratos
no desconforto da mesa vazia,
que esfria,
na espera?

Crescerá o bolor no pão que não sobra?

Que desconforto quando não há poesia!

Rogério Martins Simões - ROMASI
Meco - Praia das Bicas - PORTUGAL

 

 

 
 

Rosalina Lopes Pires Fialho

 
 

SOU CRIANÇA
Rosalina Lopes Pires Fialho


Já fui um sonho apenas,
Um projeto de meus pais,
Já fui um feto, esperado demais.
Hoje sou como o raiar de um lindo dia.

Sou como o nascer do sol,
Sou como o brotar da semente,
Sou como o desabrochar do girassol,
Sou a magia da vida, sou gente.

Sou um presente de Deus,
Enchi a vida de meus pais de alegria,
Preenchi cada minuto dos dias seus.
Meu choro ecoava como uma linda melodia.

Do bem quero ser propagador,
Não nasci para ser abandonado.
Sou filho de Deus, o Nosso Criador.
Quero ter carinho, atenção, ser muito amado.

Quero ter um lindo futuro,
Preciso de amparo no presente,
Ensina-me o caminho correto e decente,
Quero ser pra meus pais motivo de orgulho.

Sou o seu presente pra toda vida,
Comigo não sentirás solidão,
Sou o seu filho abençoado,
Sou a luz que afasta de ti a escuridão.

Rosalina Lopes Pires Fialho
Rio Claro - SP - BRASIL

 

 

 
 

Rosane Bastos

 
 

EM BUSCA DA PAZ...
Rosane Bastos


A praia estava deserta
e eram seis horas da manhã.
Eu estava livre
para caminhar na areia,
contemplar o céu
e brincar com as ondas do mar.
Purifiquei-me ao libertar a criança
que está dentro de meu ser.
Perdi-me em meio a pensamentos
de paz e de iluminação.
O sol foi esquentando
e me fazendo brilhar
com sua energia vital.
Eu fiquei inerte
com tamanha beleza a contemplar
com total absorção,
o movimento cíclico da natureza.
Era inevitável não entrar em contato
com a singular harmonia
que me envolvia.
Um sorriso invadiu os meus lábios
e lágrimas de agradecimentos
inundaram o meu rosto.
A pureza brotou e se fez presente.
Para vivenciar tais emoções
basta sonhar, lutar
e buscar as nossas realizações.

Rosane Bastos
Porto Alegre - RS - BRASIL

 

 

 
 

Rosangela Aparecida de Carvalho

 
 

PASSOS
Rosangela Aparecida de Carvalho


A rua está deserta,
passos sós vão e vêm,
calados, cansados,
como o vento que já soprou audacioso
e assim tem,
o perfume dos pecados.
Mas esses passos audaciosos,
na rua deserta e triste,
querem vitória celebrar
e assim, cansados persistem,
lentamente a caminhar.
É uma rua tão escura,
nem plantas há para alegrar,
só a frieza do concreto existe,
só a solidão vem habitar.
De quem serão esses passos?
Quem infeliz deve estar?
Nesta minha noite de insônia,
ouço passos no seu ir e vir,
já pesados, arrastados,
e que será esse alguém?
Pergunto-me mas não vou ver.
Amanhã como toda a vizinhança,
bem cedo irei trabalhar
e assim, sem mais me preocupar,
viro para o lado
e durmo sem perceber
que na rua deserta,
aqueles passos inadequados,
cansados, arrasados,
se afastam sem esperanças,
ao longo de minha rua deserta.

Rosangela Aparecida de Carvalho
São Paulo - BRASIL

 

 

 
 

Rosélia Martins

 
 

A SAUDADE DÓI
Rosélia Martrins


0uço os teus passos no jardim
as aves cantando ao desafio
mas uma tristeza dentro de mim
e as lágrimas correm a fio

ouço o eco da tua bela voz
para lá dos montes e do rio
saudades de sermos nós
cantando os dois ao desafio

o tempo passou como os ventos
a soprar forte senti saudade
evolam o eco dos lamentos´
neste segredo que me invade´´

ouço o som da perdida ilusão
o monte da fugidia verdade
esta dor prende se ao coração
filha desta grande saudade

meu ser disperso em agonia
gemendo da ferida que mói
navega noutro mar a alegria
neste peito onde a saudade dói

Rosélia Martrins
Lisboa - PORTUGAL

 

 

 
 

Rozelene Furtado de Lima

 
 

MULHER ACESSÓRIO
Rozelene Furtado de Lima


As mulheres são vistas como acessório
Acessório de muitos usos e abusos
Não vivem no paraíso, vivem no purgatório
Tem mulher de todas as formas até de parafuso
Que se enrosca, apertada segura todas as pontas
Mulher que serve de cabide onde se pendura tudo
Qualquer peça, qualquer entulho, nada se leva em conta
Mulher que cresce num mundo exigente e mudo
Que assiste a fêmea lutando para conseguir um lugar
Dominada pelo forte macho, desde o início dos tempos
Era queimada em fogueiras se deixasse revelar
Inteligência e como bruxa evaporava em cinzas ao vento
Ela vem conquistando espaço desde os primórdios
Sem perder a capacidade de se amar, amar e deixar-se amar
Vem chegando dia a dia sem toques de exórdios
A mulher de hoje tem os mesmos sentimentos de outras eras
A maternidade não acontece é um ato de escolha
A Liberdade e o respeito já não são só sonhos e quimeras
Não se deixe levar e se enganar, saia da angustiante bolha
Um dia para homenagear a mulher como deusa rainha
Somente um dia para tirá-la da berlinda sem pelourinho
Tirá-la da estante dos objetos dos desejos e da bainha
É conquista de passadas firmes raladas na mó do moinho
Menina mulher o mundo é teu, continua no caminho das avós
Solta as amarras, luta, resista, pelas tuas filhas solte o grito da garganta
Erga a bandeira da valorização alargando as trilhas, desfazendo nós
Em nome das martirizadas, das surradas, das sugadas e das santas!

Rozelene Furtado de Lima
Teresópolis- Rio de Janeiro- BRASIL

 

 
 

 

 

 

Livro de Visitas