FÉNIX

 

Edição Especial "Mulheres pela Paz" -  2017

 

  Clevane Pessoa -Mulheres

 
 
 

 Ana Dias

 
 

MULHER
Ana Dias

Semente, folha, flor
Sede, fome, alor
Capacidade de encobrir
Muita dor no seu sorrir

Lágrima rola, escondida,
Se é pela dor vencida
Esquece-se de si, amiúde,
Responde com solicitude

Sempre atenta e incansável,
Sempre pronta e amorável,
Dá sempre mais que recebe:
Em cada entrega não esmorece

A mulher é um ser maior,
Obra-prima do Criador.
Diz a lenda ? (com razão?):
Deu-lhe Deus
Mais que tudo!
Um coração.

Ana Dias
ADELV - Lourinhã - Portugal


É professora do 3º Ciclo e Secundário. Tem vindo a participar em várias Antologias nacionais, brasileiras e lusófonas. Tem vários livros publicados, desde Contos Infanto-Juvenis e outros, crítica literária, ensaios, poesia, prosa-poética. Participou em crítica cinematográfica, promovida por Lauro António, em que obteve vários primeiros lugares. Vários prémios em Jogos Florais.

 
 
 

 Ana Rosa

 
 

A NOITE É UMA MULHER
Ana Rosa

(...) A noite é uma mulher,
Doce, nua e solitária...
A lua tece em seu astro, despido
O mais belo e vaporoso vestido,
de pura e fina cambraia...
Com o brilho de cintilantes estrelas,
adornado...
Repleta de sonhos rendilhados
Cheios de plena graça e lindo colorido
Como se no céu, surgissem miragens,
Soltas palavras de reluzente brilho
Belos sonetos de poesia cor prata...
Colhidos num espaço,
de absolvição perfumada...
De alegres e estreladas gargalhadas
Como envaidecido canto;
duma cigarra que se insinua
na solitária noite, prateada...
Sem nome, sem tempo,
de tudo desligada...
Como areia pura e virgem, se entrega
pelo vento é levada,
Adormecendo nas dunas,
solta na praia...
Num sentir de descoberta,
de forma e de vaga incerta;
Como quem vê pela primeira vez,
num espelho de água clara e pura
seu belo e cintilante reflexo de olhar inquieto...
Flutuando sob vagas altas,
Abraçar e por elas ser abraçada
Como doce e agreste entrega,
Num despertar de alma
Gestos perdidos e achados,
Na espuma deixada na margem...
Em seus olhos receberá,
astros bordados,
na bainha de sua saia de algas...
O metal das horas para...
Para que a noite passe ,
Deslizando suavemente
em seu cristal de quartzo (...)

Ana Rosa
Arruda dos Vinhos - Portugal

https://www.facebook.com/universodopensamento?fref=ts

https://www.facebook.com/groups/poesiasopoesia61/?fref=ts

http://poesiasopoesia.blogspot.com

 
 
 

 Ana Rosenrot

 
 
 

SIMPLESMENTE MULHER
Ana Rosenrot

Ninguém pode me julgar,
por minha roupa ou jeito de andar,
sou livre para ir, vir e pensar,
escolher uma profissão, estudar e trabalhar…

Pelos meus direitos vou lutar,
bandeiras justas vou erguer,
preconceitos enfrentar,
quero paz e liberdade para viver,
a opressão não vai me calar…

Sou igual a todo mundo, nem melhor ou pior,
defendo todo dia meu sustento,
com muito esforço e suor…

Não sou guerreira,
santa, mártir ou feiticeira,
não pretendo chocar nem comover,
quero ser feliz como puder,
pois sou simplesmente humana…

Simplesmente mulher.

Ana Rosenrot
Jacareí – SP – Brasil


Ana Rosenrot de Jacareí – SP – Brasil, é escritora, cineasta e ativista cultural, assinou por 4 anos a Coluna CULTíssimo, na Revista Suíça Varal do Brasil, já teve trabalhos expostos no Consulado Brasileiro da Suíça, participou de diversas antologias e recebeu vários prêmios literários; no cinema trabalha com produções independentes, longas e curtas-metragens onde também já recebeu prêmios. Criadora e editora da Revista LiteraLivre.

 
 

 

Livro de Visitas