FÉNIX

 

Edição Especial "Mulheres pela Paz" -  2017

 

Tere Tavares - Olhos azuis

 
 
 

 Felicia Jennings

 
 

Felicia Jennings

Felicia Jennings - Brasil
em Winterle - Massachusetts - EUA
Fundadora e Diretora Educacional
www.brasilemmente.org


Felicia Jennings-Winterle é formada em Educação Artística - Música pela Faculdade Santa Marcelina, especialista em Educação Psicomotora pelo ISPE-GAE e especialista em musicalização infantil pela UNISA. É Mestre em Educação Musical com ênfase em Cognição pela New York University. Desde 2009 dedica-se ao ensino do português como língua de herança (PLH) através de diversas ações, inclusive a fundação da organização cultural Brasil em Mente (www.brasilemmente.org).

 
 
 

Fernanda Santos Souza (Nanda)

 
 

MULHER PODE?!
Fernanda Santos Souza (Nanda)

I
Mulher não podia votar, muito menos estudar.
Pra quê mulher na escola?
Se tudo o que precisávamos era saber cozer, limpar e lavar!
Eu não podia escolher marido, foram meus pais que escolheram,
Venderam-me com um dote,
Como se eu fosse um produto qualquer, impotável, imprestável.
O noivo era quem ganhava dinheiro para me ter sobre suas mãos,
Como uma empregada doméstica, como uma escrava sexual.
II
Mulher não podia trair.
Mas, podia ser corna, traída e mal amada.
Mulher não podia vestir a roupa que quisesse,
Mulher não podia trabalhar em muitos locais.
Porém, deveria estar sempre ali,
Com o cafezinho na hora que o marido chegasse.
Como eu desejava pôr aquele casaco
Para trabalhar em algum lugar
Pregando prego, parafuso, o que fosse...
Longe de fogão, longe de pia,
Longe de criança, longe de casa.
Certo que estávamos num avanço industrial
Mas, o que iriam falar da minha família?
Diriam que meu marido era imprestável
Por não conseguir dinheiro suficiente.
Diriam que meus filhos eram amaldiçoados.
E diriam que eu era uma espécie de “mulher-macho”,
Sem preceitos, sem valores, sem respeito.
III
Mulher pode votar.
Mulher pode casar com quiser.
Mulher pode falar o que pensa.
Mulher pode vestir biquíni, saia...
Estudar? Mulher pode.
Trabalhar? Claro que pode.
Homem que quiser que pense que fico em casa
Esperando-o com o almoço pronto e roupa lavada.
Quem foi que disse que tu, homem, eras melhor que eu?
Quem foi que disse que eu era o sexo frágil?
Logo eu que faço coisas com mais perfeição,
Que finjo estar tudo bem, quando meus olhos dizem que não,
Que vivo mil vidas em apenas um dia,
Que aparto as dores dos outros em detrimento das minhas.
Ser mulher não é ser submissa das vontades masculinas,
Ser mulher não é aceitar sem questionar toda a represália,
Ser mulher não é aceitar os rótulos da sociedade.

Nascemos com o sexo feminino e não com uma fragilidade.

Fernanda Santos Souza (Nanda)
Nossa Senhora da Glória-Sergipe- Brasil
http://www.blog-fernandasouza.blogspot.com


Fernanda Souza, 16 anos, 3ª série do Ensino Médio (em 2017), começou a se aventurar na literatura aos oito anos de idade. Medalhista de prata no IV Concurso Arraial Literário à moda Antiga do Rio de Janeiro e no Concurso Literário do Colégio Municipal 28 de Janeiro, a jovem também é finalista dos II Concurso Literário Maria Iracema dos Santos, além do II e III Concurso Literário da Loja Maçônica Cotinguiba.Apesar de ser jovem, procura desmistificar o estereótipo de que jovem não se interessa por literatura, por intermédio de debates e criações em seu blog.

 
 
 

Flora Tito Salvador (papoila delirante)

 
 

MULHER
Flora Tito Salvador
(papoila delirante)

Ser amável terno e carinhoso
Põe sua vida em risco em detrimento de um novo ser
Mulher, Mãe, irmã, amiga e companheira
Sempre pronta a enfrentar os problemas da vida
Mulher Angolana tem tudo que sua terra tem
Espalhada nas 18 províncias deste lindo país
Negra, linda como fé lá para as bandas do Uíge
Tem curvas diferentes do violão porque são semelhantes as da serra da Leba
São frescas e densas como a floresta do maiombe
Mulher Angolana como tu como tu não há igual
Tem gingado como das águas caindo das quedas de kalandula
Mulher, sou eu és tu
A beleza sem igual esta dentro do seu coração.

Flora Tito Salvador
Luanda - Angola


Flora Tito Salvador nascida a 15 de Abril de 1992 na Província de Luanda finalista do curso de ciências da computação, membro do movimento lev´arte. Amante da arte em especial literatura e musica, conhecida como a poetisa delírante (papoila delirante). Duas coisas fazem com que realizemos nossos sonhos, a fé em Deus e a crença em nós mesmo, sem desvalorizar o incentivo que vem dos lados (frase construída por mim, gosto repetir varias vezes para mim mesma)

 
 

 

Livro de Visitas