FÉNIX

 

Edição Especial "Mulheres pela Paz" -  2017

 

Tere Tavares -  A Mulher das madeixas encaracoladas

 
 
 

Issis Antunes

 
 

MULHER POETA
Issis Antunes

Sou mulher,
Sou Lua,
Sou única

Sou mulher
Que sabe o que quer

Tenho a fé e a inspiração de poeta,

Encanto a vida em todos os temas
Sou uma canção de ninar,

Sou nascida para te encantar

Da vida sei muito mais
Tenho muito para te falar

Na magia dos meus versos
Eu teço os sabores do tempo,
Sou a estrela a te iluminar

Nesse meu te encantar
Sou letra e inspiração de algo bom
Desnudo o mais puro dos sentimentos

Sou feita síntese do segredo de amar,
Tenho fases minguante e cheia,
Assim como o luar

Meu amor te incendeia

Tenho fases para te encantar!

Issis Antunes
Sorocaba - SP - Brasil

 
 
 

Ítalo de Melo Ramalho

 
 

POEMA INACABADO
Ítalo de Melo Ramalho

O caule único vaza a pira ascética.
Estende o grão-dourado de fruto dourado
em direção ao dourado apolíneo.
(O El-Dourado do insepulto Deus
toma e torna a haste vívida e verde
em semeadura de insofismáveis enigmas
do broto paraibano.)
Rasga as vestes que sitiam o indecifrável.
Sorve o espesso líquido grená que nutre
e transborda das janelas descrentes.
O sesmo, antes infértil, vê-se rasgado
pela semente alvissareira do Evangelho.
Da ampulheta.
Da geografia.
Da biografia sem plumas.
Desnudo, revela o segredo guardado em abismos
do descortinado tabuleiro do irremediável.
Cindindo o preparo do presente.
E fundindo a Pedra, a Carne e o Sonho,
em uma estrutura densa, mítica e mística.
Gérmen rudimentar e substantivo
do oculto espaço inalcançável pela razão.
Venha, Flor de Milho!
Dance ao sopro telúrico do vento!
Inaugure, no córrego leitoso do rio,
o átimo constante da primaveril estação.
Venha, cândida Eva!
Traspasse a pele acústica do morto músculo.
Renove em azul o silente lunar,
alicerçando-o em Pedra-Satélite.
Em Pedra-Solar.

Ítalo de Melo Ramalho
Aracaju - SE - Brasil


Advogado, radicado em Aracaju, SE, Brasil. Diletante das artes literárias, musicais, visuais e da boa convivência. Sobre ciência devota seu tempo ao direito, a sociologia, a antropologia e a política.

 
 
 

Ivan Braga

 
 

A GRANDE VIAGEM DO SORRISO
Ivan Braga

A mulher que eu conheço
Lá em casa, bem me quer
Sonho brasa de amor, adormeço
Além da flor, aconteço
A mulher que eu conheço
Lá em casa, até penso: será que mereço?
Não sai em capa de revista qualquer
Tem na sua lista, toda conquista da mulher
A Mulher que eu tanto adoro
Me acorda, me levanta, sai correndo
Com o almoço, com a janta, faz em paz
Aquele alvoroço, a mulher faz aquele café
Pega a manhã, com as duas mãos
Cuida do pão, cuida da paz
Da mãe e dos filhos...
Sacode a noite do corpo
Bota a casa nos trilhos
O riso que eu preciso
É natural da estrela que viaja
Toda vida com todos os brilhos
Nem carece de salão-de-beleza
Vai trabalhar, vai passear
Com o coração da melhor grandeza
Nem carece de academia
A princesa vem da força mais singela
Amanhece só ternura e alegria
A poesia só floresce com a cultura dela.

Ivan Braga
Taguatinga - DF - Brasil


Nascido em Santana/Bahia em 1960. Estudou em Brasília e hoje é professor atuante na Biblioteca Braille Dorina Nowill. Grande incentivador dos deficientes visuais na criação de seus poemas. Tem dois livros de poesia editados “Cartas Brejeiras" e "Romance De Almas na Florada". Com vários poemas musicalizados e participação em duas antologias, com muitas alegrias!

 
 

 

Livro de Visitas