FÉNIX

 

Edição Especial "Mulheres pela Paz" -  2017

 

Liliana Esperanza- Ni dos menos

 
 
 

João Nelson Mutaba

 
 

EU SOU MULHER
João Nelson Mutaba

Um dia a chamaram da origem do mal
ela disse, sim, eu sou
Eu sou o desenho mal feito por isso não me rejeito
Eu sou o carácter mal compreendido
O semblante ofuscado pelo ódio
A escultura cuja compreensão tu nao percebes
Eu sou a que não se acenta na altivez da nudez
Por isso sou mulher

Sou mãe de uma nação
Minha dor é de geração a geração
Meu peito amamenta de estação a estação
Meu choro é de coração
Eu sou mulher

Mulher de lágrimas no rosto
A mesma que carrega a dor de um filho no seu peito
A que te traz de um feito
Me negam o manto
Mas dão-me o direito de trilhar no meu leito
Eu sou aurora
A que amaste outrora
Me difamas quando rejeito a tua paquera

Eu sou a fonte carente
Que sacia a tua sede
Marcho imponentemente
Para cuidar da minha gente
Sou mãe por isso sou mulher

Sim! Foram 9 meses em ti
Sem nenhuma renúncia
Porque tu és a essência
Por isso tu és a mulher dos meus sonhos
A diva de todos tempos
O centro da sete maravilhas do mundo
A rainha cuja corôa é o diamante da Lunda
Negra de carapinha dura
Tua beleza é sem preço, qualidade acima da soma
Permite que te limpe essa lagrima

Deixa-me falar de ti mulher guerreira
Deixa-me usar a magia desta linda caneta
Para falar da tua beleza
Deixa-me pois que grite ao mundo com astúcia
Ousando da petulância para falar da tua importância
A mãe do filho que um dia trilhou por esta patria
Mãe zungueira que vive as corridas pelos filhos
A mesma que ajoelha dia e noite rogando que Deus proteja os filhos
Pois não oculta as lágrimas quando a febre do filho não baixa...
A mãe que abraça o filho prodigo e solta as garras pela sua defesa

É imprescindível a sua coragem
Pois vai alem da miragem
É sem limite o seu desejo de amar
Transmite o seu riso de coração num simples olhar
Pura que nem a floresta de maiombe em cabinda

És tu mãe, filha, tia irmã, amiga
Não sei como te chamam, e de onde és e onde estás
O que importa é que dedico a ti, mulher, a rosa desta terra

E eu disse: na mulher está a dinamica da vida
O que é o filho para a mãe assim é o mundo para a mulher.

Joao Nelson Mutaba
Luanda - Angola


Estudante de Direito pela faculdade Metropolitana de Angola e funcionario do Ministério de Angola

 
 
 

Joaquim Marques

 
 

MULHERES E PAZ
Joaquim Marques

Enquanto homens se guerreiam
Em combates bélicos ou orais,
quem melhor que a mulher
para conseguir o que eles, homens,
conseguirão jamais!?

Só a mulher é capaz
de, ao pensar com o coração,
conseguir a Paz.

O respeito pelos direitos humanos
quase não existe!

A discriminação subsiste!

Mulheres e crianças são as que mais sofrem
com tudo isto…
E, seus direitos violados e desrespeitados
têm visto!

Numa conjuntura de “conflito e pós-conflito”,
(situações que se agravam constantemente),
os resultados maléficos que daí advêm
são devastadores para aquelas que os têm.

Para mulheres, com mais ou menos idade,
o apoio de que necessitam nunca chega
ou, se chega, já é tarde.

Mulher, que pense com o coração e lute pela Paz,
para o conseguir, de tudo é capaz!

Mulher e jovem mulher,
qualquer delas, sabe o que quer…
mas, continuam, no entanto, a serem vítimas
da delinquência ilegal…
Todavia a Lei da proteção, muita vez ignora
e deixa de cumprir seu papel principal.

Mulheres que lutam pela Paz,
enquanto “muitos” homens, acham ser “legítimo”
verem seus corpos como alvos, nos campos de batalha.
“Alguns”, consideram-nas até, “despojos de guerra”
com direito a serem entregues aos vencedores,
como qualquer troféu!...

“Mulheres pela Paz”! Lutem sempre por ela,
sem olhar para trás!

Joaquim Marques
Gaia - Porto - Portugal

 
 
 

José Alaercio Zamuner

 
 

BOLO CÓSMICO
José Alaercio Zamuner

E uma Dona de casa,
Com sua mão certeira e
Divina se pôs a fazer um bolo.

Lançou os ingredientes no
Espaço da tigela e acionou
Sua batedeira mexendo tudo.

Provou. Viu que não tinha
Gosto definido, nem forma...
Então levou-o ao forno
Sob um sol constante...

O Bolo passou a girar,
Girar em trono de seu fogo
E a tomar forma e gosto...

( Esse Bolo ainda gira constantemente em busca de sua forma final:
O diamante. Já teve seu momento de borbulho, condensação, rachaduras...)

E agora? Em que fase está,
Em torno de seu fogo?...
Está pronto para ser provado?...

– Não!...

... a Dona de casa abriu o forno,
Olhou, desaprovou, fechando-o,
sábia e silenciosamente.

José Alaercio Zamuner
Monte Sião - MG - Brasil


José Alaercio Zamuner é Mestre em Letras, Teoria Literária e Literatura Comparada, USP. Professor universitário e autor das obras, entre outras: FABULARAMA, 2014; Gêneros Literários e a Formação do Leitor, 2012 (Coautora Isabel de A. Moliterno); O Menino que se fez Pássaro, 2011, (infantojuvenil); Cantare Estórias, 2011; Ficções: Leitores e Leituras. (org. Viviana Bosi e outros, USP), 2001; Sertão Flamboyant, 1996.

 
 

 

Livro de Visitas