FÉNIX

Edição Especial "Mulheres pela Paz"

  2018

Jani Brasil - Um novo horizonte a despontar

 

 

Eliza Gregio

 
 

MULHER
Eliza Gregio

Mulher essência da vida.
Brilhante da mãe natureza
A mulher em sua sabedoria
Cria inventa, brilha junto ao homem
sofre chora, mas vai em frente.
vive para o amor, hoje
livre a buscar seus ideais
vai em frente, não tem tropeços
Tem conquistado um espaço
sua tão difícil liberdade.
Hoje mulher e feliz.
Sonha brinca trabalha
Valorizada em sua inteligência
E amada e compartilhada em seus;
momentos divino.
hoje mulher sabe o que quer.
Ser simplesmente mulher.
Eliza Gregio

Eliza Gregio
S João da Boa Vista - Brasil

 
 

 

Eloah Westphalen Naschenweng

 
 

SOMOS MULHERES
Eloah Westphalen Naschenweng


Somos profetizas entusiasmadas, feiticeiras, mulheres do nosso tempo.
Somos tenazes, muitas vezes vulneráveis, mais caprichosamente persistentes.
Somos loquazes e justas, mas manipulando e espreitando o caminho modulamos a nossa alma.
Somos sombrias e hostis às vezes, mas entre a graça e a revolta embrulhamos os imprevistos, cerramos nossas portas, abandonamos a vigília e mantemos a distância.
Somos vales obscuros, mas também auroras resplandecentes, dias livres e ensolarados.
Sem pretextos e nem desamparo, jogamos com o tempo, sabemos dividir, subtrair e somar com a vida.
Somos excessos de felicidade, arrebatadas e abrasadas, mas somos calmarias, brisas passageiras, brandas e alvissareiras.
Somos movimento, somos serenidade, somos a calma, a paz, a luz e para o improvável abrimos nossas janelas.
Somos a certeza envolvente, o sabor da emoção pura, a solicitude ampla, quase soberana e porquê não? Desafiamos o silêncio.
Somos sofredoras, belas, límpidas – eternas, ora!
A fé nos dá força, os sonhos acalanto, a vida aprendizado, o trabalho sustento, o tempo recolhe nossas asas, mas o amor, este sim, nos dá plenitude.
Somos amadas, amantes, apaixonadas, mães, amigas e companheiras - queremos bem mais do que brilhar na alma do outro.
Audaciosas, coração batendo forte, alma irradiada, remodelamos a vida quando preciso for e, sem receio, tocamos em frente.
Somos mulheres, simplesmente!

Eloah Westphalen Naschenweng
Florianópolis - SC - Brasil


Eloah Westphalen Naschenweng, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, Professora e Graduada em Tecnologia em Automação de Serviços Executivos. Funcionária Pública Estadual, aposentada da Secretaria de Estado da Casa Civil. Presidente do Grupo de Poetas Livres , Neo Acadêmica da Academia de Letras de Goiás e membro da Associação Internacional de Letras e Artes – Literarte, membro do Núcleo Acadêmico de Letras e Artes de Lisboa , embaixadora da Divine Académie Française des Arts e Lettres et Culture , membro da ALB, seccional Suiça , membro Lê Cercle des Écrivains Luso-Suisse de Géneve , membro da Civil Society Europe of Phine Arts , Acadêmica da Academia de Letras de Palhoça /SC cadeira 27 e Acadêmica da Academia de Letras de São José/SC, cadeira 8
LIVROS PUBLICADOS:
Fragmentos; 2. Relicário; 3. Além dos Fragmentos ; 4.A Dança da Vida; 5. Retalhos Poéticos; 6. Canto Solo e 7. Mosaico de Sentimentos 8. Palavras e Afetos.
Participou de 30 Antologias sendo 14 em Portugal e 2 em Paris,França
Diversas publicações em revistas e jornais impressos e online.
Recebeu várias honrarias nacionais e internacionais.

 
 

 

Elói Fonseca

 
 

COLAGEM DE VERSOS À MULHER-POESIA
Elói Fonseca

Na noite insólita de calçada imóvel
o gato verde de negros olhos
sem alma viva na minha rua.

Começa a chuva de grossos pingos
enquanto o gato já no seu canto pardo
sob a fraca luz da sala lilás
recebe o beijo do aquário rosa
e o lingerie de seda desce de sândalo
do fino cabide da mulher de renda.

Assim renasce o rio de água doce
que traz a ninfa para o amor de sal
do marinheiro de outra praça
no ar de chuva para o fim do mundo
ou voa longe pela atmosfera escura.

De olhos lânguidos no peito recosta,
num movimento lento, o beijo ardente
em almofada frouxa de tecido limpo.
Mas agora a chuva em pulos de pedras
traz o tapete branco com pontos de piche
fecho a vidraça da rua sem nome.

Os delicados dedos entorpece o senso
enfraquecido agora pelo avesso gole
e o cristal vermelho das transparentes rosas
superestima o ar com a cumplicidade dela.
Então ,na noite morna, se derramam sôfregos
entre as artérias e o suor do moço,
os beijos, a entrega, as caricias dela
psicologicamente, o refém sou eu.

Fecho os olhos não tão fechados
não viro sal, mas parte de mim
... é pedra suspensa.
Então agora eu sei: "É mais bonita a Terra
já que o Céu está bem distante.

De sorriso limpo de que tanto gosto
junto ao lambri de mogno, o piano preto
do sono profundo desperto surpreso
nas delicadas notas do Noturno ébrio.

Elói Fonseca
São Paulo - S.P. - Brasil


Escolaridade: Direito (USP) e Letras ( Fatema)
Professor, advogado, analista judiciário

 
 

 

Elza Melo

 
 

MULHER
Elza Melo

Sou um rio que passa
Um tempo de graça
Uma letra de canção
Sou estrela cadente
Pôr do sol poente
Sentimento complacente
Intensamente
Sou mato, cidade e mar
Melodia, poesia e harmonia
Um toque de alegria
Uma lágrima no olhar
Sou um dia de esperança
Um choro de criança
Um olhar de tristeza
Um momento de leveza
Sou um grito de emoção
Um carinho nas mãos
Sou tantas coisas
Mas na essência
Uma mulher.

Elza Melo
Capanema - Pará - Brasil


Maria Elza Fernandes Melo Reis é natural da cidade de Capanema - Pará, analista contábil, com formação em Economia.
É titular da cadeira nº. 11 da Academia Capanemense de Letras e Artes
Publicou em 2015 poemas na Antologia Imortalizando Pensamentos da ACLA;Participa das Antologias da Câmara Brasileira de Jovens Escritores;Publica poesias no site Recanto das Letras com mais de 6.280 leituras registradas;Publica na sua comunidade do facebook “Amor de Poesias” com um número significativo de seguidores. Secretária na Academia Capanemense de Letras Artes – no período de 2014 à 2016;Participação na coluna do Jornal de Capanema com poesias e crônicas; Participação por três anos consecutivos 2015, 2016 e 2017 na Feira Pan-Amazônica do Livro na cidade de Belém - Pará, expondo poesias nos estantes dos escritores paraenses, fazendo parte da confraria dos poetas da Academia Capanema de letras e Artes
Premiações e reconhecimentos:
Medalhas por mérito nas Antologias da Câmara Brasileira de Jovens Escritores
Classificada no 6º. Concurso Literário Pague Menos e participação na coletânea do concurso com a poesia “Sonho Meu”, instituída pela Rede de Farmácias Pague Menos;Classificada no V Concurso de Poesia “Cidade de Belém”, instituído pela APL – Academia Paraense de Letras, onde recebeu Menção Honrosa pela poesia ‘Morena Belém”.
Diploma pela participação na Antologia “Los ninos del mundo” instituída pelo Consulado de Isla Negra no Chile.

 
 
 
 

 Flag Counter

Clique aqui para ver todos os detalhes e estatisticas do site