FÉNIX

Edição Especial "Mulheres pela Paz"

  2018

Jânia Souza - Bonequinhas de Pano

 

 

Erika de Jesus Santos

 
 

PAZ
Erika de Jesus Santos

Paz? Muitos a desejam
Em uma sociedade
Onde a desigualdade
Reina e o valor apagam
Não mais as respeitam
Acha que matando a amada
Sua sede é saciada
Mas o rancor não se desfaz
É que só haverá paz
Se a mulher for respeitada

Sem esse tal de padrão
Porque você é linda sim
Vão ter que aceitar assim
Pois se não aceita um não
Aceitem nosso decisão
De querer ser aceitada
E é claro valorizada
E isso qualquer um é capaz
É que só haverá paz
Se a mulher for respeitada

Erika de Jesus Santos
Aracaju - SE - Brasil


Erika de Jesus Santos filha de Agnaldo dos Santos e Maria da Paixão de Jesus Santos, começou trajetória ainda cedo como poetisa marginal, mas somente aos 12 começou a fazer cordel, hoje aos 15 tem várias conquistas nessa área, mas jamais esquecerá de Vera e Fabiana as mulheres que acreditou nela, até quando ela mesmo não acreditava.
A autora apresentou autorização paterna para a publicação.

 
 

 

Eugênia Diana Silva de Camargo

 
 

QUE VENHA... A PAZ!
Eugênia Diana Silva de Camargo

Que venha a PAZ
Que a tanto sonhamos
E não a tristeza que nos abalou
De vidas tão jovens
Que um “beijo” calou.
Que venha a PAZ
Que tanto queremos
E não a certeza que a mãe natureza
Os filhos soterra
Pelas correntezas.
Que venha a PAZ
Que tanto pedimos
E não a miséria que tanto se faz
E o sonho de muitos
Que a droga desfaz.
Que venha a PAZ
que tanto imploramos
E não violência; pedimos clemência
Por balas perdidas
Matando a inocência.
Que venha a PAZ
que tanto rogamos
A Deus nós pedimos, com toda a humildade
Que venha... A PAZ !
Para a humanidade.

Eugênia Diana Silva de Camargo
São Sepé - RS - Brasil

 
 

 

Evandro Ferreira

 
 

DO QUE UMA MULHER PRECISA
Evandro Ferreira

Mulheres de vários jeitos, cores e personalidades
Semente jogada, tratada, esquecida ou maltratada
Expostas ao trabalho, filhos, sol e a fragilidade
Ser forte, batalhador, que gera vida no frio e calor
Aguenta o parto normal ou cesariano
Mesmo se isso lhe causa dor.

Mulher, ser de aço, sensível, mas forte que imaginamos
Saímos dela, fomos gerados por ela e alimentados por ela
Nós, homens, muitas vezes, a desvalorizamos sem perceber
Aquela que se asseia, se perfuma e fica toda cheirosa
Para abraçar, beijar, receber ou acolher o seu amado
Pode ser companheiro ou filho, pode ser estimado que virá
Ele nem percebe que ela o rodeia com o olhar

Nós, muitas vezes, somos cegos para sentir o amar
A mulher é sutil, observadora e com o coração a esperar
Uma semente que brilha e faz germinar
Dá vida ao mundo, trás vida a Terra e sabe cuidar
Sendo ou não sendo dela, não se cansa de cuidar.

Há aquelas que não podem ser mães biológicas
Mas adotam, cuidam e amam mais que muitos pais
No calor materno das suas entranhas naturais
Mulher, ser desejado, cobiçado, mas muitas vezes não amado
Não desejado, não valorizado...
E as flores? Cadê o chocolate? O mimo ou a poesia
Ou você acha que mulher aguentará sempre, sendo “vazia”?

Vazia dos seus carinhos, diálogos, afagos ou abraços
Homem, onde está sua poesia ou seu romantismo?
Não precisa ser poeta, não é obrigado saber escrever
Basta querer, para reacender o fogo adormecido
Que cada mulher trás consigo, dentro do seu ser
Um fogo respeitoso de amor para com seu único ser
Aquele que a valoriza, que a enche de prazer
Sem precisar ser promíscuo, sem precisar a desmerecer.

Afinal, ela quer apenas um amor de verdade
Quer um homem sem maldade, quer alguém para calefecer
De afetos, beijos, amor e surpresas grandiosas
Mesmo se lhe falta dinheiro, ela sabe criar
Como apenas as grandes e sinceras mulheres, podem oferecer.

E para ser grande precisa ter um homem que a respeite
Que a cada dia, diga que a ama e abrace a cada amanhecer
E que chegue cansado do trabalho sem descarregar seus problemas
Pois sua surpresa o espera a cada novo anoitecer
Pode ser seu prato predileto, sua casa arrumada
Ou mesmo, seu amor embalado e pronto o satisfazer.

Mas e você, homem? O que estás a trazer?
Já comprou as flores? Os chocolates? Fez a poesia?
Ou vai esperar que outro faça por você?
Ela o aguarda com respeito, paciência e amor
Morre um pouco a cada dia esperando você
Basta agora, sua parte, você querer e aprender a fazer!

Evandro Ferreira
Caucaia - CE - Brasil
https://www.facebook.com/evandro.rodrigues.1806


Nascido em São Gonçalo-RJ, atualmente reside em Caucaia – CE. Licenciado em Matemática e Pós-Graduado em Matemática Financeira e Estatística e em Gestão Escolar. Atua como professor, sempre trabalhando a poesia em sala de aula. Começou a escrever aos dezoito anos. Publicou os livros" Momentos Apaixonados Escritos em Poesia", “Amar com Poesia” e “Bullying, estou fora!” (infantojuvenil). Ministra palestras sobre o tema “bullying” em vários locais, além de promover recitais e rodas de leitura. Participa do Abraço Literário promovido pelo SESC de Fortaleza-CE e faz parte da ALMECE (Associação dos Escritores dos Municípios do Ceará). Foi selecionado na Antologia “Vozes Escritas” com 3 poemas; Ficou entre os 3 primeiros no IV Prêmio Radiotelegrafista Amaro Pereira de Crônicas com o texto “Lá em cima”. Participou da Bienal do Livro em Fortaleza-CE e X Feira do Livro da UEFS-BA e Programa LITERATURA no Centro Cultural Banco do Nordeste-Cariri-CE, lançando seu livro “Bullying, estou fora!”.

 
 

 

Francisco Elíude Pinheiro Galvão

 
 

ÉS...
Francisco Elíude Pinheiro Galvão

És o aceno distante
que me impõe limite no olhar...
És como o vento brando
acariciando meu rosto
mesmo sem me tocar...
És o alvorecer iluminando em mim
a mais completa inspiração!...
És como a voz que canta,
Encantando e acalentando
meus sonhos,
E sutilmente ensina-me a lição
de como se deve amar!
És poesia, soneto, sintonia...
És como uma voz sublime
que se faz ouvir num canto,
trazendo-me bonança, alegria,
Num perene bem-estar doce e sereno,
Como se fosse
O misterioso azul do mar
Num aceno,
Convidando-me a navegar!...

Francisco Elíude Pinheiro Galvão
São Vicente - SP - Brasil


Francisco Elíude Pinheiro Galvão, Poeta, natural do Rio Grande do Norte, autodidata, Membro Efetivo da Academia Vicentina de Letras, Artes e Ofícios e Acadêmico Honorário da Academia Boituvense Letras e Artes na cidade de Boituva(SP), , Membro do Grupo Literário "Poetas Vivos" de Santos(SP), Embaixador Universal da Paz pelo Cercle Universel Des Ambassadeures de La Paix -Suisse/France. Participações em diversas Antologias Poéticas no Brasil e Exterior; participações em diversos Concursos Literários(com premiações); participações com Poemas emRevistas Literárias pelo Clube dos Escritores de Piracicaba(SP), Caderno Literário(com Poesias) pela Editora Pragmatta(RS)-Brasil(...)

 
 
 
 

 Flag Counter

Clique aqui para ver todos os detalhes e estatisticas do site