FÉNIX

Edição Especial "Mulheres pela Paz"

  2018

Rozelene Furtado Lima - MULHER NO BALANÇO

 

 

Maria da Fonseca

 
 

CANÇÃO TRISTE
Maria da Fonseca

Depois da chuva, eu seguia
Apressada, saltitante.
Levava também receio
Da tempestade distante.

Porém, como por encanto,
Ergueu-se no espaço a voz
De uma estranha mulher,
Cantando pra todas nós.

Uma bela melodia
Soava no ar lavado.
Era apelo dolorido
Dum coração magoado.

“ Dê-me trabalho, Senhora,
Que eu não quero roubar…
Tenha dó desta infeliz,
Preciso de trabalhar.”

Dotada de dom sem preço,
Encheu de magia a praça,
Provando assim possuir
Algo mais do que a desgraça.

À procura de moeda,
Eu, no bolso remexi,
De muito menor valor
Que o momento que vivi.

Ao passar pela mulher,
Estendi-lha, envergonhada,
A magia da canção
A perder-se, perturbada…

Maria da Fonseca
Lisboa - Portugal
http://poesiadanatureza.blogspot.pt

 
 

 

Maria da Glória Jesus de Oliveira

 
 

QUERO ASSIM
Maria da Glória Jesus de Oliveira

É no serenar das ondas que deslizo
Acalmo a alma e encontro o que preciso
Ando perdida no escaldar do asfalto
Quero vagas de mudança para dar um salto
Já andei lenta, já corri estafada
Busquei horizontes e não vi nada
Plantei boas sementes e colhi joio
Busquei socorro e não tive apoio
Quero marulhar meus olhos cansados
Navegar em barcos destroçados
Sabendo que somente eu serei capaz
De encontrar, no meu eu, a esperada paz.

Maria da Glória Jesus de Oliveira
Porto Alegre - RS - Brasil

 
 

 

Maria Elena Espinosa Mata

 
 

GÉNESIS
Maria Elena Espinosa Mata

En tu vientre
palpita el fruto del primero orgasmo.
Laberinto de ensueño:
la madeja comienza el recorrido.

Labios de azúcar
tus pezones tornan suculentos.

Murmurantes se mecen los fluidos en el cosmos febril.
Desnudas redondeces fructifican.

El globo placentario
la primigenia célula amamanta.

Maria Elena Espinosa Mata
Mante Tamaulipas - México


Maria Elena Espinosa Mata (1954) nace en Cd. Mante Tamaulipas (México), Es Lic. en Educación Primaria por la Universidad Pedagógica Nacional. Ha sido integrante de Talleres de Creación Creación Literaria y ha tomado el Diplomado en Literatura del Noreste auspiciado por el Centro Regional de Información, Promoción e Investigación de Literatura del Noreste en Monterrey N.L (CRIPIL) (2009). En el 2006 publicó el poemario Taciturna Luz Edit.PRAXIS. Ha sido antologada en Mujeres Poetas de México de Edit.Atemporia y en Bitácora de Voces del ciclo Verso Norte 2011.

 
 

 

Maria Goret Chagas

 
 

PAZ NA ALMA DA MULHER!
Maria Goret Chagas

A alma feminina é uma metáfora da paz,
voa como uma pomba branca.
Pousa em corações
Que anseiam por momentos
calmos, sem ódio!
Ali faz seu ninho, espera...
o momento certo.
Ama, fortalece e reproduz!
Gera luz, brilho incandescente que ofusca a guerra.
Faz surgir a grande bandeira branca
Que acompanha o movimento do vento,
Levando para longe a dor.
Restando apenas uma ausência de perturbações!
Uma plenitude!

Maria Goret Chagas
Franca - SP - Brasil
www.artgoretchagas.com
https://www.linkedin.com/pulse/article/new?trk=prof-edit-posts
https://www.flickr.com/photos/124057197@N05/
https://twitter.com/
https://pt.wikipedia.org/wiki/Maria_Goret_Chagas
www.instagram.com/goretchagas
https://www.facebook.com/mariagoretchagas.chagas


Maria Goret Chagas, graduada em Letras, Educação Artística e Semiótica.
Atua como artista plástica, escritora e palestrante motivacional em empresas, eventos em geral.
Ama pintar flores em aquarela e acrílica com a boca e os pés – APBP/Brasil
Pertence à Associação dos Pintores com a Boca e os Pés com obras premiadas e reproduzidas no Brasil e exterior, menções honrosas, medalhas e troféus no Brasil.
Livros publicados: biográfico, inclusão infantil, coautorias em motivação, superação e liderança, Editora Leader

 
 
 
 

 Flag Counter

Clique aqui para ver todos os detalhes e estatisticas do site