Fevereiro de 2017

Ano VII - Número XLV

 

 
 
Rozelene Furtado de Lima
 
ACESSO DE RISOS
Por Rozelene Furtado de Lima 

Humberto e Rutinha seguiam em viagem de lua de mel e relembravam como se conheceram: - Ela saía do cinema e escorregou em um daqueles saquinhos de batata frita. Caiu sentada, deu um carrinho por trás em Humberto, que caiu em cima dela. Foi tudo tão rápido que só tiveram tempo de rir da situação. Ele levantou-se, ajudou-a a se recompor, entreolharam-se e continuaram a rir. O acesso de risos dos dois só parou quando ele convidou-a para tomarem alguma coisa. Chegaram ao bar, pediram ao mesmo tempo: - água, por favor. E as risadas recomeçaram. Ele anotou o número do celular de Rutinha e cada um seguiu seu caminho.
Rutinha não podia lembrar o fato, que caía na gargalhada. Gargalhava no ônibus, na praça, no banho, na fila do banco e às vezes a mãe dela ia ao seu quarto ver o que estava acontecendo para tanto riso. No trabalho tinha muita dificuldade para controlar os ataques de risos.
Uma pessoa em posição de gargalhada ergue os braços com as mãos em concha, abre a boca sorvendo as bem aventuranças que vem de cima, depois se curva em posição de reverência e assim sucessivamente. Uma luz magnética é irradiada e circula cinturando numa alquimia ruidosa e contagiante.
Dois dias depois Humberto ligou convidando Rutinha para dar uma volta. Encontraram-se, conversaram e foram ao cinema. Tiveram que sair no meio do filme porque os dois foram atingidos por forte acesso de risadas.
Foi tanto riso que passado um ano o namoro chegou ao altar.
Ela trabalhava como auxiliar de enfermagem e ele era graduado em Farmácia. Havia um entendimento perfeito entre os dois, tudo terminava em risos.
Alugaram uma casinha num lugar lindo, com vista maravilhosa para o poente. Um vale entre montanhas. Pássaros e muito verde. Dormiam com o tamborilar da água do riacho e acordavam com o cantar dos sabiás. A felicidade era tanta que escorria pelos olhos, absorvida e saboreada na boca e depositada no coração. O riso vivia dentro deles como pipoca que estoura em panela tampada. Os dois eram o símbolo da alegria. A vizinhança comentava o casalzinho apaixonado que morava na parte mais alta do vale.
Eles faziam planos para terem um filho no próximo ano.
Nas terças-feiras, Rutinha fazia um plantão de trinta horas. Saía de casa pela manhã e só regressava na quarta-feira no final da tarde. Humberto chegava sempre às vinte horas, trabalhava em uma grande drogaria da cidade.
Uma colega de Rutinha pediu para trocar o dia do plantão, porque iria viajar no final de semana e não chegaria a tempo do trabalho no domingo.
Ela eventualmente folgou na terça-feira. Humberto saiu para o trabalho e Rutinha teve vontade de ficar preguiçosamente na cama. Um pássaro pousou no beiral da janela, cantou um trinado alongado e voou. Ela sentiu uma forte emoção, um aperto no coração e não teve vontade de rir. Chorou muito. Pensou... - Se Humberto estivesse aqui essa tristeza não teria coragem de entrar. Aguardava ansiosa a chegada do companheiro.
“Um dia sem acabamento, é aquele dia em que não se riu não se dançou e nem se dedicou um tempo para o amor”.
À noite, quando o marido chegou, um jantarzinho esperava à mesa. Tomaram um vinho e como começasse a chover torrencialmente com relâmpagos e trovões, resolveram desligar a televisão. Rutinha pegou o álbum de casamento e foram rever as fotos. E inevitavelmente, muita gargalhada. Emoções precisam ser externalizadas em explosões de gritos, choros, danças, aplausos, risos, gargalhadas, energias represadas tornam-se fortes e incontroláveis.
O som do riacho aumentou muito, repentinamente a luz elétrica foi cortada, os relâmpagos iluminavam a casa. Era quase meia-noite. Olharam pela janela da varanda, reinava a escuridão, o vento assobiava, o riacho corria mais rápido do que de costume fazendo um barulho ensurdecedor como estivesse fugindo desvairado. Muito perto via-se riscos grandes no céu e o estrondo dos trovões. A casa tremia. A luz voltou. A casa continuava a tremer como que a pedir socorro. Abraçaram-se fortemente, fizeram amor, amor louco, apaixonado. Por alguns momentos desligaram-se da terra e atingiram a paz angelical. A escuridão voltou. Sentiram medo.
Ela estendeu o braço e encontrou o álbum de fotos. Ele alcançou o celular e ligou para os pais, que moravam em outra cidade. Comentou que chovia forte e que eles tinham acabado de vê-los nas fotos do casamento. Ouviu-se um forte estouro, a ligação foi cortada.
Dois dias depois, uma equipe de resgate conseguiu chegar ao local. Tudo estava destruído, paisagem desoladora, nenhuma casa, só destroços, corpos espalhados entre pedras enormes, árvores arrancadas pelas raízes e poucos sinais de que algum dia ali tinha sido um bairro lindo. Uma tragédia imensurável! O riacho tornou-se um corpulento rio e serpenteava com dificuldade na paisagem tétrica. Pássaros calados. O silêncio soluçava com alguns sobreviventes feridos.
Um pouco afastado, encontraram um casal vestido de lama, abraçadinhos para sempre. A imagem dos dois formava um cálice em ofertório à Mãe natureza e próximo a eles um álbum enlameado de fotos irreconhecíveis.
Os dois pareciam sorrir.
 


NEM PONTE NEM RIO
Rozelene Furtado de Lima

Não quero ser só ponte
Um centro de ligação
Na monotonia da observação
Quero ser também rio
Que pula pedras e desvios
Seguindo sempre em frente
Viver livremente
Na mão dupla do encontro
Quero servir de encanto
No meio do ponto
Do lado esquerdo
Do lado direito
Dentro e fora do leito
Andar sobre as águas
Lavar as mágoas
Nadar na corrente
Sentir o frio e o quente
Ora como uma ponte
Ligando céu e horizonte
Ora como um rio
Calmo ou bravio
Nesta grande viagem
Dando passagem
No meu tempo voador
À vida e ao amor

Rozelene Furtado de Lima
Teresópolis – Rio de Janeiro – Brasil
www.rozelenefurtadodelima.com.br

 
 

 

 
Ruy Serrano
 
PORQUE SIM E PORQUE NÃO
Ruy Serrano 

Vivo na dúvida, se sim ou não
Vale a pena viver,
Num permanente entardecer,
Com palpites do coração.

Coração que bate mais lento,
Com o meu sofrimento,
Por teres deixado de me amar,
Sem eu nunca me queixar.

Queixar é verbo que não aprendi,
Troquei-o por amar,
À tua beleza resistir não consegui,
Desejo o meu de te beijar.

Beijar já não sei,
Porque sim e porque não,
Não sei a razão,
Das lágrimas que derramei.

Derramei tanto e tanto,
Afoguei-me nas tuas lágrimas,
Parto deste Mundo,
Com o coração dorido de pranto.

PORQUE SIM E PORQUE NÃO,
VOU PARTIR COM A TUA VISÃO

Ruy Serrano
Tomar - Portugal
 

 

 
Sanjo Muchanga
 
TE ESCREVO
Sanjo Muchanga 

Te escrevo
Com a mesma
Mania de achar
Em ti os versos
Que te encante.
Te escrevo
Na esperança
De te amar
Como o próprio
Verbo amar
Te escrevo...

Sanjo Muchanga
Maputo - Moçambique

Sanjo Muchanga, nascido aos 4 de Março de 1986, em Moçambique, província de Maputo, residente na Cidade de Maputo, funcionário Público, poeta e escritor, com participações em Antologias da Solar de Poetas, ALPAS, Colectânea Horizonte, Colectâneas Leveza da Alma, Colectânea Som de Poetas, Colectânea Palavras de Veludo, Colectânea Poetizar o Mundo, Revistas Literárias Trupe Reticencias em Versos, Folhinha Poética e Entrementes. Distinguido duas vezes pela Solar de Poetas e reconhecido pelo mérito pela Solar dos Poetas, e certificado pela Sociedade Mundial de Poetas pela participação na colectânea Leveza da Alma. É Membro e criador do Movimento Literário Ensaísta Kamubukuane. Leitor da Associação de Escritores Moçambicano, Membro da Sociedade de Direitos de Autores – SOMAS
 

 

 
Sergio Oliver
 
CORRO...
Sergio Oliver 

Corro entre redemoinhos,
Me apago em meio a poeira.
Meus pés descalços, sangram.
A luz do tempo, clareia,
Meu corpo despido, se esconde.
Da grandeza dos olhos alheios,
Minha casa fica, não sei onde.
O mundo que com o tempo semeia,
A planta que cresce nos montes,
Os montes de gente perdida.
As águas que molham a face,
A mesma que cura a ferida,
A mesma que com o tempo se acaba.

Sergio Oliver
Maceió - Al - Brasil
 

 

 
Sidnei Piedade
 
O AMOR
Por Sidnei Piedade 

O amor é a luz que ilumina o mundo , derruba barreiras, move montanhas é envolvente e sedutor conquistando tudo e unindo os amantes a eternidade...que o digam Romeu e Julieta. Quando a gente ama o coração acolhe sem pedir nada...pois é incontrolável nossos sentimentos, eles não tem regras, apenas ama . O amor é o mais belo sentimento orvalhando em cada um de nós com seu silencio uma gota de eternidade , a força da imaginação , o perfume que em nossa alma penetrou , a felicidade que chegou...pois em nosso pensamento sempre vai estar. Giro em torno de sua vida...pois você está em mim , eu sou o amor , o prazer que confunde com a dor , um sentimento que domina a realidade que entrou em sua vida. Quero mostrar ao mundo quem sou , sem mim não há sentidos e suporte para viver , deixem que as estradas e os atalhos cheguem até mim...pois entre o infinito eo instinto somos apenas um...o amor.
Sidnei Piedade
Assis - S Paulo - Brasil