Abril de 2017

Ano VII - Número XLVl

 

 

Cláudia Farias

 
 

CÁRCERE
Cláudia Farias

Meu coração prisioneiro
canta e se encanta, alheio
às condições da clausura.

Canta em verso, canta em prosa,
canta até aroma de rosa.

Libertar-lo por que?
se é um prisioneiro feliz
no cárcere de um amor verdadeiro.

Cláudia Farias
São Gonçalo - RJ - Brasil

 
 

 

Cláudio Dortas Araújo

 
 

PRESENTE D´AMOR!
Cláudio Dortas Araújo

Em cada canto do recanto
Do meu encanto, encontro quase sem perceber
Reflexos nítidos da tua presença.
E te senti mesmo antes da Tua Vinda!
Minha imaginação já antevia a Delícia de Ser
Que seria gerado no Útero do Meu Amor.
E Foste concebida... com a Aquiescência, todo o Amor
Existente e pronto para te dar.
Vivi como ninguém jamais viveu, todos os meses
Em que estavas sendo gestada, conversava...
O meu coração e o Teu.
Hoje estás materializada na Beleza que
Sempre “surgia e surge” toda vez que olho para você.
Se olho para quaisquer lugar “desse meu mundo”,
Percebo traços nítidos da “tua delicadeza”,
Dos brinquedos que enchem de encanto
Teus lábios, nesse sorriso lindo que amo profundamente.
Agora te imagino vivaz, a lutar contra o sono,
Que quer descansar teu “pequenino corpo” cheio de energias.
Teus olhos lutando em não “querer render-se”
Às sonecas “que partilhamos numa rede”, numa cadeira,
Nos meus braços amorosos “que te apertam” e te ama.
Mas crescerás como toda criança,
Menina-moça que sempre vai encantar-me...
De onde eu estiver meus olhos se encherão de lágrimas... felizes!
E serás sempre Linda,
Especial,
Terna,
Impressionante,
Cândida,
Ímpar
Amorosa.

Cláudio Dortas Araújo
Itabuna - Bahia - Brasil


O Poeta Cláudio Dortas Araújo é natural da Cidade de Itabuna, do Estado da Bahia, reside na Cidade Berço da Cultura do Estado de Sergipe, Estância. Onde nasceu o 1º Jornal O Recopilador Sergipano, desde 03 (três) meses de vida. É Autor dos Livros de Poesias: Horizontes de Liberdade e Fé(1999), Estrada de Infinito e de Paz(2001), Alumbramentos D´Alma(2010), Belvedere de Nostalgia e Amores(2017) - Antologia 3º Encontro Canindeense de Escritores e Convidados(2016) - Encontro Sertanejo de Escritores(2016) - Antologia Nacional Talento Poético(2015) I Antologia dos Escritores Aracajuanos e Convidados(2015) - I Antologia Poética de Sergipe Poetizando A Vida(2015) - 20ª 23ª e 24ª Antologias Virtuais LOGOS da Fénix(2016) - Antologia Poesias Sem Fronteiras(2016) - Revista Virtual Eisfluência (2016/2017) - 100ª Antologia Beco dos Poetas(2016) - Antologias Virtuais O Colecionador de Poesias e Orquídea Selvagem (2016) - Grupo Poemas do Brasil(2015) - Revista Criticartes (2016) Grupo Artistas do Brasil(2015) - Grupo Café Poético & Sarau(2015) - Antologia Asas da Liberdade, "Desde o Brasil até o Chile em Verso e Prosa(2013) - Antologia 4.ª Seleta dos Escritores Sergipanos (2016) - Revista dos Escritores de Piracicaba S/P(2016) - Antologia Nacional "Poesias Encantadas", Vol. I(2010), Vol. IV(2012), Vol. VII(2014) - Colaborador da Imprensa Escrita do Estado de Sergipe e Além Fronteiras(1982/2017) – Sócio e Fundador do Clube dos Poetas Estanciano, Entidade Utilidade Públicas Municipal e Estadual, Leis: 819/1991, e 8.092/2016, Fundado em: 24 de Fevereiro de 1991.

 

 

Clevane Pessoa de Araújo Lopes

 
 

LIÇÕES DE CONQUISTA AMOROSA...
Por Clevane Pessoa de Araújo Lopes


A beleza está bem ao alcance das mãos...Você pode parecer belo se realmente acreditar que o é, mesmo que não responda aos padrões usuais Há uma beleza única: a que engloba tudo de você.Não tenha nunca medo de ser.Somos amados apesar de ,somos amados COM.Com nossos olhos e pés.Nossa voz e biótipo.Nossa boca e cheiro.Nossos gestos.Nossas preferências Ninguém, é desamado “porque”, uma vez que o AMOR não é seletivo dessa forma que aponta preferências.O Amor corresponde a uma verdadeira cascata bioquímica que elege alguém para nosso foco.A esse caldo energético, somam-se certas qualidades,certas perfomances, um algo que não se sabe bem como nem porque, que nos atrai,prende,anima,encanta, motiva.
Dentro de nós, temos padrões que abrem-se quais botões de flor ao sol.Talvez os olhos azuis da babá, o sorriso de uma professora,a voz de uma vizinha, a cor de um coleguinha.Padrões de simpatia e empatia que vamos arquivando ao longo dos tempos.E oposto ocorre também, o que justifica as súbitas antipatias,os desafetos, afastamentos.Quantas mulheres correm às léguas de homens ciumentos, porque o pai delas, fazia-lhes a mãe sofrer? As atitudes positivas ou negativas, portanto também fazem o acervo das coleções.
É provável, porém que alguém seja muitíssimo atraente para você, mas não se pareça com ninguém significativo.Pelo menos, que você possa lembrar, correlacionar. Mas será que suas leituras, sonhos, desejos,não fizeram em você, a necessidade de uma criatura, a imagem desse ser idealizado? É assim que os príncipes encantados e as sereias ocupam nosso imaginário...Ao depararmo-nos com alguém semelhante, ou pelo menos com alguns traços dessa criatura fruto de nossos anseios,sentimo-nos tomados de paixão, esse turbilhão que literalmente, faz enlouquecer as pessoas de desejo.E é bom lembrar aqui que a paixão é uma espécie de caça ao objeto desejado.Muitas vezes, basta que a alcancemos, para que o desinteresse se instale.Os homens são mais sujeitos a essa atitude de caçador.De posse do objeto, saciado,é bem capaz de total desinteresse,por isso algumas mulheres se sentem “uma fruta cujo bagaço é lançado fora, após ser saboreada”, um, “cigarro cuja guimba é jogada fora depois do prazer das tragadas necessárias ao prazer”.
A beleza tem a ver com um somatório de traços que tornam o Ser único, entre outros seres.E é preciso saber que é belo, que potencialmente pode ser ainda mais belo:ter confiança em si mesmo, a segurança sendo um verdadeiro passaporte para os caminhos da conquista amorosa...Há que se colecionar qualidades,boa conversa, esta em geral conseguida com boa leitura,gentileza,capacidade de gentileza, de reinventar a vida: a criatividade-e não só na cama, afasta um dos fantasmas do convívio amoroso, a rotina. Bom humor conta muito tempo, adaptatividade, lealdade, companheirismo, cuidados corporais e mentais (bom hálito, bom odor corporal, hábitos de higiene saudáveis,além de outras estratégias como hidroginástica, massagens, bronzeamento, boa alimentação, ausência de vícios)...A pessoa que sabe abrir um sorriso acolhedor, ganha com mais facilidade amigos, amores.
É importante também não deixar de ser autêntico para agrada ao outro.Afinal se houve um ponto de partida, foi você mesmo e não outra pessoa...
Pense nisso...

Clevane Pessoa de Araújo Lopes
Belo Horizonte - Brasil
http://clevaneplopes.net/blog.php


Membro da REBRA_Rede Brasileira de Escritoras. Representante do Movimento Cultural aBrace-Brasil;Uruguai. Vice Presidente do Instituto de Imersão Latina-IMEL.Embaixadora Universal da Paz -Cercle de Ambassadeurs Univ.de la Paix-Genebra, Suiça,
Consultora de Cultura da Associação Mineira de Imprensa-AMI.Membro da Rede Catitu de Cultura; do virArte, da ONE, da SPVA/RN, da CAPORI, da APPERJ,e do PEN Clube de Itapira. Colaboradora da ONG Alô Vida. Membro Honorário de Mulheres Emergentes. Divulgadora e Pesquisadora do MUNAP_Museu Nacional da Poesia. Dama da Sereníssima Ordem da Lyra de Bronze. Acadêmica da AFEMIL-Academia Feminina de Letras; da ALB/Mariana; Acadêmica Correspondente da ADL, ANELCARTES, ATRN, AIL, ALTO, da Academia Pre-andina de Artes, Cultura Y Heráldica; Academia Menotti del Picchia

 

 

Delma Gonçalves

 
 

MOMENTOS AFLITOS
Delma Gonçalves


Estou só… mergulho no caos do inconsciente…
Sinto-me transparente. Descubro vestígios de mistério da minha própria imagem
Refletida no espelho da vida.
E tudo é silêncio… ausências…
Sonhos em perspectiva se enfileiram por caminhos desertos.
Onde os meus passos vacilam na intimidade dos segredos que gradativamente se desvendarão.
Pressinto a solidão responsabilidade que tenho que assumir na medida em que encontro a minha independência.
Na continuidade do instante só sinto-me na plenitude de um limitado tempo.
Traduzir o silêncio em palavras é como atrair para si o início da liberdade.
Minha consciência fica em estado sensível.
Fecundo a semente do amor no terreno vazio, onde só existiu desamor.
Preciso da paz de alguém…
E fazer da lágrima a gota d’água para formar um mar de sorrisos.
Sozinha enxergo restos de mim… de você… do mundo…
Ainda acredito no valor do ser humano.
Sem medo do amanhã procuro comunicar-me com a natureza e me vejo assim:
Com o sorriso de sol e cabelos de lua, com o espírito do amanhecer
E dom poético do anoitecer nas ruas.
Penso na existência de uma canção íntima explodindo em minhas sensações.
Quero relacionar-me com a realidade da vida. E não viver mais de ilusão.
Preciso mostrar minha sensibilidade, identificar pedaços de mim
A parte oculta de um ser que vive inspiração num canto infalível das minhas emoções.
Quero fazer do vazio um lugar bonito para acolher solitários, como eu
E transformá-lo em momentos magníficos de magia…
Um alento aos descrentes… e ateus.
Quero despertar meus mais recônditos sonhos em instantes felizes
E mostrar minhas raízes… minha verdade se puder. E assim gritar ao vento:
- não estou mais só!
Pelo simples fato de conhecer por dentro, os momentos aflitos de uma mulher!

Delma Gonçalves Mattos da Silva
Porto Alegre - RS - Brasil
delmacompositorablogspot.com.br
www.facebook.com/delmagoncalvesmattos

 

 

Deodato António Paias

 
 

POEMA SOBRE O DIA DA NÃO VIOLÊNCIA
Deodato António Paias

Haja mais paz na escola
Não está a ser frequente
Tudo passado da bola
Até crianças infelizmente.

A temática da violência
Está na escola arruinada
Tenham mais paciência
Nunca andem á chapada.

Mantenham os valores
O respeito e cooperação
Não pratiquem horrores
Nem criem complicação.

Devem de ser capaz
Manter a solidariedade
Não à violência sim a paz
Vivência em sociedade.

Não sejam mal-educados
Não pratiquem agressividade
Estudem para os resultados
Façam uso da lealdade.

O bullyng uma realidade
Em Portugal e no Mundo
Uma grande infelicidade
Que na dor será profundo.

Este dia foi inventado
Pelo poeta espanhol afinal
Lourenço Vidal… coitado…
Em 1964 tudo era normal.

Deodato António Paias
Lagoa - Portugal