Abril de 2017

Ano VII - Número XLVl

 

 

Mauricio Duarte (Divyam Anuragi)

 
 

A NATUREZA DA POESIA
Mauricio Duarte (Divyam Anuragi)

O poema é como um esplendoroso
Amanhecer: pode brilhar muito,
Mas não é tão forte e tão poderoso
Quanto o meio dia e, em tal fortuito
Esquecimento, nos dá alegria...

O poema é como o nascimento
Encerra em si mesmo potência
Máxima de todo o seu momento,
Em uma tal vontade, sem carência,
Que é luz, mil raios, extasia...

O poema é como uma floresta,
Todas as suas espécies tem seu valor:
Se uma só perecer, cai, nada resta;
E é assim porque foi feita com amor
Pelo Criador que tanto bem queria...

O poema é como uma onda alta,
Vai bem acima, mas no fim tem
Que descer, trazer do mar a malta
Dos marulhos na areia, porém quem
Diria ser, sim, menos do que poesia...?


(Esse poema participou do evento Apogeu Poético na modalidade Moderno com o tema Natureza no âmbito da Academia Virtual de Letras Antonio Aleixo, que eu, Mauricio Duarte, sou membro, tendo como Patrono Paulo Coelho na Cadeira 18.)
 

Mauricio Duarte (Divyam Anuragi)
São Gonçalo - RJ - Brasil
http://arte-enlevo.blogspot.com.br/
http://www.recantodasletras.com.br/autores/mauricioduarte


M
auricio Duarte é artista visual, ilustrador e escritor. Possui Bacharelado em Desenho Industrial, Programação Visual pela Escola de Belas Artes da UFRJ. Também terminou o curso de Web Design no SENAC de Niterói e o curso de Produção Textual com a poetisa Maria Regina Moura na Editora Canteiros em Maricá. Pós-graduado em Docência do Ensino Superior (lato sensu) pela Universidade Católica Dom Bosco pelo Portal Educação. Teve poemas premiados relativos ao 2o. lugar no 12o. Prêmio Nacional de Poesia - Cidade Ipatinga no âmbito do 14o. Circuito de Literatura do Clube de Escritores de Ipatinga 2015. Foi selecionado para publicação na coleção Sementes Líricas com o livro de bolso Vozes que calam . poesia em Concurso da Editora Literacidade do Pará. Foi premiado pela ABD com medalhas de prata e de destaque concernentes a sua participação em salões de arte e literatura como poeta. Membro correspondente da Academia de Letras de Teófilo Otoni. Membro da Sociedade de Artes e Letras de São Gonçalo. Membro da AGLAC (Academia Gonçalense de Letras, Artes e Ciências).

 
 

 

Meire Pérola Santos

 
 

DNA
Meire Pérola Santos

Meu DNA tem por nome amor.
Fui feita a base de amor respiro amor.
Tudo em mim exala amor.
Tudo que tenho foi feito com amor.
Meu DNA já diz amor.
Tudo em meu ser leva teu nome.
Não posso mudar e nem calar.
Tenho que falar que eu fui feita pra amar.
Tu és a razão do meu amor.
Nunca vou calar sou amor por inteira.
Estou aqui pra amar você.
Mesmo que você nunca perceba.

Meire Perola Santos
Ferraz de Vasconcelos - SP - Brasil


Meire Pérola Santos - Alagoana residente em São Paulo. Acadêmica na Academia de letras AMCL. Patrono: Stephane Mallarmé
Cadeira: 76
Meu lema: Amar simplesmente Amar.

 

 

Merlin Magiko

 
 

QUANTAS VEZES...
Merlin Magiko

Quantas Vezes,
Esperei ouvir o seu som,
Que tocasse tão alto,
Era tão bom...

Do outro lado da linha
Tua voz, suave...
Sem entraves ou entrelinhas,

Quão gracejante era sentir-te
Tão perto, mas enfim...
O tempo matou a saudade da alma,
Inconformada, espero-te na alvorada,

Talvez estejas a ligar de novo,
Mas não ouço tocar,
Surge aquele sono,
Então só devo estar a delirar,
Não ouço chiar,
Só devo estar a imaginar...

São coisas da minha cabeça,
Ai, se o tempo não tivesse pressa,
Sim, coisas de longas datas,
Não ligues, não que eu seja chata(o),

Mas, bate sempre aquela ânsia,
Que nem o tempo sabe explicar...
Talvez um dia, quando o silêncio,
Souber falar...
E o vento parar de bafejar (…)
Sentir-te como antigamente,
Pois era tudo diferente

Merlin Magiko
Ingombotas - Luanda - Angola
facebook: https://www.facebook.com/Merlin-Magiko-Writer-1504917999766915/
http://www.recantodasletras.com.br/autor.php?id=127289
http://palavrazsoltaz.blogspot.com/

 

 

Michela Rangel de Deus

 
 

SONHOS ADORMECIDOS
Michela Rangel de Deus

Pergunto-me todos os dias até onde essa angústia vai
Pergunto-me todas as semanas até onde essa dor vai
Pergunto-me todos os meses até onde meus devaneios irão
Pergunto-me todos os anos até onde meus sonhos esquecidos ficarão

Dias, semanas, meses e anos imersos no meu desespero
Escondidos no meu medo
Obscuros na minha dor ¨

Michela Rangel de Deus
Taubaté - São Paulo – Brasil

 

 

Mila Lopes

 
 

EU
Mila Lopes
 

pintura da autora


Levito em nuvens suspensas
a música que ouço acaricia-me
e beija-me a mente
sou um ser que vagueia no meu mundo
onde o tempo passa de repente.

Eu sorvo pensamentos enquanto pinto
assim sinto-me, bem sinto-me gente
sou eu e os meus sentimentos
e visto-me dos mais belos pensamentos.

Alimento-me de sonhos e fantasias e momentos
e todos os instantes são caricias na minha vida.

Olho e vejo a recompensa de mais um dia
e esboço um sorriso.

E penso! Será que fui eu quem pintou?
Sim! Fui eu mas alguém a minha mão guiou.

Em cada tela que pinto eu sinto amor eu sinto luz
são sentimentos que saem da minha alma.
E canto um hino á vida de gratidão
por mais dia vivido com grande emoção.

(Poesia e pintura de minha autoria)

Mila Lopes
Castelo Branco - Portugal