Junho de 2017

Ano VII - Número XLVII

 

Dalton Luiz Gandin

 

 

BAILE
Dalton Luiz Gandin

Chego. Tudo parado.
Sem música, sem canto.
A mesa, as garrafas
e mais eu lá num canto.

Algo dá nos ouvidos,
se quebra no salão.
Será que foi de vidro
ou foi meu coração?

Os meus olhos parados.
Nem música de agito
e nem dançar colados.

A minh'alma calada,
a mesa e as garrafas.
Canto vazio de nada.

Dalton Luiz Gandin
São José dos Pinhais - Paraná - Brasil


Professor de Filosofia / História da Secretaria de Estado da Educação do Paraná desde 1986. Atualmente aposentado. Escreve poesias desde 1976. Recebeu os prêmios de Literatura: “Literatura Leopoldo Scherner", 2010 , 2015 e "Servir com arte", 2011. Tem dois livros publicados: "Caminho em verso", pela Editora Gráfica Popular, 2007 e "Curta poesia", pela Gráfica Editora Apta, além de outras produções e parcerias musicais a exemplos de: Chegada ( Oza Ventura e Dalton Luiz Gandin); Lúcifer (Oza Ventura e Dalton Luiz Gandin) ; Por um axé ( William Schranne e Dalton Luiz Gandin); Viola de Palha ( Rubens Nunes Pires , Oswaldo Rios e Dalton Luiz Gandin) ; Canção do Vento ( Max Gasperazzo e Dalton Luiz Gandin) ; Saudade que me machuca ( Luiz Mello e Dalton Luiz Gandin). e Com Tica com verso ( Rubens Nunes Pires e Dalton Luiz Gandin) Atualmente mora em São José dos Pinhais, cidade da região metropolitana de Curitiba (sua terra natal) / Paraná - Brasil.

 

 

 

Dayvton Almeida (O Ser Poeta)

 

 

QUANTO VALE UMA PALAVRA?
Dayvton Almeida (O Ser Poeta)

Quanto vale uma palavra?
Vamos por peso, tamanho e comprimento nelas.

Quanto vale uma palavra para mulher que e refém do medo,
aquela que gritou por anos sem liberdade ou para mãe que ouviu
as primeiras palavras do filho ainda menino, ou do surdo que ouviu
as primeiras palavras aos 30 anos?

Quanto vale uma palavra para os irmãos e irmãs de raça, gênero ou religião que sonham em ser livres?
Quanto vale uma palavra?
Quanto vale uma palavra?
Uma vez que a história se repete, de novo, de novo), de novo, de novo.... e nada é novo!

Quanto valeram as palavras de malcolm x, George, Mandela, Gandhi, Nietzsche ?
Quanto valeram as palavras de Hitler, Napoleão, Calígula, Raposa (Ljubomir Kerekes)?
Quanto valem minhas palavras agora?
Ei é uma pergunta?
Quanto valem minhas palavras?
Agora com o silêncio quero a resposta!
Sim com o silêncio, Pois tem horas que quem vale mais
é o silêncio ou as palavras mal ditas?

Dayvton Almeida (O Ser Poeta)
Cidade Do Moreno - Brasil


Autor, radialista, ator e diretor de teatro. Nasceu no Bairro de Casa Amarela, em Recife, mora atualmente na cidade do Moreno, onde é membro fundador da Academia Morenense de Letras e Artes (AMLA) e correspondente da Academia Luminescência Brasileir .
É estudante de Psicologia, com dez livros publicados pelas Editoras Clube de Autores, Poesias Escolhidas e SANTmel
Em comemoração aos seus vinte anos trabalhando com as artes foi o homenageado no carnaval morenense de 2014.

 

Dé Barrense

 

 

CHIQUINHA - Prosa Poética
Dé Barrense

ó chiquinha deixa essa vida minha
só me diz onde tu tá
que daqui mando pra lá
um botão de rosas
e um laço de fita prô cê marrar.
mulher valente feito um cão
porem nascida no sertão
donde não teve criação
valente por natureza filha de lampeão
pois deixou nas imporesas
o sangue do seu coração
em noite de lua cheia
tinha medo de assombração
dos causos deste castelo
contado pelo véio joão.
assim dizia os antigos
que em noite de trovão
chiquinha me aparecia
como se fosse um barrão.

Edeilton Do Santos - Dé Barrense
Cidade da Barra – Bahia - Brasil
http://www.facebook.com/edeilton.d.santos


Edeilton Do Santos - Dé Barrense É citado no 1º Dicionário de autores Baianos, 2006 – SECULT – BA, Obra inspirações de um Ribeirinho LIVRO POEMAS’’ Antologia - Ano 3, POESIA ‘’NA CAPITAL’’O que é que a Bahia tem? ‘’POESIA PESCADORES DE ITAPOÂ’’ Editora Litteris – Nordeste do semi árido Brasileiro POESIA ‘’ESPERANÇA ‘’ MULHERES ENTRELAÇADAS POESIA – ‘’SÓ DESCULPAS’’ Mapa da palavra - FUNCEB 2016/17 com a Poesia ‘’ SAUDADE É CANGA’’ Editora Fênix-2014 Poesia ‘’Vaca amoada’’

 

Deby Veneziano

 

 

UMA DELAS É VOCÊ
Deby Veneziano

Existem coisas que não dá para esquecer, uma delas é o seu sorriso.
Contagiante, me embriaga ,me traz paz na alma
Existem coisas que não dá para esquecer, uma delas são seus olhos.
Pura energia,repleta magia
Existem coisas que não dá para esquecer, uma delas é sua voz.
Quando ouço me faz viajar,
ao som dela amo sonhar.
Existem coisas que não dá para esquecer,
e pessoas que nunca vou esquecer.
Uma delas é voce!

Deby Veneziano
São Paulo - SP - Brasil
https://poesiaemfotografia.wordpress.com/


Amo a arte de escrever,
deixar no papel sonhos,
desejos e a imaginação voar.
Simples assim "A Mulher que Habita em Mim"

 

 

Delma Gonçalves

 

 

PLANOS
Delma Gonçalves

Descubro reflexos em teu olhar
Transporto-me a um mundo de mistério
Que capto por trás do pensamento
E faço da minha sensatez, um símbolo oculto para me proteger
Mas, penso que devo entregar-me inteira, nua de preconceitos
Absorver o fluxo deste sentimento puro e vivê-lo nas horas vazias
Quero te enfeitiçar com um só gesto... Com um sorriso
E fazer-me intima de ti…
Dar-te a profundidade dos oceanos de carinhos
E morrer no êxtase do teu contato... Extasiar-me com a tua energia
Quero a raiz dos teus segredos pra libertá-lo das dúvidas, das dores antigas
Quero envolver-me no teu riso matreiro.
Aconchegar-me de mansinho em tua alegria
Em cada suspiro que der ser bem mulher para satisfazer-te
Quero te ter inteiro, sem tabus, sem falsidade
Dar-te tranquilidade, nos momentos imprescindíveis de tristeza
Quero percorrer os caminhos da tua impulsividade
Seguir pelas ruas do pecado… em passos lentos
Envolver-te por dentro do meu corpo… do meu espírito
Fazer a tua independência perpetuar-se, na medida exata da minha liberdade
Em códigos comunicar-me através do teu silêncio…
E com palavras maliciosas sorrir com a cumplicidade dos amantes
Que só nós dois entenderíamos
Quero viver em tua vida, cada minuto que estiveres distante
Fazer da tua ausência, imagens exclusivas de ti
E imaginar na ansiedade do teu retorno flashes de visões da tua presença
Quero envolver-te com minhas garras de felina
Enjaular-te nas garras de minha paixão
E da minha experiência de vida,
Incluir-me no processo do teu amadurecimento
Na tua sensualidade, quero guiar meus mais recônditos desejos
Colocar em tua boca, mil estrelas, cálidos beijos
Úmidos como o orvalho da madrugada
Trazendo-te sensações jamais alcançadas.
Emoções que te levarão a morrer… e a ressuscitar
E pela vida a fora de mão dadas contigo caminhar
Envolver-me no teu abraço,
Para sentir as vibrações do teu corpo no meu
A arder em chamas, num fogo lento, num gozo eterno
Numa loucura desenfreada
Antes mesmo de te ter por perto meu coração aspira teu cheiro másculo
Quero sugar teu sangue e teu suor salgado
Na hora própria de um momento de amor
E mostrar o monstro que há dentro de mim
Desmascarar-me numa cena única de verdades
Quero que saiba até onde posso ir
Sem o machucar, sem causar confusão
Quero que conheça meu ego
A parte oculta onde se esconde minha razão
Quero te dar a ternura do meu lado inconsciente
A força que me faz sobreviver ciente a todos os perigos
Quero me dar toda, sem objeções até as últimas consequências
Arrancar teu coração e com o meu fazê-lo em pedaços
E soprar ao vento para não haver vestígios... Sem marcas, sem danos…
Ah! Se eu pudesse fazer tantas coisas, meu bem…
São tantos planos…
Quero apenas captar a essência que há em mim de mais puro
Para no futuro, poder dizer-te sempre:
Eu te amo!

Delma Gonçalves Mattos da Silva
Porto Alegre - RS - Brasil


Graduada em Letras (ULBRA) e Pós-graduação em Abordagem Textual (FAPA). Seus Poemas estão em várias coletâneas desde 1994. Possui músicas gravadas em estilos de ritmos variados. Participa do Sarau Sopapo Poético RS. Em 2016 gravou CD com 28 músicas em parceria com Bedeu, com vários artistas do RS interpretando suas canções e atualmente participa no cargo de 1ª secretaria
da Academia de Artes, Ciências e Letras Castro Alves de POA, gestão 2015-2019.