Agosto de 2017

Ano VII - Número XLVIII

 
 
 
 

Marlene Constantino

 
 

AH MEU ETERNO PORTUGAL
Marlene Constantino

Tantas e quantas vezes,
quis aportar em ti
num alcançável abraço.

Nutrir raízes
que em terras distantes deixei
no acenar das caravelas.

Ecoar no subterrâneo,
nas profundas e escuras tavernas
meu fado triste...

Um canto doído, meu canto...
Quantas vezes o coração
descalço de ti desviou, evadiu-se.

No embarque
e desembarque da vida
tu me destes o largo oceano,

A inspiração,
o sangue na veia
e o coração a pulsar.

Tatuou em minh'alma
o ardor, o acender
da chama dos meus ancestrais.

Ah meu caro e eterno Portugal,
um dia hei de nascer
e crescer em ti.

Marlene Constantino
São Paulo - SP - Brasil
http://www.recantodasletras.com.br/
http://www.marleneconstantino.prosaeverso.net/

 
 
 
 
 

Marta Avalos Ugalde

 
 

LA SEMENTERA DE LOS PÁJAROS
(hermanos guaraníes)
Marta Avalos Ugalde

La luna es una enredadera
que baja por las hebras de la noche
lenguas de ríos y de antiguos pájaros
sobre una multitud de sementeras locas.

Esos pájaros
que desenterraron al viejo buey de la sangre
con sus pezuñas crepitantes
van sobre las cenizas tempestuosas
preparando la exhumación de las fogatas.

¡Tu rumor es un rumor quebrado tierra mía!
¡Abre la sementera de los pájaros!
para que en la región del hombre cese el llanto
y la mordaza letal del pan amargo.

La madera de los siglos cae sobre los huesos
gota a gota,
y el tiempo elabora sus follajes de valsamos perdidos...
La luna mujerea entre las sombras
bebiendo los besos del rocío.

Marta Avalos Ugalde
Corrientes - Argentina

Poeta escritora, investigadora de historia, artista plástica, docente. investigación en historia de la música clásica, literatura universal, y bellas artes. numerosos premios ,provincial, nacional, e internacional, hasta el momento tiene editado 27 libros. dos libros en preparación , Cenizas en el Aire y Che Yvy, estudios sobre mitología guaraní, leyendas y tradiciones Correntinas.

 
 
 
 
 

Matheus Luamm Santos Formiga Bispo

 
 

VIAJAR PELO VAGO
Matheus Luamm Santos Formiga Bispo

Sentado, deitado ou em pé
Olho para o vago
O vago que nunca está vago

Sempre está cheio
De imagens, pensamentos e emoções

Vem à tona
Saio de mim
Vou ao transcendental
Apenas a matéria permanece
A alma translúcida

Volta!
Alguém me chama
Eu volto
E caio na realidade.

Matheus Luamm Santos Formiga Bispo
Capela - Sergipe - Brasil

Currículo Lattes:
http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K8310202A2
Prof. Matheus Luamm Santos Formiga Bispo; Pós-graduando em Gestão Escolar e Educação Empresarial; Graduando da Licenciatura em Letras Português e Respectivas Literaturas
Pesquisador das "Literaturas Africanas de Língua Portuguesa" e "Literatura Infantil"; Contador de histórias; Poeta, contista e cronista

 
 
 
 
 

Maura Soares

 
 

SÓ ASSIM...
Por Maura Soares

Só assim a vida se apresenta. Com o Amor não há argumentos, ou você ama ou você odeia. A indiferença não é amor, a amizade não é amor. Amor é doar-se, é estender a mão, é entregar-se à paixão, é amar a cada dia nas pequeninas coisas, nos risos mais bobos, nas mancadas que o companheiro ou companheira faz durante o dia.
Amor não é só ficar lado a lado, amor é tocar-se, é abraçar-se, é conversar sobre todas as coisas mesmo as mais bobas, as mais incompreensíveis e rir do riso e até derramar o pranto quando a tristeza bate em um dos dois sem explicação.
Amar é estar. Amar é permanecer. Amar é ajudar. Amar é amparar. Amar é desapegar-se dos bens materiais. Amar é também romper com a pessoa que se diz amar, mas que o que tinham estava se tornando em um arremedo, daí ambos vão viver outras vidas, outros amores, outras compreensões, outros olhares, outras bocas para beijar.
Amar o amor, enamorar-se do sol, da lua, do vento, da planta, do riso de uma criança, das rugas de um idoso, estender a mão ao caído, dar o anzol para a pessoa pescar, jamais o peixe para não criar pessoas sem amor-próprio, sem dignidade, sem perspectiva na vida.
Amar é trabalhar, é inventar coisas pra fazer não pra ocupar o tempo ocioso, mas para cumprir seu papel na sociedade. Amar é olhar um olhar pousado no seu e infiltrar-se nele até descobrir qual o sentimento que leva a pessoa a olhá-lo e, a partir daí, dar as mãos, fazer um poema, declamar mesmo que se esqueça dos versos. Amar é ler bons livros, é educar-se, é procurar conhecimento. Só o conhecimento, só a instrução leva à evolução, pois a Vida não acaba aqui no Planeta Terra, ela continua até à perfeição em outro Plano.
Amar o amor, esta é a lei divina. Esta é a lei que move a humanidade. Infelizmente há pessoas que não pensam assim, distribuem somente coisas superficiais, não dão o verdadeiro amor, aquele que nada pede em troca, aquele que ama sem nome, aquele que está em toda parte, mas o ser humano, egoísta, não vê ou não quer ver, pois não se doa, não quer mostrar suas veias, não quer desnudar-se.
Só assim, amando o Amor a vida terá sentido.

Maura Soares - Grupo de Poetas Livres
Florianópolis - SC - Brasil
http://lachascona.blogspot.com/

Maura Soares nasceu em Florianópolis, SC. Mãe de João Guilherme, formado em Cinema e Vídeo (Unisul). Licenciada em Letras (Português-Inglês) - UFSC e Pedagogia (Supervisão Escolar) - UDESC. Presidiu: por duas gestões a Associação dos Supervisores Escolares de Santa Catarina; membro efetivo e presidente por quatorze anos do Grupo de Poetas Livres. Edita sua Revista Ventos do Sul. Membro do Instituto Histórico e Geográfico de Santa Catarina, faz parte da sua diretoria. Acadêmica da Academia Desterrense de Letras, cadeira 33, cuja patrona é a poeta Maura de Senna Pereira.
Autora de A Biblioteca e seus Patronos (biografia dos patronos da Biblioteca Prof. Barreiros Filho, 1999) e 7 Dias de Julho (conto, crônica, poesia, 2017),ambos pela Editora Papa-Livro.
Pelo Clube de Autores publicou: Sobre o travesseiro (poemas); Um amor para lembrar (poemas); Em pouca palavras (poemas curtos e aldravias); Velhos guardados (poemas); Cambada de invejosos (crônicas); Vida bandida (contos, crônicas, reflexões); O teatro de Maura (peças infantis); Uma rua chamada Pedreira (contos, crônicas); Rebeldia & Tenacidade – Maura de Senna Pereira (biografia da patrona da cadeira n. 33 da Academia Desterrense de Letras, ocupada por Maura Soares).
Todas as nove obras acima relatadas, foram publicadas neste ano de 2017. À venda no site do Clube de Autores.

 
 
 
 
 

Meire Pérola Santos

 
 

LUA
Meire Pérola Santos

Lua tão linda e majestosa,
És uma amiga grandiosa,
Estais sempre a me escutar,
Brilhes, Brilhes, cada vez mais.

Teu brilhar me encanta.
Aqui estou distante de ti.
Mesmo assim estais aí,
Ó, Minha Amada Lua.

Tenho saudades de amar.
Saudades dos beijos
Lua, vá até ele e diga, que
sem amor eu não consigo.

Sei que ele é meu anjo,
O bem melhor de mim.
Confio em ti, Ó Lua!
Sempre me escutastes.

Vá até, este amor,
E digas que o meus anseios,
Aumentaram,
Entre os brilhos, de Tu'alma.

Meire Pérola Santos
Ferraz de Vasconcelos - SP - Brasil

Alagoana residente em São Paulo. Tenho uma comunidade Coisas de Vida. Participo do Recanto das letras
Acadêmico: Meire Pérola Santos, Patrono: Stephane Mallarmé, Cadeira: 76