OUTUBRO de 2018

Ano IX - Número LIII

 
 

Madalena Gomes

 
 

HORIZONTE
Madalena Gomes

O horizonte mistura-se às incertezas mudas
E desfilam no mar ao longe.
Mais quente, o sol desfaz o arco íris que pintei
Com tanto esmero quieta, pensativa...

Não mais cantei os cânticos de amor, de saudade.
Alma nua, limpa vai para o mar banhar-se
E arder ao sol.
Queimas ilusões e saudades, esquece!
Vive o agora sem sombras de tudo.

Não imaginas, sente o que há sob teus pés
Terra, mar, idas e vindas
Solene abraço de brisa única é o que há
Traga-me em teu seio, ó horizonte inquieto.

Afasta de mim tuas distâncias
E a sede de me afastar
Faz-me sair de mim e buscas meus sonhos
Que arrancaste do meu coração.

Lá no teu longe há placas indicativas
Faixas e dizeres...
Mas, meus pés pregados
no chão de outrem não me deixam ver,
Seguir, descobrir.

Horizonte do meu presente
Quantas vezes mudaste o teu semblante
Desde o passado em que pensava,
em que buscava igual
e me perdia tanto quanto!

Madalena Gomes
João Pessoa, Paraíba


Madalena Gomes, Jornalista, Radialista, Aposentada, Poeta, Escritora e Formatadora.
Livro publicado: À Flor da pele, Editora Kelps, Goiânia, GO, 2012.
Participo de Grupos Literários e Academias Virtuais, Antologias e Cirandas.

 
 

 

Mafemane de Castro

 
 

SÓ ISSO
(Às mulheres)
Mafemane de Castro

Não é dos seios
Ou rabo de silicones,
Menos das unhas postiças
Ou cabelos mais caro dos mortos
Que fazem de ti, mulher fascinante.
Porque a isso,
Só os galanteadores se importam.

E depois não é só isso, oh mulher!
A beleza é como a flor
Que na manhã refrescante,
Nos prende com o odor da sua cor
Mas com o raiar do sol
Tudo perece e nada mais ostenta
Senão uma façanha
De ampla procura do aparato
Que ninguém aprecia de perto…
Mas desse feitiço intimo e mais profundo
De desejar coisas mas simples do mundo
Jeito nobre de incendiar as almas ao seu redor,
Só isso te torna cativante mulher…

Mafemane de Castro
Gaza - Moçambique


Mafemane de Castro - nome literário de Adérito Francisco Jeremias. Nasceu ao 29 de Abril de 1991, província de Gaza, distrito de Manjacaze. Licenciado em Ensino de Português pela Universidade Pedagógica _ Maxixe. Participou do II Curso Literário “Ler como escritor” ministrado pela Universidade Pedagógica _ Maxixe.

 
 

 

Magno Guedes

 
 

TORMENTO
Magno Guedes

Sibilo estridente
Bolha fragilizada,
Estrela cadente
Final da estrada.

Tiro certeiro
Alvo alcançado,
Extingue celeiro
Solo escalvado.

Sangue vermelho
Pelo encantado,
Ruga no espelho
Lábio cerrado.

Olho atento
Campo minado,
Navio ancorado
Destino traçado.

Canto lascivo, frígida solidão.
Ontem, brilhava.
Hoje, somente escuridão.

Magno Guedes
Jundiaí - SP - Brasil


Natural de Xique-Xique Ba, atualmente reside em Jundiaí SP e faz parte do núcleo Itatiba SP; Fisioterapeuta especialista em Dor, Craniopunturista - YNSA, Quiropraxista,Hipnoterapeuta.

 
 

 

Manoel Virgílio Cortes

 
 

O AMOR E A PRIMAVERA
Manoel Virgílio Cortes

Vão duas borboletas pelos ares
voando e se beijando em seus vagares.
O amor existe em toda a natureza,
nos mostra a primavera, com certeza.

Se amam os animais e isto é belo,
humanos muito amam, com anelo.
E sentem os poetas muito amor,
em toda a natureza, em cada flor.

Nas aves, pelos ares, em gorjeios
nos ninhos de filhotes, todos cheios.
Na flores dos jardins, cheios de cores,
também em todos mares, sempre, amores.

E traz a primavera exuberância,
amores sobre a Terra em abundância.

Manoel Virgílio Cortes
Rio de Janeiro - Brasil